Portugal 3

Jose Saramago, escritor
José Saramago: escritor português, cidadão espanhol. Foto: EFE

Ibéria, capital: Lisboa

“Não sou profeta, mas Portugal acabará por integrar-se na Espanha” – José Saramago in Diário de Notícias online, 15.07.2007

Não fora o homem estar eterna e agradecidamente enamorado de uma linda sevilhana chamada Pilar del Rio, que muitíssima importância teve para o êxito internacional do escritor ribatejano, e o assunto do seu reiterado iberismo mereceria, de facto, extenso debate, em vez da urticária que atacou imediatamente alguns arautos profissionais da portugalidade. No entanto, o “sentido de oportunidade” da sua entrevista ao Diário de Notícias, fazendo-a coincidir com a visita do rei de Espanha a Portugal no âmbito da presidência portuguesa da União Europeia, teve o esperado condão de excitar os espíritos fracos de ambos os lados da fronteira. O El País (1) excita-se sempre nestas ocasiões e descobre, espantado, que Portugal existe (e continua a ser apetecível), e o Manuel Alegre (que parece ter-se esquecido dos seus mais recentes compromissos com o movimento de cidadãos que desencadeou, e sobretudo com parte importante da base militante e simpatizante do PS) fez previsivelmente ouvir a sua voz adamastórica: “Ele (Saramago) tem a responsabilidade de ter ganho o Nobel da Literatura com a língua portuguesa”.

Saramago regressa às “portadas” dos jornais e televisões, e à netosfera, com uma questão típica do século 19: o iberismo. Homens de uma bem mais notável craveira intelectual que Saramago, refiro-me a Miguel de Unamuno, Antero de Quental, Teófilo Braga e António Sérgio, ou mesmo a escritores seus contemporâneos, como Miguel Torga, António Lobo Antunes e Eduardo Lourenço, sonharam ou sonham igualmente com formas mais ou menos evoluídas de iberismo. O já desaparecido José Rodrigues Miguéis, num dos seus deliciosos bilhetes postais publicados no extinto Diário Popular, falava, mais limitadamente, de uma nova quimera que baptizou com o nome Portugalícia. Em suma, se durante tantos séculos fomos aliados dos ingleses, para nos defendermos dos castelhanos, depois da vergonhosa Conferência de Berlim (1884-1885) e do ultimato inglês a Portugal, rejeitando o Mapa cor-de-rosa (com que Portugal pretendia assegurar uma boa presença na partilha colonial do continente africano então em curso pelas principais potências europeias), tal ideal estratégico chegaria irremediavelmente ao fim. Por outro lado, a decadência mais geral e profunda dos povos peninsulares, verberada por Miguel de Unamuno, tornar-se-ia uma realidade cada vez mais pesada de consequências, tanto para os povos ibéricos como para os dois estados que os protagonizam. A Espanha deixou entrar Napoleão no seu território a pretexto de obrigar Portugal a cumprir o bloqueio contra os ingleses, a decadente corte lusitana, em consequência desta invasão francesa, fugiu para o Brasil. Mais tarde, a derrota espanhola de 1898, na disputa com os Estados Unidos pelo controlo do continente americano, mergulharia este país num declínio económico e político de que só sairia após a morte de Franco. Perdidos os impérios coloniais espanhol e português, findas as ditaduras oportunistas que emergiram da crise finissecular em ambos os países, criada a União Europeia, nada mais natural do que repensar as relações entre os vários povos ibéricos, entre as várias nações históricas da península e entre os dois estados que há muitos séculos protagonizam as suas alegrias e as suas tristezas. Tudo isto pode e deve ser feito, com tempo, com cautela, com transparência e sobretudo com elasticidade. Mas daí a alimentarem-se ilusões sobre uma nova união ibérica vai um passo de gigante demasiado improvável. A menos que a capital dessa união seja Lisboa, claro!

Post scriptum: Há um argumento falacioso, muito bem montado por alguns estrategas do iberismo castelhano, expresso aliás num recente artigo de Santiago Petschen, que convém desmontar a tempo de evitar excessivos optimismos face à utopia de dissolver o secular bicefalismo geo-estratégico da jangada ibérica. Petschen resume-o de forma fina e sedutora:

“Há alguns anos, depois de uma exposição que li no Instituto de Defesa Nacional de Lisboa, num português macarrónico, dialoguei com os militares sobre as relações entre os espanhóis e os portugueses e surgiram algumas queixas. Perguntei então: estão de mal com os galegos? A resposta imediata foi: não! Estão de mal com os andaluzes? Também não. Mal com os catalães? De maneira nenhuma. Mal com os bascos? Absolutamente, não. E continuei: os estremenhos, os aragoneses, inclusive os manchegos e os madrilenos. Para com todos os mencionados mostraram os dialogantes a sua simpatia. Só apareceu um cliché, resquício de irredutibilidade, o dos castelhanos velhos. Disse-lhes então: os senhores não têm nada a temer. Portugal e Castela a Velha contam com um número parecido de quilómetros quadrados. Mas sobre a mesma extensão encontram-se, em Portugal, dez milhões de habitantes e em Castela a Velha pouco mais de dois milhões. A estatística, tão favorável a Portugal, produziu no auditório desconhecedor do dado uma surpresa. Dissipou-se, com isto, uma percepção errónea.” – “O iberismo”, Santiago Petschen, Prof. catedrático de Relações Internacionais na Univ. Complutense de Madrid, in DN online.

Como é evidente, o problema do poder não se mede hoje em dia pelo critério demográfico, particularmente se estão em causa escalas tão exíguas. O que conta hoje e no futuro próximo são as grandes concentrações urbanas (Madrid, Lisboa-Porto, Barcelona-Valencia) e os sectores-regiões económico-financeiros, logísticos, tecnológicos, de serviços e político-militares, que as mesmas representam e controlam. Neste sentido, seria imperdoável tolerar que a ingenuidade prevalecesse sobre o realismo dos jogos de estratégia em curso. Madrid pretende hegemonizar radialmente a península ibérica – e para isso, tudo tem feito, no sentido de transformar a capital espanhola numa super-metrópole política e financeira. Lisboa, com o Porto e Barcelona (e Bilbao), não estarão jamais dispostos a sucumbir a esta estratégia, e por isso continuarão a desenvolver esforços para consolidar, sob todos os pontos de vista, os aneis atlântico e mediterrânico, de que a sobrevivência estratégica da península afinal depende. A União Europeia irá passar nas próximas décadas por duras provas à sua consistência estratégica e à sua governabilidade interna, sobretudo por causa das questões energéticas, ambientais, mas também das que respeitam à imediata questão do alargamento. Deverão a Turquia e Marrocos integrar-se na União Europeia, como pretende a Alemanha e vários estados da União (entre eles, Portugal e Espanha), ou, pelo contrário, formar com o resto do Magrebe uma União Mediterrânica, como quer Sarkozi? É ou não do interesse europeu chamar a Ucrânia para a União? Se os EUA atacarem o Irão, e a Rússia sair em defesa deste, que fará a Europa? Qual Europa? Portugal é um estado independente há 868 anos; a Espanha é um reino unificado e independente há 538 anos. Vamos pois deixar, para já, as coisas como estão, e um dia, quando a Europa for o que promete, voltemos então a discutir a organização política da Ibéria.

Post scriptum (11-08-2207): O El País de 22 de Julho publicou duas páginas inteiras a propósito da excitada discussão sobre a união ibérica. Uma delas, assinada por Miguel Mora, leva o mesmo título que o artigo d’O António Maria: Iberia, capital Lisboa. Como o artigo do El País foi publicado 4 dias depois, presumo que se trata de um feliz sentido de oportunidade.

O artigo do El País suscitou mais de 250 comentários, a maioria deles revelando um olhar justo sobre os portugueses e uma percepção crítica da arrogância mini-imperialista de alguns políticos provincianos de Madrid. Vale a pena lê-los.

Já agora, um aviso: a Espanha que apareceu na cimeira das Lajes, ao lado do Reino Unido, dos EUA e de Portugal no papel de anfitrião (que valeria a Durão Barroso o cargo que agora ocupa com entusiasmo) –mas que o mesmo El País e a generalidade dos média espanhóis trataram de apagar das fotografias– não foi um erro de casting. O eixo Paris-Berlim-Varsóvia, que procura activamente estender-se até Kiev, afasta o Reino Unido e a Espanha do novo centro de gravidade da Europa pós-Ialta e pós-Versailles. Daí a agressividade económica da Espanha face aos países de um e outro lado do Atlântico (Portugal e Reino Unido, Cuba, Venezuela, Colômbia, Brasil, Argentina…) A cimeira das Lajes assinala, não tenhamos dúvidas, uma mudança de 180 graus na geo-estratégia da Espanha. Assim, e apesar do recuo táctico ocorrido na sequência do massacre do 11 de Março de 2004, levado a cabo pela Al Qaeda, e da consequente mudança de governo, a verdade é que Madrid não tem outra alternativa para o seu próprio protagonismo europeu que não passe por assumir uma crescente presença na parceria transatlântica entre os Estados Unidos (e o continente americano em geral) e a Europa. Daí que para Aznar, como para Zapatero, o acesso ao mar português seja um objectivo estratégico lógico, relativamente ao qual Madrid se mostra cada vez mais ansioso. Dos governantes lusitanos espera-se, neste novo contexto, duas coisas: que não andem a dormir e que não sejam corruptos (i.e. traidores!) Até porque do outro lado do Atlântico as potências dominantes ou falam inglês… ou português.



Notas

1 – El País — Link 1 Link 2

OAM #224 18 JUL 2007

6 responses to “Portugal 3

  1. Aqui estamos em ligeiro desacordo. O António vê o futuro como a continuação da consolidação das grandes metrópoles e cada vez mais concentração de pessoas em cidades cada vez mais gargantuescas.Há no entanto um aspecto que pode virar esta tendência. A evolução exponencial dos computadores e das telecomunicações vai trazer inevitavelmente o tele-trabalho, o tele-ensino, a tele-medicina e muitas outras actividades que poderão ser feitas à distância.Este fenómeno irá arrastar de novo as pessoas para a «província», cidades pequenas e vilas com muito mais qualidade de vida. Os custos empurram nesta direcção. O ambiente empurra neste sentido. A qualidade de vida das pessoas exige-o cada vez mais.Há dois séculos ninguém sonharia que iria acontecer uma migração maciça para as cidades. Vamos ver o que vai acontecer.

  2. Fernando Magalhães

    Eh pá, qual Ibéria qual quê? Esse Saramago pensa que tudo se resume à economia. Podia casar com uma chinesa e vendia 2 biliões de livros, o que vale é que está velho e é comunista. Que fale por ele.Não abdico, nem renunciarei à minha identidade cultural por dois tostões, como esse traidor, que se esqueceu que se tem um prémio nobel, o deve à lingua e cultura portuguesa…Se querem mais etarras, ou portugarras, cumpram a palavra de Saramago….Cumprimentos

  3. Diogo: o Howard Kunstler é de opinião que, quando o petróleo pifar, i.e. se tornar tão caro q altera radicalmente os actuais padrões de vida no planeta, as pessoas voltarão para as pequenas comunidades onde haja comida e nenhuma necessidade de transportes motorizados. É difícil prever o q vai acontecer quanto a longa emergência ocorrer… No cenário exposto sobre o xadrez ibérico, quis apenas sublinhar que os actores principais são por agora as cidades com mais de 100 mil habitantes, e sobretudo as cidades-região com mais de 1 milhão de habitantes. E já agora, o tele-trabalho tem um problema: depende demasiado de tecnologias altamente sofisticadas q não resistirão ao colapso da globalização assim q o Peak Oil se começar a fazer sentir de forma irrefutável e exponencial. É uma porra, mas é assim!

  4. António: o tele-trabalho é infinitamente mais barato do que a comutação casa-trabalho-casa. O custo do computador e da electricidade que este gasta é igual em casa ou no local de emprego (na realidade é mais barata em casa, já que esta, se localizada numa cidade pequena, permite o aproveitamento de pequenas fontes de energia). O grande custo é o transporte. Sabia que um automóvel pesa cerca de 30 vezes mais que o passageiro que ele carrega? Portanto a gasolina utilizada é quase toda gasta para mover o próprio automóvel, e não o seu passageiro. Isto para ir fazer um trabalho que pode ser feito em casa.«Quando o petróleo pifar» julgo que surgirão novas formas de energia. Foi o avanço da tecnologia que nos permitiu aproveitar, por ordem cronológica, a força dos animais de tiro, o vento e as correntes de água, o carvão e por fim o petróleo. O carvão era praticamente inútil há quinhentos anos atrás. O petróleo era inútil há duzentos anos atrás. Foi o avanço da tecnologia que abriu as portas a estes «manás» energéticos.Terá a coisa de ficar por aqui? Não existirão outros «manás» energéticos à espera do avanço tecnológico (que continua a progredir de forma exponencial, quaisquer que sejam os indicadores que se considerem). Fala-se na fusão (atómica) a frio. Mas podem surgir outras que não conseguimos prever.

  5. Diogo: estou perfeitamente sintonizado com o tele-trabalho e o renascimento das pequenas comunidades. Permitem simultaneamente mitigar os problemas actuais e futuros imediatos e são na verdade um modelo alternativo à hipertrofia para que caminham as sociedades actuais. Se chegaremos a tempo, é outra questão… As tendências para os próximos 20 anos continuam a apontar para a hipertrofia urbana mundial, para o consumo exponencial de hidrocarbonetos e para a emissão crescente de gases com efeito de estufa. Partilho do seu optimismo (talvez com maior dose de preocupação), na medida em que também eu não me canso de estudar e buscar soluções para estes problemas.

  6. < HREF="http://www.madridiario.es/2007/Mayo/madrid/madrid/22084/sebastian-programa-ilumina-madrid.html" REL="nofollow">Os espanhóis parecem claramente apostados nisso:<>Miguel Sebastián quiere que Madrid sea la capital de la información. Para ello, entre sus promesas electorales se encuentra el Plan Ilumin@ Madrid, a través del cual el candidato socialista a la Alcaldía se compromete a duplicar el presupuesto municipal destinado a la sociedad de la información; a instalar 750 puntos de conexión inalámbrica a Internet en todos los barrios de la ciudad; a formar a los jóvenes y los mayores en esta materia, <>y a que en el año 2011 el veinte por ciento de las labores de las empresas se realicen mediante teletrabajo, lo que evitará siete millones de desplazamientos.<>El objetivo es que en el año 2011 el veinte por ciento de las labores de las empresas se realicen mediante teletrabajo, lo que evitará siete millones de desplazamientos. Pero Miguel Sebastián quiere ir a más. Por ello, ha anunciado que “<>el Ayuntamiento pondrá su grano de arena al aumentar hasta un veinte por ciento el teletrabajo para los funcionarios<>“.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s