Cuba 1

Fidel Castro e Joao Paulo II, Cuba, 1998
Papa João Paulo II, de visita a Cuba, em 1998, condena o Embargo dos EUA

A manobra cubana de Condolezza Rice

Filho ilegítimo de um imigrante galego, instruído por jesuitas, advogado e doutorado em Direito, Fidel Castro não poderia ter combinado melhor o gene paternalista e autoritário do Noroeste ibérico com o peso da bastardia — arrastada até aos 17 anos de idade —, a sabedoria perversa da congregação de Jesus e a manha político-diplomática aprendida no estudo das leis. Como se isto não bastasse para formar um político de gema, Fidel Castro aprendeu tudo o que havia a aprender no manejo de armas de fogo e nas tácticas de guerrilha — e leu ainda as funestas teorias leninistas e trotskystas sobre a ‘violência revolucionária’ e o ‘humanismo burguês’. Das 20 mil vítimas da sua longa revolução (1959-2006), 16 a 18 mil foram executadas na sequência da ofensiva de 1958, sendo as restantes alvos de assassínios extra-judiciais, desaparecimentos e mortes em cativeiro — a cargo de guardas prisionais ou da falta de cuidados médicos apropriados.

Esta contabilidade sinistra fica, todavia, muito aquém da monumentalidade das carnificinas e do inominável sadismo que caracterizou a selvajaria civilizacional do século 20: revolução mexicana, revolução russa, guerra sino-japonesa, duas guerras mundiais, nazismo, estalinismo, revolução chinesa, guerra civil espanhola, guerra da Coreia, guerra do Vietnam, regime de terror de Pol Pot, ditadura de Suharto, guerras israelo-árabes, guerra Irão-Iraque, fragmentação da Jugoslávia, as duas guerras contra o Afeganistão, Chechnya, Ruanda, Congo, Angola, Libéria, Etiópia-Eritreia, Sudão, Tailândia, guerras do Iraque 1 e 2,…

Comparado com o que ocidentais e orientais, árabes, judeus, cristãos e indus, democratas, comunistas e fascistas foram capazes de fazer, em número e barbaridade, ao longo de todo o século 20, é preciso dizer que o regime de Fidel Castro, apesar do mal que fez, merece indubitavelmente a consideração de algumas atenuantes.

Ninguém sabe ao certo se a rigidez do regime teria acabado mais cedo, não fora a proverbial falta de jeito e mão dura da América de John Foster Dulles, Henry Kissinger, Robert McNamara, Caspar Weinberger, George Shultz, Dick Cheney e Donald Rumsfeld.

Se o Embargo imposto pela super-potência a Cuba, a partir de 1958, não tivesse ocorrido, talvez não se tivesse seguido a célebre crise dos mísseis de 1962, e o posterior agravamento do embargo, que dura, é bom lembrar, até aos dias de hoje. Os americanos deixaram de comprar açucar, charutos e serviços aos cubanos. Mas não só. Também tentaram impedir o resto do ‘mundo livre’ de negociar com este pequeno país de 11 milhões habitantes! A brutalidade da medida é tão humilhante quanto ridícula vinda de quem vem: uma super-potência com mais de 250 milhões de habitantes, conhecida por alimentar ditaduras de conveniência em todo o planeta, assassinar líderes nacionais inconvenientes — Enrico Mattei em Itália, Allende no Chile, Jaime Roldós em El Salvador, Omar Torrijos no Panamá, etc. —, desenhar golpes de Estado e movimentos insurreccionais, provocar e fazer guerras um pouco por todo o planeta.

A condenação do embargo estado-unidense pelo Papa João Paulo II, na sequência de uma viagem estatégica a Cuba, mostrou ao mundo que aquele regime marxista foi, com grande probabilidade, um dos mais suaves da Guerra Fria, e que há algo bem mais profundo do que aquele verniz ideológico conjuntural: o catolicismo do povo cubano. O mundo deveria saber que Cuba foi e é desde sempre um país católico tradicional, que Roma não gostaria de ver subjugado pelo fundamentalismo evangélico, protestante e milenarista, que inspira a deriva imperial dos Estados Unidos, sob a batuta alucinada do falanstério que tomou de assalto a Casa Branca.

A pequena ilha fez frente ao grande vizinho e este, com um inqualificável mau perder, montou uma ‘Cuba livre!’ em Miami e prepara-se, no momento em que o velho timoneiro cede à doença e ao tempo, para desencadear uma ampla e desestabilizadora manobra diplomático-militar pelo controlo do petróleo e demais matérias primas de todo o continente americano (sim, do Canadá ao Chile!) A hipócrita, gananciosa e desumana América quer abrir uma nova e decisiva frente de batalha pelo domínio da América. Espero sinceramente que o tiro lhe saia pela culatra.

Aos neo-atlantistas falidos do meu país pergunto: e quando esta manobra ocorrer, de que lado estarão, e pretenderão que esteja Portugal?


NOTAS
Cuba sustentável. Com o fim a União Soviética, Cuba perdeu em apenas um ano 50% das suas disponibilidades petrolíferas! A sua adaptação a esta emergência energética está a ser um dos mais interessantes case studies sobre o destino das sociedades pós-petrolíferas. Vale a pena ler o Power Point Cuba — a Peak Oil Country (6.1Mb), elaborado por The Community Solution: The Solution to Peak Oil
Neoturismo em Cuba. Tomei uma decisão: a próxima viagem fora da Europa será a Cuba: Havana, Pinar del Rio, etc., tendo o cuidado de eleger o pacote mais favorável à economia local. Os agentes turísticos internacionais há muito que anteciparam este cenário (com especial destaque para espanhois e ingleses). No imediato, pode ser um importante canal de entrada de divisas num país que delas precisa desesperadamente. O turismo convencional é pura imbecilidade consumista, mas podemos escapar a este tipo de fatalidade e fazer das nossas explorações urbanas e campestres (locais, nacionais e internacionais) verdadeiras aventuras psicogeográficas, com um sentido preciso das nossas responsabilidades éticas e exigências estéticas. Eu quero conhecer as vegas onde se cultivam o tabaco e produzem os inesquecíveis puros cubanos, percorrer as ruas de La Habana, conduzir um daqueles milagrosamente conservados Buicks dos anos 50, pisar uma praia de areia branca e mar cálido e dançar por uma noite tropical adentro.

OAM #133 08 AGO 2006

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s