Petroleo 12

Petroleiro fumegante
Petroleiro solitário

A quimera carbónica de Tupi

Ao ritmo actual, as reservas de petróleo e gás natural descobertas no campo submarino de Tupi, na Bacia de Santos (Brasil), estimadas entre 5 e 8 mil milhões de barris, dariam para satisfazer a procura mundial durante… três meses.

Admitindo que a GALP traria para Portugal 10% das citadas reservas, as mesmas chegariam para satisfazer o nosso apetite por petróleo e gás natural durante pouco mais, ou pouco menos, de seis anos.

O valor estimado do negócio, com elevadíssimos custos associados, andará entre os 25 e os 60 mil milhões de USD, correspondendo à GALP, na melhor das hipóteses, um quinhão entre 2,5 e 6 mil milhões de USD. É certo que a descoberta indicia a forte possibilidade de a província petrolífera (Bacias do Espírito Santo, Campos e Santos), com cerca de 800 Km de extensão, e profundidades oscilando entre os 5 e o 7 mil metros, esconder novas jazidas por debaixo de espessas camadas de areia, rocha e sal. Mas, para já, nada autoriza mais do que uma satisfação contida pelo achado (1), e nenhuma demagogia governamental.

O problema fundamental que continuamos a ter pela frente não mudou com esta boa notícia. Chama-se Pico Petrolífero e aponta para uma procura mundial de petróleo na ordem dos 100 milhões de barris/dia (116 Mb/d em 2030). Não se provou ainda ser possível produzir mais de 85 Mb/d (2) (3). O preço do barril está no momento deste post a US$96,32, estima-se que pode chegar aos 100 dólares antes do fim deste ano, e a valores entre 156 e 300 dólares por volta de 2030!

A subida dos combustíveis induziu este ano a subida dos preços do milho e do trigo para mais do dobro, e não vai ficar por aqui! Por outro lado, os Estados Unidos, que importam 9 milhões de barris de petróleo por dia, terão que pagar, no fim de 2008, uma factura na ordem dos 328.500.000.000 US$, a qual agravará ainda mais a sua já insuportável dívida externa. O dólar continua a cair a pique, e esta queda vai acabar por cair em cima dos europeus e do resto do mundo!

Post scriptum (12-11-2007 17:08) — Na Sexta Feira passada, dia 9, Do Portugal Profundo escrevia esta oportuna nota sobre a notícia (requentada de 2005!) sobre descoberta das grandes jazidas submarinas de petróleo na costa brasileira:

“(…) as acções da Galp subiram hoje 25% (e no Brasil a Petrobrás, 10%, com base [na] descoberta que colocaria a empresa brasileira no lugar de nona maior produtora mundial de petróleo…) e os especuladores já fizeram os seus lucros na operação. Num país onde as instituições do Estado funcionassem, os grandes compradores de acções da Galp de ontem (8-11-2007) e de hoje de manhã (9-11-2007) – e seus vendedores na tarde de hoje (9-11-2007)… – teriam de explicar muito bem à entidade de fiscalização do mercado de capitais (em Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários – CMVM) se o fizeram por palpite de que hoje cairia uma notícia bombástica ou por inside information, e veriam analisados os seus padrões de comportamento em bolsa…” — in Do Portugal Profundo.

As acções da GALP começaram a cotar em bolsa em 11 de Janeiro deste ano. O seu valor era então de 6,29 euros por acção. Foi subindo paulatinamente numa conjuntura altamente favorável às chamadas commodities (ouro e demais metais preciosos e não preciosos, cereais, petróleo, gás natural, carvão, etc.) até chegar, na passada Sexta Feira, dia 8 de Novembro, aos 12,35 euros. No dia anterior, Quinta, as acções da GALP valiam 10,86 euros e o volume de transacções fora tão só de 907 034 títulos. A notícia sobre Tupi soube-se em Lisboa provavelmente ao princípio da tarde do dia 8 (ainda não localizei a hora exacta da comunicação televisiva feita pela putativa candidata presidencial promovida por Lula da Silva, Dilma Rousseff). Ao fim da sessão tinham já sido transaccionados 12 987 160 títulos! O valor por acção tinha subido para os 12,35 euros. No dia seguinte, a euforia prosseguiu com o título a atingir um máximo de 15,43 euros, para um volume de negócios de 20 561 020 acções!! Se isto não é especulação pura e dura, com uma mais do que provável troca de informações privilegiadas entre os principais insiders do negócio, ficaria muito admirado. A digestão saborosa do spin especulativo durou tipicamente um fim de semana. Hoje, à hora que escrevo este post, o título está a corrigir, cotando-se a 14,14 euros. QUE TAL EXIGIR À CMVM UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE ESTA BRINCADEIRA?


Notas
  1. OLYMPIC DAM (Austrália): CONTRATOS COM CHINESES E RUSSOS EM RISCO!

    Sobre a necessidade de restringir o optimismo sobre avaliações mineralógicas, vale a pena ler a mais recente investigação sobre o iminente e monumental flop que ameaça a ampliação da exploração da famosa mina australiana de ouro, prata e urânio, Olympic Dam. As reservas estimadas foram sobrestimadas, verificando-se agora que a pobreza relativa do minério, as dificuldades técnicas e morosidade da extracção, bem como os excessivos custos de produção (agravados pelo preço do diesel necessário ao trabalho das máquinas envolvidas na actividade mineira), irão provavelmente determinar a suspensão deste tão badalado e aguardado projecto. A bronca rebentará no dia em que a companhia BHP Billiton, anunciar que não poderá satisfazer os pedidos e compras firmes já negociados, nomeadamente com a China, a India e a Rússia! Artigo original: An even bigger hole, by John Busby.

  2. IS WORLD OIL PRODUCTION PEAKING?

    According to data published by the International Energy Agency, world oil production of 84.80 million barrels per day (mb/d) in 2006 has dropped to 84.62 mb/d during the first ten months of 2007. One year does not make a trend, but evidence suggests that oil production is nearing its historical peak. To begin with, the world’s 20 largest oil fields were all discovered between 1917 and 1979, and they are aging fast. Another key is Saudi Arabia. Long the world’s leading oil producer, Saudi production dropped from 9.15 mb/d in 2006 to 8.62 mb/d in 2007.

    If world production is peaking, it will be a seismic event in world history. If production begins to decline while demand continues to climb, oil prices will rise further. Cheap airfares will become history. Rising oil prices mean even higher food prices. The automobile industry will suffer as demand for inefficient vehicles plummets.

    Since options for expanding supply are limited, efforts to prevent oil prices from rising well beyond $100 per barrel in the years ahead depend on reducing demand, and largely within the transportation sector. The United States, where 88 percent of the workforce commutes by car, is particularly vulnerable to rising oil prices. And because it consumes more gasoline than the next 20 countries combined, it will necessarily have to play a lead role in cutting oil use.

    An effort to quickly reduce oil use might best be launched at an emergency meeting of the G-8, since its members dominate world oil consumption. If governments fail to act quickly and decisively to reduce oil use, oil prices will continue to rise as demand outruns supply, leading to a global recession, or, in a worst case scenario, a 1930s type global depression. — Lester Brown, author of the coming “Plan B 3.0: Mobilizing to Save Civilization”.

  3. OPINIONS OF OIL COMPANY EXECUTIVES ON PEAK OIL
    By Sohbet Karbuz – Energy Bulletin

    Nov/14/2007. The views of the oil industry on Peak Oil are divided, ranging from a non-event to getting there fast. Here I try to give the opinions of oil company executives about Peak Oil and related issues. The list is certainly not complete. For example, I omitted opinions expressed by the executives after they are retired. After each quote I list the name of the executive, his position at the time and the link (where possible) to the original source. At the end of the article I make some remarks. (LINK).

Referências:

OAM 275, 11-11-2007, 02:51

One response to “Petroleo 12

  1. No Portugal Profundo:http://doportugalprofundo.blogspot.com/A especulação revisitada… Constou-me que a notícia da “conclusão da análise do poço Tupi Sul” (sic!) na bacia de Santos no Brasil, onde a Galp tem cerca de 10% do consórcio concessionário – que segundo o consórcio terá “uma produção estimada de 2.000 barris diários de petróleo e 65.000 metros cúbicos de gás por dia” – é uma notícia requentada de 2005 (algo que já tinha sido comunicado) lançada pelo Governo brasileiro (que participa na especulação, conforme sublinha o blogue brasileiro Roriz…), através da Petrobrás – e aproveitada pelas empresas do consórcio como a Galp (“um terço do consumo português nos próximos 15 a 18 anos”, diz o presidente executivo da Galp, Ferreira de Oliveira; “um terço da riqueza produzida anualmente em Portugal”, avança o DN) neste preciso momento, por causa de uma crise de abastecimento de gás… O gás e petróleo deste poço estarão a bastante profundidade, e debaixo de uma camada de sal, sendo bastante cara a sua extracção, mas o que interessa é passar a notícia de que o Brasil se vai tornar o nono ou o oitavo país do mundo na escala de produção de petróleo!…Entretanto, conforme o previsto, as acções da Galp subiram hoje 25% (e no Brasil a Petrobrás, 10%, com base nesta descoberta que colocaria a empresa brasileira no lugar de nona maior produtora mundial de petróleo…) e os especuladores já fizeram os seus lucros na operação. Num país onde as instituições do Estado funcionassem, os grandes compradores de acções da Galp de ontem (8-11-2007) e de hoje de manhã (9-11-2007) – e seus vendedores na tarde de hoje (9-11-2007)… – teriam de explicar muito bem à entidade de fiscalização do mercado de capitais (em Portugal, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários – CMVM) se o fizeram por palpite de que hoje cairia uma notícia bombástica ou por inside information e veriam analisados os seus padrões de comportamento em bolsa… Mas aqui, em Portugal, os poderosos raramente têm de prestar contas. Prestar contas é para os humildes.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s