Kosovo

17-02-2008. Sérvio Kosovar votando na sua aldeia.
REUTERS/Damir Sagolj (KOSOVO) 18-02-2008. Mulher chorando diante duma fronteira entre o Kosovo e a Sérvia, destruída por Sérvios inconformados pela declaração unilateral de independência do Kosovo.
REUTERS/Damir Sagolj (KOSOVO)
Camp Bonsteel Kosovo/Macedónia, Camp Bondsteel, base militar americana.

Europa: unir ou balcanizar ?
E se o País Basco declarar independência em Outubro?

19-02-2008. It was a very disgusting turn in our nation’s history when we decided to act like Israelis. We now torture prisoners, invade countries on spurious excuses, we create refugees and act like moral monsters, demanding everyone cease ethnic cleansing except for us. We also send assassin drones all over the planet to kill our opponents. The US and our gang of former imperial powers recognize Kosovo but not Palestine. And on it goes! I am totally against splitting up nations along ethnic lines and this will come home to roost here in America eventually.

… I would suggest the French Jewish President have the children learn about both a Jewish child under the Nazis and a Palestinian child who is still alive and trying to survive under Jewish rule! Then they can see the obvious connection and this will force the Jews to stop acting like Nazis. But of course, he wants us to focus on Nazis and not Jewish imitators of Nazis. To him, it is OK to be an assassin, a thief or a liar so long as it gives his own ethnic group an advantage.

… The cure for Naziism isn’t Jewish Naziism in the form of Zionism. It is to stop this sort of thing. Stop ethnic cleansing. Stop religious wars. Spreading democracy, unity and freedom of speech, that is the cure for Naziism! The victims ultimately of the Nazis are the Palestinian people. They had absolutely nothing to do with the crimes of WWII. Yet they pay the price. In spades. — Elaine Meinel Supkis, Culture of Life News.

12-02-2008. The US and the EU support a Political Process linked to Organized Crime. Kosovo Prime Minister Hashim Thaci is part of a criminal syndicate. — Michel Chossudovsky, Global Research.

Os Estados Unidos e os quatro grandes da União Europeia (Alemanha, Inglaterra, França e Itália), mais a Áustria e a Turquia anunciaram já a sua intenção de reconhecer a proclamação dos albaneses, na sua maioria muçulmanos, do Kosovo, mesmo sabendo que uma tal decisão conta com a oposição clara da Rússia, da China, da Espanha, da Grécia, de Chipre e da Eslováquia, entre outros países que ainda não anunciaram a sua posição. Vejamos a coisa assim: os Estados Unidos estão especialmente interessados na pulverização da Europa, tal como estão interessados na balcanização de todo o Médio Oriente, da África, da América Latina, do Canadá, e se possível também da Ásia, por forma a prosseguir um velho lema da dominação imperial: dividir para reinar!

Por sua vez, as velhas potências europeias pretendem uma União à medida dos seus sonhos carolíngios, os quais acabam invariavelmente em duradouros pesadelos. Supondo alegremente que não têm problemas territoriais internos, os Estados Unidos, a Alemanha, o Reino Unido, a França e a Itália, resolveram promover a pulverização nacionalista da Europa, pondo de pé aquilo a que chamam a Europa das regiões e a Europa das nacionalidades históricas. A independência do Kosovo, e amanhã a divisão de Chipre e da Bélgica, a secessão da Abkhazia e da Ossétia do Sul na ex-república soviética da Geórgia, ou o regresso da Espanha ao período pré-Colombiano, fazem parte de uma mesma Grande Estratégia, cujo alcance teremos que avaliar com precisão e capacidade de opor estratégias alternativas, se for o caso.

Eu sou um europeísta convicto. Sou até um euro-atlantista convicto. Defendo uma Europa pacífica de Lisboa até Vladivostok e Istambul, com uma excelente vizinhança económica e cultural com o Médio Oriente e o Norte de África, fortemente ligada ao continente americano e em geral aberta ao mundo e sem pretensões hegemónicas. Nesta perspectiva, vejo com maus olhos quaisquer tentativas de condicionar o sonho europeu em nome de agendas próprias de piratas e assassinos! E aqui a América, bem como a rainha de Inglaterra e respectivos poodles governamentais, terão que aprender rapidamente a refrear os seus cada vez mais intoleráveis comportamentos internos e internacionais. Esperemos que a eleição de Barak Obama para a presidência dos Estados Unidos seja a pedra branca que faltava neste jogo viciado das chamadas “revoluções democráticas”, mais ou menos tingidas de populismo melodramático e pindérico.

Consider this hypothetical. It’s November 2008. A young Pakistani Muslim is watching television and sees that this man–Barack Hussein Obama–is the new face of America. In one simple image, America’s soft power has been ratcheted up not a notch, but a logarithm. A brown-skinned man whose father was an African, who grew up in Indonesia and Hawaii, who attended a majority-Muslim school as a boy, is now the alleged enemy. If you wanted the crudest but most effective weapon against the demonization of America that fuels Islamist ideology, Obama’s face gets close. It proves them wrong about what America is in ways no words can. — Andrew Sullivan, Goodbye to All That: Why Obama Matters.

Observando o mapa da antiga Jugoslávia percebe-se como a independência do Kosovo alinha na sequência de divisões que levará à completa pulverização política daquela região crítica da Europa. Esta pulverização interessa sobretudo aos desígnios imperiais americanos, que a pretexto do auxílio fornecido aos nacionalistas, sejam de onde forem, aproveitam sempre para cobrar em bases militares instaladas. No caso, a Casa Branca, o Pentágono e a CIA exigiram aos pobres albaneses do Kosovo a instalação, a cavalo entre o seu prometido território e a Macedónia, daquela que é a maior base militar americana construída do zero desde a Guerra do Vietnam. Chama-se Camp Bondsteel (ver imagem) e os 400 hectares que ocupa dizem muito menos da generosidade americana do que dos seus interesses energéticos, os quais visam neste caso particular controlar (adivinhem!) o petróleo do Mar Cáspio. Não é por acaso que hoje mesmo o crude ultrapassou os 100 US Dólares! E também não é por acaso que uma terceira guerra mundial poderá voltar a ter início nesta mesma região e por causa do mesmíssimo problema estratégico: o acesso ao petróleo e o controlo da sua produção e distribuição.

Façamos agora um exercício similar relativamente ao Atlântico, tendo em conta duas realidades estratégicas essenciais: o tráfego marítimo e aéreo entre os hemisférios Norte e Sul ao longo das costas ocidentais europeia e africana, o tráfego marítimo e aéreo entre as Américas e a Europa, e ainda o tráfego marítimo entre a Ásia e a Europa através do canal do Panamá. Pensemos nos fluxos de matérias primas essenciais, nos produtos manufacturados e, uma vez mais, no petróleo existente na Venezuela e na costa Brasileira, bem como no petróleo de Angola, da Nigéria e do estratégico Golfo da Guiné. Se o comportamento anglo-saxónico seguir o mesmo modelo que têm vindo a aplicar no cerco da antiga União Soviética, nas guerras ilegais desencadeadas contra o Afeganistão, o Iraque e a Palestina, e nas conspirações sinistras que têm vindo a montar em África, podemos esperar o pior da guerra assimétrica que inevitavelmente se seguirá pela posse e controlo hegemónicos do Atlântico. É pois neste contexto que deveremos analisar as sensíveis questões da independência unilateral do Kosovo, o separatismo basco e até as declarações do idiota da Madeira.

Não creio que seja um sacrilégio ponderar a hipótese de caminhar para uma União Ibérica de tipo confederativo, antes que seja tarde demais. O exercício é dificílimo mas pode ser tentado. O primeiro passo de um tal plano poderia passar por uma união entre os dois actuais estados ibéricos, com implicações especiais imediatas na definição de uma política de segurança e defesa comum no âmbito dos interesses estratégicos comuns da União Europeia. Depois, deveriam ser negociadas as independências simultâneas do País Basco e da Catalunha na base da aceitação prévia por parte dos prometidos novos estados da natureza e condição inalienável da Confederação Ibérica. Finalmente, uma Constituição comum deveria consolidar juridicamente a nova realidade regional europeia (não creio que a co-existência de uma monarquia com três estados republicanos fosse um problema maior.)

Teremos líderes políticos à altura de tamanho desafio?

Quanto à declaração unilateral de independência por parte do Kosovo (instigado pelos criminosos que actualmente usurpam o governo dos Estados Unidos), justifica-se a prudência do governo português e sobretudo a reserva explicitada pelo Presidente da República. Antes de qualquer pronunciamento definitivo, o assunto deverá ser levado ao parlamento europeu, ao parlamento português, e deverá mesmo proceder-se a uma debate nacional sobre tão delicada matéria. Em última análise, Portugal não deveria reconhecer o novo Estado se não depois da própria Sérvia, dando assim sinal da sua vontade de ver as diferenças políticas intra-europeias resolvidas pacificamente e sem interferências imperiais obsoletas. É a minha opinião.


Post scriptum
(21-02-2008) — O Primeiro ministro do auto-proclamado Kosovo independente, Hashim Thaci, foi o chefe do Exército de Libertação do Kosovo (KLA), financiado sobretudo pelo comércio de heroína, tendo vários dos seus elementos recebido treino militar da Al Qaida, chefiada por Osama bin Laden, em campos de terrorismo situados nomeadamente na Albânia.

O KLA teve o apoio da administração Clinton durante o bombardeamento de 41 dias lançado pelos Estados Unidos, a coberto da NATO, contra a República da Jugoslávia, com o objectivo de forçar o Presidente Jugoslavo Slobodan Milosevic a sentar-se à mesa das negociações (in The Washington Times). E em Abril de 2000, a Secretária de Estado norte-americana Madeleine Albright “ordenou ao juíz procurador chefe do Tribunal de Haia, Carla del Ponte, que omitisse o nome de Hashim Thaci da lista de suspeitos de crimes guerra” (in Tanjug, 6-05-2000). Carla del Ponte anunciou subsequentemente que não existiam evidências suficientes para incriminar Thaci.

É essencial ler a compilação de dados incontroversos coligidos por Michel Chossudovsky sobre a legitimação em curso da pandilha de chulos, contrabandistas e assassinos que acaba de apresentar-se como poder legítimo do Kosovo independente. Sob pressão dos também criminosos de guerra de Washington e Londres, a União Europeia está prestes a reconhecer sem um laivo de vergonha, escondida atrás de um biombo de desinformação promovida pelos média convencionais, um novo status quo inaceitável. Se de tanta ignomínia acabar por resultar a faísca duma terceira Guerra Mundial, não nos admiremos. É urgente tomar conhecimento e denunciar este tremendo embuste histórico!

OAM 322 20-02-2008, 01:14

7 responses to “Kosovo

  1. Compreendo o seu raciocínio sobre a confederação. Não concordo. Seria a subida de divisão da Catalunha e Pais Basco à custa da descida de Portugal. Castela continuaria na frente. Nesse cenário seria melhor então Lisboa juntar a quem quiser e nós continuarmos a ser Portucale…Não precisamos desse contra-ataque. Os russos e chineses são mais espertos do que nós. Além da guerra económica em curso decerteza que já conhecem estes links:http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_active_autonomist_and_secessionist_movements#United_Stateshttp://www.boston.com/news/local/vermont/articles/2007/06/03/in_vermont_nascent_secession_movement_gains_traction/JSilva

  2. Podemos sempre esperar para ver… Os bascos e os catalães que resolvam os seus problemas com Madrid, e depois nós cá estaremos para negociar a Ibéria numa posição mais confortável… Temo, no entanto, que as coisas se venham a passar doutro modo: a resistência do Estado espanhol será, como lhe compete, feroz perante qualquer passo em falso dos nacionalistas bascos e/ou catalães; a tensão política subirá para níveis muito perigosos, com a possibilidade de um ascenso fulgurante duma velha/nova direita nacionalista pura e dura; os 4 grandes, empurrados uma vez mais pela América, conspirarão a favor do direito à autodeterminação dos bascos, dos catalães e dos afro-canarinos (“opondo-se” à direita espanholista e entalando os socialistas); a economia espanhola (ibérica) vai por água abaixo, o idiota da Madeira cantará de galo; os americanos transformarão as Lages numa super-base estratégica nuclear; e Portugal transformar-se-à alegremente num novo Panamá! No meio da confusão ainda teremos uma qualquer comunidade galega radical a reinvidicar o regresso da “Galícia do Sul” ao útero materno. É isso que V. quer?!

  3. «… The cure for Naziism isn’t Jewish Naziism in the form of Zionism. It is to stop this sort of thing. Stop ethnic cleansing. Stop religious wars. Spreading democracy, unity and freedom of speech, that is the cure for Naziism! The victims ultimately of the Nazis are the Palestinian people. They had absolutely nothing to do with the crimes of WWII. Yet they pay the price. In spades. — Elaine Meinel Supkis, Culture of Life News.»Absolutamente a propósito do meu último post.Abraço

  4. Não ANtonio, não quero isso. Porém também não quero ofertas de soberania a Castela.Se o PSOE ganhar é provavel que a tentação americana para desagregar a Espanha seja maior, dado que o PSOE não é pró-americano. Porém os EUA irão mudar muito até Obama assumir funções. Um cenário de interferência americana irá reduzir-se. Existindo será em primeiro lugar nas Ossétias e afins. Na Catalunha não há petroleo. Iberismo para dar a mão a Madrid, não vejo porquê.JSilva

  5. José,Espero q o seu palpite seja melhor q o meu. Ainda assim Portugal tem q definir uma posição pro-activa face à Espanha, em vez de deixar q a sua economia e a sua diplomacia nos vão comendo por dentro. Cildo Meireles, um brasileiro, acaba de ganhar o < HREF="http://www.mcu.es/gabineteprensa/mostrarDetalleGabinetePrensaAction.do?prev_layout=notas&layout=notas&html=12982008nota.txt&language=es&cache=init" REL="nofollow">Prémio Velázquez de Artes Plásticas 2008<>. Há umas semanas atrás foi a vez de Carlos do Carmo ser premiado por cantar um fado. Em 2005 Manuel Damásio ganhou o < HREF="http://pt.wikipedia.org/wiki/Pr%C3%A9mio_Pr%C3%ADncipe_das_Ast%C3%BArias" REL="nofollow">Prémio Príncipe de Astúrias<>, na categoria Investigação Científica e Técnica. Homenagearam o Saramago (um escritor q não aprecio), e o Ministério da Cultura <>tuganês<> teve o desplante de não enviar ninguém de Lisboa, sabendo-se q o homem tinha apanhado um resfriado q lhe ia sendo fatal. Etc. Sobre a novela dos aeroportos e a lenga-lenga da Alta Velocidade é o que se sabe: em 2010 a Espanha terá em pleno funcionamento a maior rede de Alta Velocidade e Velocidade Elevada ferroviária do mundo, enquanto os <>tugas <>continuarão, muito provavelmente, a discutir a qualidade da arquitectura de José Sócrates. Neste momento estamos cada vez mais encostados à praia, enquanto a Espanha vai avançando tranquilamente pela raia dentro. Até quando iremos aturar os imbecis deste Bloco Central?!

  6. A pergunta pode ser outra: Até quando aguentar Portugal gerido por Lisboa…JSilva

  7. A essa pergunta eu respondo: para quando a formação de partidos regionais, por exemplo, no Norte, nos Açores e na Madeira? Só fariam bem a todos nós. Avancem, caramba!a🙂

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s