Socrates 2

José Sócrates lidera sondagens. A dois anos do poder.

José SócratesO-A-M
#35
26 Julho 2004

O Professor Marcelo pareceu-me murcho e inquieto no show de ontem, depois do empate do Benfica contra o Real Madrid. Mostrou-se incomodado pela unanimidade das críticas dirigidas pela generalidade dos opinadores políticos do País ao desastrado Santana Lopes. Até o Alberto João zurziu forte e feio no Paulinho, como se este não fosse um Ministro da República! Em suma, que poderá o Professor Marcelo fazer por “Santanás” (a expressão começou a correr numa reedição paródica da Nau Catrineta) perante tamanho estado de desgraça? Pouco. Mas lá foi adiantando que ninguém, nem sequer a Oposição responsável (quer dizer o PS), deveria desejar a infelicidade ao actual Governo, pois se tal viesse a suceder, as vítimas seríamos todos nós. Queria ele dizer na sua que o próprio José Sócrates, actual candidato favorito à liderança do Partido Socialista, perderia com uma interrupção abrupta do Santanismo. Sócrates, nas palavras do Professor Marcelo, precisa de tempo para definir as suas próprias ideias, as quais, pelos vistos e por enquanto (o Professor leu atentamente a entrevista dada por Sócrates ao Expresso) não existem.

Lá me dei ao trabalho de ler a Única, para conferir a opinião do Professor Marcelo com a realidade…

De facto, Sócrates não apresenta nenhum programa de Governo durante a entrevista conduzida por Cristina Figueiredo e Vítor Rainho. Mas poderia?! Olhem só para algumas (a maioria) das perguntas:

“Que recorda da infância?”; “Até quando viveu na Covilhã?”; “Como foi parar a Engenharia?”; “Quando se começou a interessar por política?”; “Qual era a sua visão do mundo aos 16 anos? Viajava?”; “A sua vida é só política? É assim tão desinteressante? Em jovem teve carro?”; “Nunca teve desilusões amorosas?”; “Até essa altura nunca foi confrontado com a morte de alguém próximo?”; “Há quem diga que aceita mal as críticas”; “Como foi parar à JSD?”; “Mas foi para a JSD por ser betinho ?”; “É um carreirista?”; “Imagina-se a fazer outra coisa sem ser política?”; “Voltou a conduzir?”; “Não admite que se urbanizou?”; “Há pessoas que o acusam de só ter imagem”; “Uma pessoa pode ser excelente político, mas se tiver uma péssima imagem não vai longe”; “Compra a sua roupa?”; “Gasta dinheiro em produtos para a pele?”; “Como se começa a interessar pelas questões do Ambiente?”; “Ainda se recorda do seu primeiro discurso? Estava muito nervoso?”; “Também fica nervoso quando tem de entrar em directo na televisão?”; “O que distingue, hoje o PS do PSD?”; “Qual é a sua posição sobre a liberalização das drogas?”; “Nunca fumou um charro na juventude?”; “Acha que os políticos ganham mal?”; “Diz que ficou marcado pelo divórcio dos seus pais. É divorciado. Acha que os seus filhos também sofreram?”; “No dia do seu casamento, chegou à portagem da auto-estrada e não tinha dinheiro nos bolsos…”; “Defende a adopção de crianças por casais homossexuais?”; “Se tudo correr como o previsto vamos ter dois candidatos a primeiro-ministro em 2006 que são divorciados'”; “Já alguma vez se olhou ao espelho e reconheceu nos seus olhos ‘aquele brilhosinho’ que dizia ver em Guterres e que, na sua opinião, distingue os grandes políticos?”; “Sabe cozinhar?”; “Vai à missa?”; “E ao futebol?”; “Lê banda desenhada?”; “Beleza, para si, é fundamental?”

As respostas, para serem lidas obviamente entre um banho de praia e umas boas fatias de melão, não poderiam, nem deveriam, esclarecer o Professor Marcelo sobre as suas angustiantes dúvidas quanto ao programa do futuro governo socialista. Até porque o mesmo, a confirmar-se, vem longe. Muito antes disso, o jovem líder tem que conquistar o coração e a cabeça do Partido Socialista. Tem que fazer germinar, no espaço e no tempo, as suas ideias gerais e convicções profundas, tendo em conta os horizontes concretos deste País (que não são nada risonhos). Não pode, do pé p’rá mão, andar por aí a esclarecer tudo e todos sobre o que vai fazer, como se todos nós já tivéssemos adquirido a ideia de que o actual Governo não existe. O Santanismo existe e a sua procissão ainda vai no adro. Vamos pois dar tempo ao tempo, para que, se possível antes das próximas eleições legislativas (mas depois da derrota esclarecedora da actual coligação — não legitimada pelo voto popular — nas próximas eleições autárquicas), o PPD/PSD exiba as suas dilacerantes mal-formações genéticas, o PP radicalize a sua acção catalizadora sobre a atarantada corte de Santana Lopes, e o Partido Socialista, por sua vez, consiga renovar-se enquanto partido político, na forma de uma organização partidária polarizada entre duas tendências politicamente claras: a social-democrata e a socialista. Estamos a assistir ao início de uma metamorfose dolorosa das duas principais forças partidárias portuguesas. Estou convicto de que a mesma, se correr bem, trará benefícios ao nosso sistema político. Mas para chegarmos a essa fase, vamos ter todos que dar uma ajudinha. Diabolizar Santana Lopes de aqui em diante não será a melhor estratégia. Talvez fosse isso que o Professor quis dizer ontem à noite. Faltaram-lhe tão só as palavras certas. — AC-P

One response to “Socrates 2

  1. Ora cá está o autor da Nau:

    Zecatelhado
    Blog: Tadechuva
    em:www.jachove.weblog.com.pt

    A nau já navega desde os tempos de D. Burrão.

    Vá lá ver

    Um abraço

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s