Haxixe

haxixe

Legalize-se o cultivo da Cannabis
E denuncie-se a hipocrisia dos Estados

Aqui há uns anos prenderam pai e filho, creio que alemães, no Algarve (Portugal), por terem uns pés de Cannabis no quintal. Agora foi a vez de humilharem uns camponeses pobres, depenados da PAC, por causa de mais umas plantações (pé-de-meia) de erva, algures em terras perdidas de Trás-os-Montes.

Toda a gente sabe, ou deveria saber, que Marrocos produz 80% do haxixe consumido na Europa (e portanto alguém ao mais alto nível deve estar a par do assunto…). Por outro lado, são a Espanha e Portugal dos que mais lucram com a distribuição do produto na península e no resto da Europa (e portanto alguém ao mais alto nível deve estar a par do assunto….) Aliás, Espanha e Portugal são notórias plataformas de distribuição de haxixe, de cocaína e de tabaco ilegal vindo dos Estados Unidos (e portanto alguém ao mais alto nível deve estar a par do assunto…) Estes três produtos, e a lavagem de dinheiro negro proveniente de Estados falhados ou corruptos (Rússia, Angola, etc.), mais algum tráfico de carne branca, são, para quem não sabe, o segredo do milagre imobiliário espanhol e português (e portanto alguém ao mais alto nível deve estar a par do assunto…)

O negócio das iguarias é uma coutada reservada aos poderosos, independentemente de se tratar de droga, tabaco ilegal, prostituição, comércio ilegal de armas, diamantes, ou trabalho clandestino. Por isso esperam que os governos prendam de vez em quando uns pobres diabos, para dar o exemplo…

Mas se o haxixe, o tabaco ilegal e a cocaína são tão importantes fontes de rendimento negro de tantos países, que os mesmos ou outros depois reciclam, porque não legalizar o consumo destas drogas, com regulamentação apropriada, autorizando, por exemplo na Península Ibérica, o cultivo, outrora tão comum, do atractivo e útil cânhamo? Não serve a dita e maravilhosa planta para fazer boas telas e bom papel? Não servem as suas inflorescências e folhas para produzir infusões e fumos tão variados quanto irresistíveis? E não serviriam os restos de todas estas produções (o bagaço do haxixe), bem como as plantas de menor qualidade, para produzir os cada vez mais atraentes biodiesel e bioetanol, sem afectar a produção de alimentos essenciais, como o milho, a soja, a cana-de-açucar, a beterraba açucareira, o óleo de dendê e mesmo variedades especiais de trigo e de ervilhas! A mamona brasileira não se dará provavelmente muito bem na Ibéria, mas o haxixe, sim!!

Na procura de energias alternativas ao petróleo, gás natural e carvão, o segredo está no blend: algum bioetanol e biodiesel que não estupore a agricultura alimentar; ventoinhas que cheguem, bem distribuídas entre a terra e o mar, mas que não excedam os equilíbrios mecânicos da atmosfera; paineis solares onde haja chão improdutivo (pois Sol e sílica não faltam!); enfim, alguma barragem hídrica mais, se for bem demonstrada a respectiva utilidade energética e económica, devidamente indemnizadas as regiões pelas inevitáveis e dolorosas patadas ecológicas dos factos a consumar, e enfim, assegurados os adequados tratamento e transporte das matérias orgânicas que os rios levam naturalmente até ao mar; quanto ao nuclear, não obrigado!

Outrora, e há a propósito textos muito persuasivos de Thomas de Quincey —Confessions of an Opium-Eater (1821)— e de Baudelaire —De l’Idéal artificiel, le Haschisch (1858)–, a Europa rejeitou o haxixe, basicamente por ameaçar o predomínio económico e cultural de duas outras drogas bem enraizadas e da qual os Estados ocidentais cobravam (e ainda cobram!) bons impostos: o tabaco e o álcool. Ora bem, hoje os consumos do tabaco e do álcool são cada vez mais penalizados, quer do ponto de vista legal, quer mesmo do ponto de vista cultural. Por razões de saúde, claro, mas sobretudo porque os danos por eles provocados, directa e indirectamente, começaram a ameaçar perigosamente os lucros das companhias de seguros e a sustentabilidade dos serviços públicos da saúde. It’s always the economics, stupid!

Ora bem, porque não incluir o haxixe, a cocaína, a heroína, e outras drogas difundidas e largamente consumidas no Ocidente (os espanhóis estão entre os maiores consumidores de cocaína do mundo) no lote de substâncias psicoactivas de venda tolerada, ainda que fortemente regulamentada e desaconselhada? As proibições que vigoram em número crescente para o álcool e para o tabaco seriam obviamente aplicáveis ao haxixe e demais drogas culturalmente aceites na Europa. Haveria, por assim dizer, um princípio de liberdade e um princípio de responsabilidade simultaneamente aplicáveis. Será que estou a dizer uma barbaridade? Se não estou, porque é que se perseguem de forma caricata e hipócrita os desgraçados de Trás-os-Montes que vimos hoje, cheios de vergonha, nos noticiários televisivos?

Creio que a explicação é similar à que motiva as campanhas de eco-terrorismo de Estado promovidas pelos governos norte-americano e colombiano contra as plantações de coca: garantir uma fonte regular de super-lucros!

Mas disto nada se ouve da parte dos atarefados partidos políticos portugueses. Andam, como sempre, entretidos com jogos florais em volta da cantina orçamental.

Cannabislândia
Cânhamo
Cannabis
Maconha
Haxixe
Biodiesel
Bioetanol

OAM #237 07 SET 2007

2 responses to “Haxixe

  1. (e portanto alguém ao mais alto nível deve estar a par do assunto…)As Nações Unidas anunciaram que o cultivo da papoila do ópio no Afeganistão cresceu brutalmente e pensa-se que vá aumentar 59% em 2006. Calcula-se que o aumento da produção do ópio tenha aumentado 49% em relação a 2005. Os media ocidentais em coro culpam os talibãs e as chefias militares. Dizem que a administração Bush está empenhada em reduzir o tráfico afegão de drogas: “Os EUA são o principal apoiante de uma grande iniciativa para livrar o Afeganistão do ópio…” Mas, ironicamente, a presença militar dos EUA tem servido para restabelecer o tráfico da droga ao invés de o erradicar. O que falta no relatório é reconhecer que o governo talibã foi útil na implementação de um bem sucedido programa de erradicação de drogas, com o apoio e a colaboração das Nações Unidas. Segundo a ONU, em 2006 o Afeganistão vai fornecer cerca de 92 por cento do abastecimento mundial de ópio, que é utilizado para fabricar heroína. As Nações Unidas calculam que em 2006, a contribuição do tráfico de droga na economia afegã seja da ordem dos US$ 2,7 mil milhões. O que se esquecem de mencionar é que mais de 95 por cento das receitas geradas por este lucrativo contrabando vão parar às organizações de negócios, ao crime organizado e às instituições da banca e da finança. Só uma pequena percentagem vai parar aos agricultores e aos comerciantes no país da produção. < HREF="http://www.mondialisation.ca/index.php?context=va&aid=6335" REL="nofollow">Quem beneficia com o tráfico do ópio do Afeganistão?<>

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s