Portugal 26

A ruína de um paradigma escolar

21-03-2008. O bullying, a violência na escola que atingia crianças e jovens, está agora a aterrorizar os professores, afirmou hoje Maria Beatriz Pereira, investigadora e autora de várias obras sobre a violência escolar.

“Os professores são as novas vítimas do bullying“, sustentou, em declarações à Lusa, a investigadora que é docente da Universidade do Minho (UM) e presidente da Comissão Directiva e Cientifica de Doutoramento em Estudos da Crianças. Embora sem números oficiais, Maria Beatriz mostra-se “muito preocupada” com a forma como o bullying, a agressão continuada e sem motivo, está a atingir os professores. — Expresso.

Uma professora de francês da Escola Secundária Carolina Michaelis, no Porto, foi brutalizada, em plena aula, quando tentava tirar o telemóvel a uma aluna.
… Enquanto a professora a tentava tirar o telemóvel à estudante, os restantes alunos assistiam e riam-se da situação. Nos comentários ao vídeo no YouTube a atitude é criticada por outros alunos da escola. — Expresso.

O vídeo da escola secundária Carolina Michaelis difundido pelo YouTube, e depois retransmitido pelas cadeias televisivas e jornais em linha, como o Expresso e o Público electrónicos entre outros, tem despertado uma enorme atenção pública, nomeadamente na blogosfera, tendo-se registado milhares de comentários em linha sobre o escandalosa reportagem do acontecimento. No rescaldo do protesto massivo dos professores portugueses contra a política educativa do actual governo “socialista”, este incidente entre uma professora e uma aluna, em volta de um telemóvel, veio subitamente revelar, em formato voyeuriste, a profunda crise do sistema escolar actual.

Não é normal nem recomendável que uma professora se envolva numa disputa física com uma estudante, quando poderia e deveria dispor de recursos imateriais mais apropriados, expeditos e eficazes para atingir o desejado fim — no caso, impedir o uso indevido do telemóvel no decorrer de uma aula. Numa palavra, não compete ao corpo docente de uma instituição de ensino policiar os seus alunos na forma que compete às polícias, mas antes aplicar e fazer cumprir comportamentos cívicos instituídos e regras disciplinares aplicáveis na instituição em concreto, segundo os procedimentos de informação, persuasão, ordenação e punição constantes dos regulamentos. Em caso de recusa, por parte da estudante, de cumprimento do pacto escolar, os professores devem recorrer aos apropriados instrumentos de denúncia, endereçando às instâncias competentes a responsabilidade de fazer cumprir as normas estabelecidas e conhecidas, ou, na sua impossibilidade, penalizar o infractor de acordo com o que esteja previsto nos regulamentos. Em suma, um professor não pode nem deve fazer justiça pelas suas próprias mãos, nem sobretudo pode confundir a sua acção pedagógica com a sua acção disciplinar. Cada uma tem as suas regras, a sua própria democracia e procedimentos regulamentares específicos. Confundir estes dois planos pode originar facilmente o desastre. Como se viu neste caso.

A sala de aula é um laboratório de democracia, e nisto é hoje diferente do que foi noutros tempos, nomeadamente quando a regra era a da ditadura, a do paternalismo discricionário e a do obscurantismo. Significa isto, por exemplo, que os professores têm que adquirir conhecimentos especializados, não apenas das disciplinas que ensinam, não apenas de cultura política democrática, não apenas das dinâmicas frenéticas urbanas pós-contemporâneas (âmbitos onde o défice é infelizmente elevadíssimo), mas também e com carácter de urgência, nos domínios cada vez mais prementes e exigentes da pedagogia comportamental, da produção sócio-cultural e da mediação de conflitos. É certamente algo mais do que se tem oferecido aos professores nos diversos estádios de preparação para as duras tarefas que enfrentam. E para deles podermos exigir uma tão grande metamorfose pedagógica, cultural e profissional, preciso será forçosamente, não apenas introduzir mecanismos de avaliação e escalonamento das competências e desempenhos, mas também proporcionar-lhes muito melhores condições económicas, sociais e institucionais de vida e trabalho.

Os modelos de aprendizagem e os conteúdos da aprendizagem terão que passar por uma mudança radical de paradigma face às emergências explosivas e simultâneas das tecnologias de informação e sobretudo das realidades aumentadas e virtuais. Sem uma conjugação de tudo isto, que é muito e não pode resolver-se com mezinhas burocráticas, nem com a perpetuação da geografia e regime dos poderes educativos dominantes, é o próprio conceito de sistema educativo que tenderá a caminhar rapidamente para o caos e a implosão. Os quase campos de concentração em que as escolas e universidades americanas se têm vindo a transformar são a este propósito um eloquente e ao mesmo tempo dramático aviso!


Post scriptum
— 22-03-2008 12:14. O VALOR DE UM TELEMÓVEL — Quando revejo uma e outra vez o drama capturado pelo telemóvel de um dos alunos da turma, pergunto-me: que terá levado a professora a ter perdido a paciência e o auto-controlo? Que sentido de propriedade e sobretudo de identidade une uma adolescente ao seu telemóvel, a tal ponto de a mesma perder completamente as estribeiras e entrar num transe de manifesta histeria?

É preciso conhecer três fenómenos que correm actualmente em paralelo para começar a entender o fenómeno: 1) a pulverização social incrementada pelo estado desregulado, especulativo e obsessivo do Capitalismo pós-contemporâneo; 2) a difracção da realidade vivencial causada pela explosão das famílias; 3) o aumento da realidade vivencial potenciada pela evolução muito rápida das tecnologias de comunicação hiperrealista.

O Capitalismo na sua fase declinante torna-se cada vez mais egoísta, desumano e provocador da desintegração social. Nada na sua agenda prevê a existência do humano, quanto mais a felicidade do homem! O Capitalismo declinante quer apenas uma coisa: escravos. O resto da humanidade, no que aos paraísos da riqueza diz respeito, que se dane! Ou seja, as disfunções da família, da escola, das cidades, dos governos e dos Estados, pouco lhe importa. A sua única preocupação é reunir as condições ideais para um dia destes ver-se livre, de forma expedita e relativamente indolor, de uma parte substancial da humanidade.

As famílias urbanas de hoje são cada vez mais ocorrências instáveis e anacrónicas, sendo frequentemente fruto de oportunismos de vária ordem, sem qualquer compromisso efectivo com o futuro, nem responsabilidades seriamente assumidas. Nenhum constrangimento ideológico as protege, e tudo parece conspirar contra a sua duração. Em tais circunstâncias é praticamente impossível impedir a explosão em curso dos núcleos familiares. Das famílias mono-nucleares passámos às famílias polinucleares e destas à sua imparável pulverização funcional e desligamento afectivo. A tendência imparável para chutar os filhos para a órbita da sociedade e das suas instituições educativas, extra-familiares, públicas ou privadas, revela uma dramática desresponsabilização maternal e paternal, em nome do direito ao trabalho, em nome do direito à felicidade pessoal e em nome da produtividade, i.e. da exploração capitalista! Com o empobrecimento acelerado do Estado social, induzido pela exportação de boa parte das actividades económicas produtivas do Ocidente para os novos paraísos da escravatura laboral, verifica-se uma tendência cada vez mais nítida no Capitalismo declinante para a rejeição dos custos inerentes à reprodução demográfica saudável das sociedades “desenvolvidas”. Estas tornaram-se aglomerados humanos des-familiarizados, entregues a uma economia de serviços, ao consumo, e a caminho de uma precoce e fatal senilidade sociológica. As crias que pela força do imperativo biológico apesar tudo nascem e se desenvolvem encontram pela frente um mundo fragmentado de realidades e aparências, materiais e imateriais, onde muito dificilmente conseguem aprender a distinguir o bem do mal, ou simplesmente até, os graus de realidade e de liberdade da bolha antropotecnológica onde estão imersos.

Um telemóvel, para uma criança, para uma adolescente, ou para um jovem com menos de 30 anos, não é um mero telefone. Muito mais do que isso, é uma interface tecno-social agarrada ao corpo. Não se pode arrancar das suas mãos uma tal interface pela mesma razão que se lhes não pode arrancar um braço! O telemóvel é um feitiço total. Que faculta a quem o possui e criou, ao longo dos dias e das noites, o dom da ubiquidade e da telepresença, a autoconfiança, a liberdade, a amizade e a própria estruturação de uma identidade reflectida e instanciada. O telelé organiza a comunidade social do indivíduo como já não o faz a família, nem a escola, nem essa entidade longínqua e ideológica a que chamamos sociedade. No interior de um telemóvel guardam-se os segredos mais íntimos de cada um, e nele habitam pessoas virtuais e avatares, cuja sobrevivência frágil depende em primeiro lugar de uma instintiva dedicação tecnológica ao novo midia. O telemóvel é uma extensão social do corpo e como tal deve ser protegida pela mesma ordem jurídica que defende o resto do corpo biológico natural. Esta realidade emergente não pode deixar de gerar confusão e conflito. Precisamos de um tempo de aprendizagem e adaptação, tanto no plano comportamental, como no das leis e regras dos edifícios jurídicos pré-tecnológicos. No Japão, a conversação telefónica no espaço público, via telemóvel, está socialmente interdita, por ser considerada um prática intrusiva. O acordo quanto a isto foi conseguido, sobretudo por razões culturais antigas, e é hoje respeitado por todos. Mas como o telelé é muito mais do que um telefone, rapazes e sobretudo raparigas decoram os seus aparelhos das maneiras mais inusitadas e divertidas, tratam-nos como brinquedos de estimação, e usam-nos durante as suas longas viagens de metro, não para aumentar a cacafonia das conversas triviais, mas antes para imergirem no labirinto interminável, lúdico, agonistico ou puramente instrumental, das suas vidas virtuais. É esta fronteira sensível da hiperrealidade que a nervosa e incauta professora profanou sem se dar conta do verdadeiro terramoto emocional que iria provocar, na sua sala de aula e na comunidade mediática que hoje discute o incidente.

OAM 339 22-03-2008, 02:30

2 responses to “Portugal 26

  1. Precisamente.Momento histórico e simbólico do fim desta Escola Pública.Falha a aluna. Os pais. A professora. O Sistema. Toda a Sociedade. Penoso e lamentável.Cumprimentos.http://nacionalistas.wordpress.com/

  2. Caro “O António Maria”. Lamento seu post que nada acrescenta a esta polémica, pelo contrário, e que só não é inútil porque vai revelando um pouco mais o que cada um realmente é. Uma sala de aula não é um parlamento. Numa sala de aula não há partidos. Nem representantes de partidos. Nem os seus frequentadores foram investidos de qualquer mandato representativo. Numa sala de aula ensina-se e aprende-se. Numa sala de aula há regras. As regras devem ser respeitadas. A democracia não é pois para aqui chamada. Não vale a pena tentar justificar o injustificável. Não vale a pena procurar na professora responsabilidades. Todos sabemos quem as tem na realidade. Continuo o meu desafio que só não segue se não quiser: informe-se; informe-se; informe-se.No dia 1 de Maio de 1974 estiveram no campo do Inatel muitas pessoas. Umas seriam comunistas, outras, a maioria, não tinham nada a ver com essa ideologia. Apenas demonstravam a sua alegria pelo fim de qualquer coisa que na sua maioria consideravam mal. E isso foi bom. E isso foi uma manifestação democrática. Os 100.000 fazem-me lembrar esses tempos. Fazem-me lembrar as nossas utopias, que o eram, e o que vejo à minha volta, nos dias de hoje, lembra-me muita a “outra senhora”. Não vale a pena “postar” um telemóvel com um sentido que não tem. Não pode ter. Se for a um cinema, desliga-o; se for a um teatro desliga-o; se for a uma entrevista para um emprego, desliga-o. De certeza que a aluna sabia que ele lhe seria devolvido no fim da aula. Para quê fantasiar outras ideias. É tudo muito simples. Se calhar, até, o dia da aluna estava-lhe a correr mal (ou vice versa estava numa muito boa). Quero lá saber. Não é disso que se trata agora. O que se passou é intolerável. Ponto. O que nos interessa, agora, é que este espaço, embora seja o seu, sirva para elevar o nosso sentir de cidadãos e despertar as mentalidades. Um alerta para o que se passa à nossa volta e assim, com outra clareza, termos ao menos, manifestado o nosso descontentamento.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s