Crise Global 5

Jardim Gonçalves, Presidente do BCP
Jardim Gonçalves, Presidente do BCP, a máquina de lavar da Opus Dei Lusitana?

De bancário a banqueiro a ladrão?
Subprime Made in Portugal

“…se um criminoso quer assaltar um banco, abre uma conta lá primeiro. Depois, é sigilo bancário.” — Joe Berardo, in Correio da Manhã.

“O BCP perdoou uma dívida de 28,5 milhões de euros ao accionista Goes Ferreira, amigo próximo de Jardim Gonçalves. De acordo com a edição desta semana do jornal Expresso, o banco concedeu um crédito a uma off-shore de José Goes Ferreira, a Somerset Associates Limited.

“A Somerset Associates Limited era propriedade José Manuel Goes Ferreira – líder do grupo IPG, accionista histórico do BCP e amigo pessoal do presidente do conselho geral e de supervisão, Jardim Gonçalves – e Carlos Luís Bessa Monteiro. A empresa já tinha beneficiado de uma redução de cerca de 15 milhões de euros nos juros de empréstimos contraídos para comprar acções do BCP.

“A 31 de Agosto passado, os donos da off-shore pediram a extinção da sociedade e o encerramento das contas no banco. De acordo com o Expresso, “este foi precisamente o dia em que Paulo Teixeira Pinto abandonou a presidência do banco em ruptura com a maioria dos administradores e com Jardim Gonçalves”.

“As dívidas foram, entretanto, vendidas por 320 mil euros a uma empresa especializada em crédito malparado. Este caso já foi alvo de queixas por parte dos accionistas que denunciaram a situação aos reguladores financeiros e às Finanças, por considerarem que se está perante um caso de favorecimento.” — Público.

Em Portugal, só os tolos e desgraçados assaltam bancos de pistola na mão. Em primeiro lugar, porque levam pequenas quantias, em segundo, porque quando são apanhados, ninguém duvida da sua qualidade de ladrões de baixo quilate. Um ladrão de colarinho branco é outra coisa!

Imaginem que eu sou meio dono de um banco, ou que sou o boneco de serviço de alguém que me pôs lá para gerir a instituição. Entretanto, no horizonte, vejo aproximar-se uma tempestade financeira, mais tarde baptizada com o nome Subprime. Ou seja, imaginem que me apercebo do aproximar de um tsunami de crédito mal parado oriundo, numa primeira fase, de milhões de operações de crédito imobiliário de alto risco, e mais tarde, de uma autêntica pandemia de operações de complexos empacotamentos das mais diversas dívidas, produzidas por inúmeros, confidenciais e extraordinariamente elaborados fundos de investimento especializados em obter lucros astronómicos da turbo-circulação das mais variadas formas de endividamento privado e público. Conhecendo eu bem a natureza destes Esquemas de Ponzi, que por serem tão bem desenhados pelos génios de Wall Street e de algumas famosas universidades americanas, e terem nomes tão extraordinariamente opacos (Edge Funds, CDO, SIV, Super SIV, etc.), todos crêem ser sofisticados instrumentos de investimento, fiquei aterrado!

Apercebi-me que o tsunami do empacotamento em cascata de créditos mal parados teria, como todos os maremotos, dois movimentos: uma maré destruidora, alastrando pelos mercados financeiros mundiais, com epicentro no rebentamento da bolha imobiliária norte-americana, que inundará de lixo financeiro as principais praças norte-americanas e europeias; e depois, no refluxo da tormenta, a evaporação da liquidez virtual criada durante a Ponziástica orgia.

Boa parte da liquidez norte-americana e europeia tem sido, de há umas décadas para cá, puramente virtual (a dívida como liquidez a prazo), ou inflacionista (produção de papel dinheiro sem equivalente em nenhuma forma de riqueza efectiva), pelo que se houver uma corrida geral aos depósitos bancários e uma venda maciça de títulos, os bancos e demais instituições financeiras ficarão com as calças na mão, indo boa parte deles parar ao charco da falência. É o que tem acontecido desde Agosto, e só não se produziu até agora uma depressão nos países ocidentais, porque a Reserva Federal dos EUA e o Banco Central Europeu têm emprestado a juros ridículos milhares de milhões de dólares e de euros (dos contribuintes!) aos mais imediata e escandalosamente afectados protagonistas do sistema financeiro. Mas eu, que sei muito bem o que pode ocorrer no banco que dirijo, vou tirar os cavalos da chuva! Como? Pois bem, fazendo empréstimos fictícios a entidades expressamente criadas para o efeito, que depois falham a restituição dos mesmos, desaparecendo misteriosamente no éter impenetrável dos paraísos fiscais criados pela rainha de Inglaterra.

A famosa globalização deslocou boa parte da capacidade industrial norte-americana e europeia para a América Latina e para uma Ásia (Coreia do Sul, India e sobretudo China) que não beneficiara ainda das transferências de tecnologia e éticas sociais que permitiram ao Japão chegar onde chegou, induzindo por aqui o desequilíbrio cada vez mais dramático das trocas comerciais entre as velhas e as nova placas tectónicas da riqueza mundial. Como se isto não bastasse, a escassez relativa e absoluta de recursos energéticos vitais como o petróleo e o gás natural, a par da pressão crescente sobre as demais matérias primas e recursos agrícolas, conduziu a esta curiosa situação: a riqueza real é gerada principalmente nos países produtores de petróleo e gás natural, nos países produtores de matérias primas e recursos agrícolas, e ainda nos países produtores de mercadorias manufacturadas com grande incorporação de trabalho barato e capital. Sucede que tudo isto ocorre cada vez mais fora dos EUA e da Europa Ocidental. E assim sendo, são os referidos produtores de energia, matérias primas e produtos manufacturados, quem acaba por deter as maiores reservas mundiais de liquidez real e de divisas. Fica pois a pergunta: com que valor pagamos nós, cidadãos dos EUA e da União Europeia, o valor que diariamente alimenta as nossas afluentes sociedades? Parece que, cada vez mais, com retórica humanista e contos de vigário!

Post-scriptum — No caso que motivou esta divagação –a bagunça que vai no BCP–, parece que os gerontes que se arrastam ainda pelo cockpit da instituição, têm usado o banco como coisa inteiramente sua, sem dar cavaco a ninguém, gozando inexplicavelmente da complacência dos organismos reguladores do Estado, Banco de Portugal e da CMVM, de quem ainda não ouvimos um pio relativamente a esta opereta Haitiana. Por outro lado, segundo vozes recentes (Joe Berardo e Luísa Bessa), os 28,5 milhões de euros “emprestados” ao senhor Goes, serviram, afinal, para comprar ilegalmente acções do BCP para o BCP, com o objectivo de manter artificialmente altos os valores bolsistas da papelada especulativa do banco. O velho Jardim disse que são ossos normais do ofício. Pois são. E é por isso que temos diante de todos nós a maior crise financeira desde o crash de 1929. Esta gentinha tem uma mão cheia de nada, e pensa que com isso pode destruir pessoas, bens e países, sem pagar pelo crime. Mas não é assim. Um dia os inventores desta economia virtual e os acólitos que sempre lambem tais criaturas terão que pagar!

…”As operações com as off shores de Goes Ferreira e o subsequente write off de dívidas de 28,5 milhões de euros (que somam a 15 milhões de juros perdoados noutras operações do mesmo investidor) põem a nu práticas que fontes do banco dizem que são correntes na banca. Se assim é ainda mais afectam a credibilidade do BCP e da generalidade dos bancos, confirmando que quando alguém deve mil euros a um banco tem um problema, quando deve um milhão quem tem o problema é o banco. A menos que o cliente – leia-se Goes Ferreira – tenha servido apenas para camuflar a compra de acções próprias pelo BCP, como se depreende de documentos a que o Jornal de Negócios teve acesso.” — Luísa Bessa, Jornal de Negócios.

OAM 286 02-12-2007, 20:59

One response to “Crise Global 5

  1. Os bancos não têm problema nenhum:Os bancos centrais põem as suas impressoras a funcionar e emprestam o papel impresso com juros aos bancos comerciais.Os bancos comerciais pegam nesse papel impresso e emprestam, também com juros, 20 vezes mais do que o valor nominal desse papel impresso.Os primeiros criam dinheiro a partir do nada. Os segundos emprestam nada a partir desse «dinheiro».É o melhor negócio do mundo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s