Voto europeu 2

A grande vitória PS foi na realidade um voto contra a coligação governamental e um voto para Sousa Franco. Portanto, a camarilha que manda no PS que baixe a bolinha.

Sousa FrancoO-A-M
#27
16 Junho 2004

Narciso Miranda e quem permitiu a ida do candidato à lota de Matosinhos, sabendo do que se preparava, deve ser responsabilizado de forma exemplar perante a opinião pública. O PS deverá tirar deste escândalo as necessárias ilacções.

Eu votei em Sousa Franco. Não neste PS miserável e incapaz. Creio que, como eu, muitas centenas de milhar de cidadãos votaram, em primeiro lugar, contra a política da actual coligação governamental, e em segundo lugar, em memória de um político invulgar chamado Sousa Franco. Funcionários públicos, pequenos proprietários e comerciantes, profissionais liberais, pensionistas e reformados, que ora votam no PS oram votam no PSD, decidiram dizer basta ao Sr. Durão Barroso e ao seu acólito populista. Percebem, todos eles, o que significa a palavra crise, mas não aceitam a duplicidade de critérios, a demagogia, a mentira e a incompetência instaladas no actual Governo.

Durão Barroso deixou de governar, porque não pode correr com os ministros do PP sempre que lhe aprouver ou for manifestamente necessário. E não podendo dispôr dos assessores de Paulo Portas, não pode também substituir os ministros laranjas, em nome, por exemplo, da eficiência do Executivo. Uma remodelação que apenas tocasse nos seus correlegionários soaria pessimamente. E uma remodelação que apenas pudesse ter lugar como resultado duma negociação prévia entre Durão e Portas soaria ainda pior.

Dito isto, percebe-se porque o eleitorado que manda na rotatividade democrática (isto é, aquela franja activa da cidadania que pensa e vota pela sua própria cabeça) tenha decidido dar o tiro de partida para o fim do actual casamento de interesses que rege os destinos imediatos do País. Nem o PS, nem o PCP, tiveram a mais pequena influência neste desenlace. Admito, todavia, que o Bloco de Esquerda tenha podido beneficiar de alguns dos votos inteligentes que decidiram a coça dada em Durão Barroso, Santana Lopes e Paulo Portas.

A oscilação do pêndulo eleitoral foi, porém, mais esquerdista do que as estatísticas previram. Sousa Franco parece ser a única explicação para o facto. Escrevi no blog anterior que votaria naquele alien, e não no PS que por aí vegeta, sem norte nem dignidade. Depois da morte de Sousa Franco, hesitei entre votar em branco e votar, apesar das circunstâncias, no PS. Decidi, após ponderação e conversa familiar, manter a intenção de voto inicial. Fi-lo para honrar o exemplo de Sousa Franco e o caminho por ele apontado. Nunca para dar qualquer sinal de apoio à camarilha que se mantém indignamente no poleiro do PS. Acreditei que uma vitória franca da Esquerda e do PS seria entendida como um aviso sério à actual maioria e uma exigência de mudança radical no Largo do Rato.

A direcção do PS não tem condições para prosseguir a sua acção enquanto o julgamento do escândalo de pedofilia não transitar em julgado, e sobretudo enquanto não estivermos convencidos de que a sombra de pecado e vilania que pesam sobre várias eminências socialistas foi tão só e lamentavelmente um monumental encadeado de erros policiais e judiciais. Ora nem eu nem milhares de outros cidadãos (entre os quais se encontram muitíssimos votantes inteligentes) estão minimamente convencidos da inocência da figura pública e do político Paulo Pedroso. É preciso mesmo acrescentar que, com razão ou sem ela, muitos cidadãos nacionais continuam a suspeitar do comportamento da figura pública e do político Ferro Rodrigues, Secretário-Geral do Partido Socialista, em todo este assunto. E a questão é muito simples: pode, ou deve, um partido político carregar semelhante karma sobre os princípios de honorabilidade que regem a sua própria natureza cívica e democrática? Pode um partido constitucional manter no topo da sua liderança alguém que afirmou estar-se “cagando para o segredo de Justiça”? O facto de a afirmação resultar da divulgação ilegal de uma escuta telefónica não diminui em nada a gravidade da afirmação (sobretudo porque a dita fez, tudo leva a crer, parte de uma tentativa de travar uma acção judicial em curso).

O regresso de Paulo Pedroso ao Parlamento, cuja eventualidade há muito deveria ter sido desautorizada pelo PS — pelo menos enquanto durar o processo jurídico em que o homem se viu envolvido —, confirma nova conduta desastrosa por parte do actual directório PS e a urgente necessidade de o substituir.

A atitude de José Lamego, sobretudo porque teve a coragem de divergir dos seus camaradas na questão do Iraque, anuncia uma luz ao fundo do túnel. Os outros candidatos que façam como ele: apareçam e digam ao que vêm! O Partido Socialista precisa de uma Direcção decente. Seria lamentável termos que assistir à verborreia previsível dos Senhores Paulo Pedroso e Ferro Rodrigues sobre os respectivos méritos na “maior vitória socialista” das últimas décadas! Eles não ganharam nada e deitaram a perder um ingrediente essencial da Democracia: a nossa confiança na auto-regulação do sistema.

Sousa Franco morreu de um ataque cardíaco. Assim reza a sua autópsia. No entanto, a causa próxima da tragédia, com o passar dos dias, vai assomando de forma cada vez mais nítida como uma inesperada e intolerável pressão física e psicológica sobre a sua pessoa por parte de um aparelho partidário ávido de poder. Que os energúmenos responsáveis por tamanha violência paguem, onde tiverem que pagar, pela sua cegueira e ganância. — AC-P

IMG: Sousa Franco instantes antes de o seu coração sucumbir.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s