Strategic Foresight Group 2

 

Minoo by Hejab Iran

As Grandes Questões do nosso Tempo

– Por Sundeep Waslekar

Parte 2: O Futuro de Deus

O Strategic Foresight Group utiliza o modelo dos 4-G para analisar o futuro dos países. Três dos 4 Gs — Crescimento (Growth), Governação (Governance) e Geopolítica (Geopolitics) — representam mecanismos tradicionais responsáveis pelo destino das nações. O quarto G — Deus (God)&#151, tem vindo a assumir uma importância crescente nos nossos cálculos.

A ressureição de Deus um século depois de Friedrich Nietzsche ter declarado a sua morte é notável. As expectativas divinas têm andado para cima e para baixo. Nos anos 60, a Time perguntou se Deus não teria mesmo morrido. No fim do milénio, parece que ressuscitou.

A crescente importância de Deus está associada nos dias que correm às mudanças que têm vindo a ter lugar no mundo islâmico. A Turquia elegeu um partido de inspiração religiosa 80 anos depois de ter abolido o Califado. Reparei, numa visita à Turquia no princípio deste ano, que muitas mais mulheres levavam lenço sobre a cabeça (hejab) do que quando fui pela primeira vez àquele país, na década de 80. Em particular, as mulheres associadas à estrutura do poder, tais como esposas de ministros importantes ou responsáveis do partido no poder, ou do governo, mostram-se mais determinadas nas suas preferências pela tradição. Isto não pretende sugerir que a Turquia de hoje é o Irão de ontem. O Primeiro Ministro Erdogan está particularmente empenhado na adesão do seu país à União Europeia, e convidou o Papa a visitar a Turquia em 2006.

O Irão continua a ser governado por um colégio de Ayatollahs e o poder destes foi reafirmado em recentes eleições legislativas e presidenciais. No Iraque pós-Saddam, a religião é uma força importante na política. Quando o Afeganistão escreveu a sua constituição, o aspecto mais significativo da mesma foi ter assegurado a natureza confessional do estado. No Sudeste Asiático, podemos observar uma adesão religiosa crescente na sociedade, apesar de os malaios terem derrotado um partido religioso nas eleições. No Sudeste e na Ásia Central, o Hizb-ut-Tahrir (ver NT) encontra-se em pleno crescimento. Paquistão e Bangladesh, claro, continuam a ser as cidadelas do extremismo religioso.

Enquanto as mudanças em curso no mundo islâmico, acentuando o papel de Deus na sociedade e na política, são destacados pela imprensa mundial, o grande crescimento da popularidade de Deus está a ter lugar nos Estados Unidos e nas zonas cristãs da América Latina, Ásia e África. Estima-se já que 70 a 80 milhões de americanos, de um total populacional de 300 milhões, são evangélicos. Um dos nossos investigadores está a estudar esta evolução e apresentará a seu tempo as conclusões sobre as prospectivas de Deus na sociedade e na política americanas.

As forças religiosas questionam o próprio espírito da constituição americana. Thomas Jefferson e os seus pares passaram um mau bocado para separar a religião da política. O confinamento da religião à esfera privada é aliás considerado um factor essencial da popularidade da Igreja nos Estados Unidos, quando comparada com o respectivo declínio na Europa. Agora, os novos fundamentalistas querem que a religião regresse à vida política e social pela porta grande.

A grande questão do nosso tempo é saber se a política americana será nos próximos 20-30 anos governada por Deus. À medida que a economia americana entrar em declínio e o papel dos EUA como líder da comunidade dos valores for sendo rejeitado pelos europeus ocidentais, canadianos e outros, será que os Estados Unidos virão a precisar de uma âncora para a sua sociedade na forma de uma religião?

Enquanto os Estados Unidos e muitos dos países islâmicos fornecem cenários credíveis para novos regimes de inspiração divina, muitas outras zonas do mundo viraram as costas a Deus, especialmente nos sectores políticos e societários. Na Europa, os partidos democrata-cristãos encontram-se em declínio. O sucesso de um deles na Alemanha tem que ver com a economia e não com a religião. Na India, o Partido Bhartiya Janata, referência do nacionalismo indu (Hindutva), debate-se com a opção de abandonar a política da religião como forma de ganhar a política do poder. Na China, Falun Gong é apenas um movimento espiritual e social. Não tem nada que ver com a introdução da religião na política, ainda que os chineses paranóicos gostem de pensar o contrário. No Japão, Nepal e em muitos outros estados asiáticos, os jovens estão a virar as costas à religião.

Porque estará Deus a ganhar terreno nos Estados Unidos, América Latina, partes de África e países islâmicos, quando as populações noutras zonas do mundo estão felizes com a manutenção da religião na esfera privada? Terá que ver com o facto de os países onde Deus está a invadir a esfera política serem precisamente aqueles onde as condições económicas das populações estão em declínio? Ou será que tem antes que ver com o facto de estes países estarem a sentir uma perda relativa do seu poder e precisarem por isso de algo em que acreditar? Será Deus apenas uma cobertura para dinâmicas políticas e sociais em curso?

No princípio deste ano, fui convidado a proferir uma comunicação em Davos sobre Deus e a democracia. Sobre se efectivamente Deus ama ou não a democracia, as tendências mais recentes indicam que, de George Bush a Ayatollah Khamenei e de Gerry Adams a Pervez Musharraf, todos os líderes que acreditam em aproximações autoritárias aos jogos de poder parecem estar a empurrar Deus para a praça pública. O Futuro de Deus fora do domínio íntimo da nossa espiritualidade dependerá assim do fracasso dos economistas e do sucesso dos autocratas e imperialistas. Nietzsche usou a figura de um homem louco para declarar a morte de Deus. Se estivesse hoje vivo, usaria provavelmente a figura de um ditador para declarar o seu renascimento.


Sundeep Waslekar é o Presidente do Strategic Foresight Group, sediado em Mombaim. É um especialista em governação, conflitos, segurança global e regional, economia política — e filosofia política.
NT – Grupo extremista que defende o regresso do Estado Islâmico.
IMG – Minoo by Hejab Iran. Sítio muito sugestivo dedicado à moda islâmica.

OAM #111 13 MAR 2006

One response to “Strategic Foresight Group 2

  1. Li com gosto este blog que encerra muitas temáticas de grande interesse e actualidade. Acho que merece ser mais lido e melhor divulgado: política, ciência, economia, religião, Deus – entre outros sítios ligados à ciência da Prospectiva e à cenarização do futuro que sempre me interessaram. Aliás, creio que a estrutura do tempo já não é bem ternária, julgo que haberá qqr coisa mais do que o passado-presente-futuro – mas que não consigo identificar de forma linear. Por tudo isto, felicito o autor deste blog.rpmatosmacroscopio

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s