Aeroportos 21


Low Cost, a ruína da TAP e da Portugália e o embuste da Ota

01 — Há pelo menos 60 companhias aéreas de baixo custo a operar na Europa (e pelo menos duas delas continuam a baixar preços: easyJet e Ryanair)

02 — 14 destas companhias já operam em Portugal

03 — Nenhum destes 60 operadores é português… mas dois são espanhois…

04 — As Low Cost operam na Portela, no aeroporto Sá Carneiro e em Faro, tendo vindo a aumentar exponencialmente as ligações ponto-a-ponto entre estas três cidades portuguesas e a Europa. Em Beja nascerá em breve uma quarta “base” de operações paras as companhias de baixo custo.

05 — As Low Cost representam já 80% do tráfego de Faro

06 — As Low Cost representam já 35-40% do tráfego do aeroporto Sá Carneiro

07 — As Low Cost subiram, em dois anos, de 0% para 17% do tráfego da Portela e deverão chegar ao fim de 2007 com uma percentagem da ordem dos 24-25%

08 — A Espanha terá todas as suas principais cidades ligadas por linhas de Alta Velocidade até 2020 (10 000 Km de ferrovia em bitola europeia), sendo que já em 2007 estarão completadas as ligações Madrid-Barcelona, Madrid-Valladolid e Madrid-Málaga.

09 — A Portugália anunciou que não publicará os resultados de exploração do ano 2006!

10 — E a TAP deixou de cancelar mais voos dos que vinha fazendo até agora (cerca de 100 por mês!) para não perder slots (1) na Portela e no Porto (o que sucede a partir do momento em que uma companhia aérea cancela mais de 20% dos voos num determinado slot). A TAP está por isso sujeita, tal como a Portugália, a voar com os aviões semi-vazios, o que não pode deixar de ser considerado mais um factor para a provável falência técnica destas duas companhias; o outro facto ruinoso, é a perda de receitas por efeito da concorrência imposta pelas Low Cost…

11 — Tudo isto significa cinco verdades límpidas como a água:

A) a distribuição do tráfego aéreo por 3-4 aeroportos vai retardar drasticamente a tão propalada saturação da Portela, a qual, sobretudo se dispuser de mais duas pistas no Montijo, não tem nenhuma hipótese de vir a ocorrer no futuro (até porque, a partir de 2012, o tráfego aéreo na Europa vai estar sujeito a fortes limitações de volume e a taxas penalizadoras, pelo que os preços voltarão progressivamente a reflectir os seus efectivos custos económicos e ecológicos…, regredindo a actual euforia viajante)

B) as ligações aéreas até aos 600-700 Km (Lisboa-Madrid, Lisboa-Corunha, Porto/Coimbra-Madrid, Madrid-Barcelona, Lisboa-Sevilha) serão progressivamente substituídas por ligações ferroviárias e rodo-ferroviárias muito antes de 2017…, diminuindo ainda mais a procura do transporte aéreo peninsular e conduzindo ao cancelamento de boa parte das actuais ligações aéreas entre cidades portuguesas e espanholas

C) a opção da Ota é um embuste que cheira cada vez mais a conspiração mafiosa

D) Portugal (com responsabilidades igualmente distribuídas por todos os partidos com assento parlamentar) não tem qualquer política de transportes digna desse nome, não tendo percebido o fundamental, i.e.,

1) que apesar das aparências, o paradigma do transporte europeu começou decididamente a mudar no sentido de recuperar as opções ferroviária, marítima e fluvial, em detrimento dos transportes aéreo e rodoviários (principais consumidores de recurso petrolíferos cada vez mais caros e a prazo escassos, e principais causadores de emissões prejudiciais ao ambiente);

2) que a estratégia de transportes espanhola condiciona inevitavelmente (e neste caso, bem) a política de transportes portuguesa, pelo que todas as hesitações dos imbecis da política lusitana não só desmerecem e envergonham a inteligência portuguesa, como contribuem criminosamente para o desfalecimento patente da nossa economia. Não haverá nenhum economista por aí que tenha a coragem de dizer que a Ota é um crime? Não há nenhum economista português com sabedoria suficiente para ver que bastaria avançar rapidamente para um novo plano ferroviário nacional (rede de Alta Velocidade e substituição completa da actual bitola ibérica pela bitola europeia) para dar imenso e útil trabalho ao país?

3) a anunciada nacionalização da falida Portugália (empresa do grupo BES) e a anunciada privatização da próspera ANA (a empresa que administra os principais aeroportos portugueses), supostamente para financiar o consórcio do aeroporto da Ota, são dois enormes crimes económicos com clara responsabilidade política, que esperemos venham a ser chumbados pelo povo português. As figurinhas de José Sócrates e Mário Lino, do teatro de Robertos em que se transformou o actual governo PS, claramente manipulado por um verdadeiro polvo de interesses inconfessáveis, têm que ser rapidamente varridas do horizonte da política portuguesa. São dois embusteiros e a rua é o seu destino justo. Esperemos que o Sr. Cavaco comece a exercer rapidamente as funções para que foi eleito!

Notas
1 – Slot é um intervalo no alinhamento diário dos movimentos das aeronaves num aeroporto que permite uma dada companhia aérea operar um voo regular. Quanto mais movimentos/hora (aterragens e descolagens) permite um dado aeroporto (o que tem que ver com o número de pistas disponíveis, a dimensão e desenho dos taxi way, número de mangas disponíveis, etc.), mais slots haverá no mesmo intervalo temporal. A disputa feroz pelos slots (que levou a CE a legislar expressamente sobre o assunto) deriva da existência de horários nobres, ou de ponta, que boa parte das empresas, e sobretudo os voos de interligação, pela sua rigidez, elegem como comercialmente ideais. As Low Cost, por se dedicarem sobretudo às ligações ponto-a-ponto, são bem mais flexíveis no uso do espectro de slots disponíveis, podendo por esta razão aumentar radicalmente a oferta de voos muito para além das limitações de slots existentes em todos os aeroportos do mundo. Estas limitações coincidem invariavelmente com as chamadas horas de ponta. Em Portugal, na Portela, as horas de ponta (ou seja, onde há maior disputa de slots) são duas: das 8 às 9 da manhã, e das 14 às 15. No resto do dia, está quase sempre às moscas…

Links
Alta Velocidad Ferroviaria en España
O Modelo Ferroviário Espanhol, Rui Rodrigues
Low Cost Portugal

OAM #201 10 MAI 07

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s