Bloco de Esquerda

Joana Amaral Dias
Joana Amaral Dias discursa em comemoração do 25 de Abril (2006).


Uma linda menina na política!

Pedro Ferraz da Costa delicia-se a divergir de Joana Amaral Dias.

“As of early 2007, it is estimated that as much as US$1 trillion may be staked on the yen carry trade. Since the late-1980’s, the Bank of Japan has set Japanese interest rates at extremely low levels making it profitable to borrow Japanese yen to fund activities in other currencies. Many of these activities included things like subprime lending in the USA, but also include funding of emerging markets, especially BRIC nations and resource rich nations.” — in “Carry (investment)”, Wikipedia.

Quando ontem ouvi o maoista da UDP e deputado Bloquista, Luís Fazenda, criticar Jean-Claude Trichet, Presidente do Banco Central Europeu, por manter as taxas de juro, em vez de as baixar, como fizeram George W. Bush e os gurus da Reserva Federal, fiquei siderado. Então o Bloco de Esquerda quer inundar a Europa com mais notas de Monopólio e de crédito, aumentar a inflação e, em última análise, forçar a economia europeia a colocar-se ainda mais ao colo dos Países Árabes do Golfo e da… China?! Ou achará o Bloco de Esquerda que as dívidas não são para pagar? Ou achará o Bloco de Esquerda que a Europa também deve, como parecem querer os americanos, copiar o carry trade japonês?

A taxa de desconto oficial do Banco Central Japonês é de 0,10% desde Setembro de 2001! O Federal Open Market Committee dos EUA, ao baixar no dia 22, em 75 pontos-base, a sua taxa de juro de referência, colocou o preço do dólar nos 3,50%. Trichet reafirmou no dia seguinte que a taxa de referência do BCE se manteria nos 4,0%. Mas atenção: os bancos japoneses só emprestam dinheiro barato aos importadores de Toyotas e aos grandes especuladores! Ou seja, quando se regozijam com a recente baixa das taxas de juro americanas, estão apenas a dizer ao mercado que vão poder retomar o ciclo das suas exportações para a maior economia do mundo (que assim se endividará ainda mais!) É também isso que os europeus, no fundo, querem: poder aumentar as suas exportações, insensíveis ao buraco negro da dívida americana.

Os especuladores e os banqueiros falidos querem obviamente mais IOU (I Owe You), e obtiveram-no dos helicópteros de liquidez do BCE, ao mesmo tempo que aguardam ansiosamente os raids de SWF (Sovereign Wealth Funds) lançados pela China e pelos países Árabes sobre as áridas paragens financeiras dos Estados Unidos e da Europa. Só que, apesar deste gigantesca operação de salvamento dos mercados especulativos (com dinheiros públicos!), a crise sistémica está aí e promete fazer mais vítimas. Ontem o terceiro maior banco francês (a Société General) exibiu um buraco negro nas suas contas que dava para construir o Novo Aeroporto de Alcochete; hoje, o BPI, cuja viabilidade parece cada vez mais difícil imaginar fora de um take over por parte da Caixa catalã, ou dos endinheirados angolanos, mostra como a telenovela BCP-BPI está longe do fim!

Resumindo, o dilema é este: se se mantem ou sobe mais as actuais taxas de juros, o crescimento económico europeu tenderá para os 2% ou menos, e não para os almejados 3%, dando lugar à falência de mais algumas centenas de empresas e a dezenas de milhar de novos desempregados, ao mesmo temo que se estimula a valorização do Euro, afectando por aí a competitividade das exportações. Mas se, por outro lado, se baixam as taxas de juro, fomenta-se o endividamento geral da economia (empresas, administrações públicas e famílias), aumentando simultaneamente a inflação, que tornará as exportações ainda menos competitivas. Perante estes dois males, a resposta tem que ser forçosamente a da contenção das despesas, começando por racionalizar a produção, reduzir os desperdícios e aumentar a poupança. Vociferar a favor da irresponsabilidade monetária, quando o próprio Coordenador do Bloco, Francisco Louçã, descobriu finalmente que há uma crise económico-financeira gravíssima no Ocidente, é obra! Joana Amaral Dias parece ter percebido a delicadeza da situação no Frente-a-Frente que hoje manteve com Pedro Ferraz da Costa, antigo presidente da Confederação da Indústria Portuguesa.

Nervosa que nem uma gazela, mas com um domínio crescente das matérias, esta linda política portuguesa parece querer libertar-se das litanias confusas e contraditórias do partido que ainda segue. Notei esta subtileza intelectual no modo como procurou hoje discutir a argumentação do seu quase paternal adversário em volta de temas como o da imigração e do tsunami financeiro em curso. Foi uma pequena delícia para mentes perversas como a minha!

Vou acompanhar mais de perto os seus passos.

OAM 310 24-01-2008, 22:13 (actualização: 12:16)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s