Strategic Foresight Group 3

As Grandes Questões do Nosso Tempo
– Por Sundeep Waslekar

Parte 3: O Futuro do Poder

Estive recentemente em Waterloo, uma pequena cidade universitária a uma hora de Toronto, Canadá, onde o meu amigo John English criou recentemente o Center for International Governance (CIGI), com o apoio de Jim Balsillie, fundador do sistema de comunicação Blackberry. O pretexto foi a conferência CIGI sobre poderes emergentes.

Os profes presentes na conferência assinalaram a chegada da India, Brasil, África do Sul e México à categoria de novos poderes emergentes, baseando-se nos respectivos PIB e despesas militares, deixando escapar a realidade que os rodeava. (Os profes mencionaram também a China, mas eu creio que a China deixou de ser uma força emergente. Ela já é, de facto, uma grande potência.) O Canadá, onde decorreu a conferência, está a emergir como um dos grandes centros de inovação do futuro. Arnold Toynbee e Paul Kennedy demonstraram nos seus aturados livros de história que os países que inovam ascendem, ao passo que aqueles que se excedem nas despesas militares, declinam. A queda do Império Romano 977 anos antes do império Bizantino, apesar da maior distância face a agressores externos, ficou a dever-se, precisamente, a um atraso na inovação tecnológica e à qualidade da governação.

Os canadianos parecem entender isto bem, sem reclamarem para si qualquer estatuto de futura grande potência. Waterloo, por exemplo, fornece anualmente o maior de número de recrutas à Microsoft. Os fundadores da Blackberry, por sua vez, montaram o CIGI, um Instituto de pesquisa dedicada à física teórica, esperando que o Canadá venha a conseguir no futuro grandes conquistas nesta área do conhecimento. O Governador de Ontário toma pessoalmente conta do departamento de investigação e inovação, dando um sinal inequívoco sobre a importância deste dossiê na política provincial. A região de Waterloo no seu todo vem sendo promovida como um centro de investigação e desenvolvimento, e o governo provincial vai onde for preciso para atrair investimentos de companhias de alta tecnologia.

Os canadianos lançaram-se numa revolução tranquila pelas energias limpas. Encontrei o meu amigo Nicholas Parker ao fim de vários anos e fiquei a saber que ele criara o fórum Cleantech Venture para atrair investidores de capital de risco e pequenos empreendedores para o campo das energias não poluentes. Assim, as empresas de energia da big Alberta estão hoje centradas na investigação e desenvolvimento das energias renováveis e limpas do futuro. Pouco depois da minha visita a Waterloo, o governo federal anunciou uma nova política de imigração destinada a atrair talentos de outras partes do mundo.

Além do Canadá, a ênfase na inovação vem dos países Escandinavos. Voei de Toronto para Estocolmo para jantar com o Dr. Michael Nobel, o presidente da Nobel Family Society. Esta família promove os prémios Nobel em memória de Alfred Nobel, tio bisavô do Dr. Michael Nobel. O Dr. Michael Nobel prepara-se agora para criar um prémio em memória de Ludwig Nobel, o seu bisavô e irmão de Alfred. Este novo prémio servirá para distinguir a inovação nos domínios da energia.
É claro que os prémios Nobel são apenas um símbolo do espírito inovador na Escandinávia, onde várias grandes e pequenas empresas confluem na investigação tecnológica e na inovação governativa. A Nokia e a Eriksson são famosas no sector das comunicações. Mas existem muitas outras experiências tecnológicas a decorrerem nos domínios da agricultura e da energia, ou da medicina e da metalurgia.

Curiosamente, o Canadá, a Suécia, a Noruega e a Finlândia, com menos de 1% da população mundial, desempenham um importante papel nas instituições de governação global. Os seus naturais detêm posições chave no Banco Mundial e em várias agências das Nações Unidas. O seus representantes dirigem muitas comissões multilaterais e comandam a agenda global de modo mais efectivo do que a maioria dos restantes países, excepto, claro está, os poderes P-5 do Conselho de Segurança. À medida que aqueles países ganharem a corrida tecnológica, a sua relevância no comércio transnacional e na economia global não deixará de crescer.

A China já percebeu a importância deste tipo de desenvolvimento. Há alguns meses atrás, o governo de Pequim seleccionou cinco universidades para serem elevadas ao patamar das melhores universidades do mundo — incluindo Harvard, Stanford e MIT —, com especial destaque para os campos científico e tecnológico. Os chineses sabem que os produtos baratos podem ajudar a atrair o investimento e a aumentar as receitas no curto prazo mas que não são a solução no longo prazo. É claro que os chineses têm um grande problema com a sua população agrícola. Se fracassarem na gestão do mesmo, as aspirações de momento poderão desaparecer num milhar de revoluções.

Para aqueles que querem escalar o pico da ciência e tecnologia, muito precisa ainda de ser explorado e inventado. Sir Martin Rees, um cientista britânico de topo, publicou um pequeno livro, Our Final Century, onde enumera aquilo que falta ainda à ciência conseguir. De acordo com este cientista, é ainda demasiado cedo para concluir que existem apenas três dimensões ou que a Terra é o único planeta com biosfera. Conhecemos a história do tempo a partir do segundo momento após o Big Bang, mas falta-nos descobrir o que aconteceu no primeiro momento e imediatamente antes dele. Sabemos como foi criada a vida, de uma célula para entidades multi-celulares e destas até à explosão Cambriana, mas desconhecemos como foi que a primeira célula apareceu. Mais incisivamente, Sir Martin alerta para o facto de ser ainda demasiado cedo para concluir que a nossa evolução biológica já chegou ao fim. Com o advento da biotecnologia e da nano-tecnologia a espécie humana poderá evoluir para uma espécie de semimáquinas capazes de proliferarem e autoreproduzirem-se no espaço (outer space), e talvez mesmo para lá do sistema solar.
Algumas destas ideias podem não passar de ciência-ficção, mas às vezes aquilo que parece impossível imaginar pode tornar-se realidade mais cedo do que esperávamos. Em 1937, um notável grupo de cientistas americanos foi incapaz de prever, o nascimento da energia nuclear, dos computadores e da Internet.

Com um historial destes na previsão do futuro, algumas das fantasias de Sir Martin poderão deixar de o ser mais cedo do que pensamos. Os países e companhias que rompem no campo das energias novas, baratas e limpas, ou na viabilização da vida no espaço (outer space), ou na medicina holística (all purpose mediciene) estão vocacionados para serem mais influentes do que os países que procuram ganhar um pedaço de território aqui e ali, ou se entretêm a derrubar um ou dois pequenos ditadores. Se andasse à procura dos protagonistas dos futuros jogos de poder, preocupar-me-ia menos com sistemas de armas dispendiosos, que se tornarão provavelmente obsoletos antes de serem usados, e manteria os meus olhos e ouvidos bem abertos, tentando descortinar o que andam a fazer os institutos de física teórica na invisível cidade de Waterloo.


Sundeep Waslekar é o Presidente do Strategic Foresight Group, sediado em Mombaim. É um especialista em governação, conflitos, segurança global e regional, economia política — e filosofia política.

OAM #112 20 MAR 2006

2 responses to “Strategic Foresight Group 3

  1. Posso-lhe perguntar onde conseguiu adquirir o último livro de Martin Rees? Estou bastante interessado lê-lo mas não o consigo encontrar em parte alguma. Obrigado : ) (trotas@gmail.com)

  2. Martin Rees, < HREF="http://www.amazon.co.uk/Our-Final-Century-Survive-Twenty-first/dp/0099436868" REL="nofollow">Our Final Century<>

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s