PPD-PSD-7

Manuela Ferreira Leite, PSD, Portugal
Manuela Ferreira Leite: até onde conseguirá atrair a Esquerda?

Um boomerang em direcção a Sócrates

Parece que me enganei na avaliação desta Senhora! Numa entrevista exemplarmente conduzida por Ana Lourenço (SIC Notícias), Manuela Ferreira Leite aproveitou em toda a linha o vergonhoso abandono dos ideais socialistas por parte do senhor Sócrates e da tríade de piratas que o colocou na posição onde está, para desferir um golpe certeiro no actual edifício de propaganda governamental. Dando a entender claramente que o actual governo não passa de uma agência de intriga e demonização, sistematicamente insensível ao tremendo drama social que cresce na nossa sociedade, a candidata à presidência do PSD matou dois coelhos de uma só cajadada: respondeu ao jovem Pedro sobre quem efectivamente se encontra mais próximo de Sócrates (Pedro Passos Coelho!), e tolheu de forma considerável o espaço de manobra ao directório socratintas. O eleitorado que tem vindo a deslizar continuamente para a esquerda do PS, sabendo que tal deriva não é mais do que uma desesperada repulsa da traição socialista, quando medir o alcance do ideal proposto por esta economista de mérito, política experiente e mulher de pulso, irá seguramente fazer pender decisivamente o fiel da balança eleitoral para esta oportunidade, possivelmente a última, de encontrar o Norte perdido da política portuguesa.

Como tenho vindo a escrever, o terreno do populismo está semeado há muito, embora entre nós, e ao contrário da Itália, da Áustria, da Holanda e da Suécia, a cor dominante seja mais rosa e laranja do que azul e verde. O desenvolvimento destes ninhos de facilidades, falsas dicotomias e promessas vãs, que vem ocorrendo dentro dos próprios partidos parlamentares, é sobretudo um preocupante sintoma de mal-estar. Não vejo como evitar a sua erupção a curto prazo, desfazendo por dentro os partidos que não souberem fazer uma clarificação atempada. Os populismos conservadores de Santana Lopes e Alberto João Jardim farão explodir, mais cedo ou mais tarde, o PPD-PSD; os populismos esquerdistas de Francisco Louçã e Jerónimo de Sousa, começaram a corroer seriamente o território eleitoral do degenerado PS.

Por outro lado, o famigerado Bloco Central não foi menos responsável pelo actual processo de implosão do sistema partidário. Ao estimularem entre si uma convivência oportunista escandalosa, por mais de década e meia, acabaram por tecer um verdadeiro estado clientelar, ganancioso, cada vez mais improdutivo, irresponsável e impune. Socialismo e Social-Democracia foram assim ficando sucessivamente para trás, como se de relíquias históricas irrecuperáveis se tratassem. A tríade de Macau tomou de assalto o PS, fazendo dele uma sofisticada agência neoliberal da globalização e dos carteis bancário-betoneiros do país, enquanto os desempregados do PPD-PSD (não os que a tempo e horas realizaram os necessários matrimónios de conveniência com a rede PS) derivavam irremediavelmente para os braços do populismo de direita.

Está na hora de revelar e fixar as tendências populistas, como de clarificar as novas tendências liberais e social-democratas/socialistas. Precisamos de renovar o tecido partidário. O que não supunha até hoje é que Manuela Ferreira Leite pudesse vir a federar uma destas clarificações necessárias. Será que a entendi bem? Terá força bastante para manter os barões, baronetes e penduras à distância nesse seu aparente intento de fazer o PSD voar para uma grande aventura política? O aviso de Jardim foi, como antecipei, claro: se a Senhora não passar dum mero e frágil intermezzo, incapaz de bater o nulo Sócrates, ele, o Jardim, tomará conta do PiSD.

Fui apanhado desprevenido pelas suas palavras de esta noite. Oxalá seja um bom prenúncio!


Post scripta

  1. 18-05-2008 – Menezes sabota como pode candidatura de Manuela Ferreira Leite
    … “quem tanto criticou a legitimidade do líder que foi eleito com a maior votação de sempre no partido em 30 anos, não terá legitimidade para ser líder do PSD se tiver menos de 50% de votos.

    …”quem contestou este líder, quem disse que ele tinha de ser corrido à bomba quando teve quase 60% dos votos, por essa razão não tem legitimidade para exercer o cargo com 30% ou 40%.”- Luís Filipe Menezes, JN, 18-05-2008.

    A entrevista de Luís Filipe Menezes ao Jornal de Notícias deixa subrepticiamente a porta entreaberta para o seu regresso em ombros ao PPD-PSD. Repetindo o que já dissera Alberto João Jardim sobre uma liderança abaixo dos 30%, Menezes não reconhecerá um futuro líder com menos de 50% dos votos. Acontece que a declaração, para ser consistente, é válida para todos os candidatos! Os cenários de uma separação entre o PPD e o PSD, ou de uma cisão regionalista, com formação de dois partidos regionais autonomistas, um na Madeira e outro no Norte, nunca foram tão plausíveis, e porventura desejáveis. Depois de ouvir ontem à noite na RTP2 as palavras imbecis do boy Mega Ferreira sobre o futuro de Lisboa, consolida-se a minha convicção de que Portugal precisa mesmo de uma regionalização à força, ou será em breve um deserto de mendigos à mercê dum condomínio de chulos descerebrados.

  2. 17-05-2005 – Resposta a uma pergunta sobre os populismos lusitanos em formação:

    Em primeiro lugar, as naturezas e formas recentes do populismo de direita europeu são inovadoras, distintas e obviamente contraditórias das do populismo de esquerda, que subsiste há décadas e procura os seus novos figurinos na América Latina de Hugo Chávez e Evo Morales.

    Dito isto, parece-me evidente que Alberto João Jardim, Pedro Santana Lopes e Luís Filipe Menezes confluem neste momento para uma cisão ou enquistamento populista do PPD-PSD. O tom ameaçador com que Menezes se vem dirigindo a Manuela Ferreira Leite, e que irá piorar (!) é todo um cardápio da grosseria típica dos populistas de direita. Os populistas de direita estão convencidos, e com razão, de que o tempo é propício para a sua aventura demagógica.

    Por outro lado, temos um populismo de esquerda difuso, que não se vê obviamente como tal, mas que tende também a crescer com a incapacidade manifesta dos piratas do PS em lidar com uma crise sistémica (e local) que irá agravar-se ao longo da segunda metade de 2008, antecipando um tempo eleitoral virtualmente explosivo para 2009. O PCP e o Bloco de Esquerda serão os protagonistas da variante esquerdista do populismo, que o agravamento da crise económica, social e política, propiciará.

    A característica comum dos dois populismos em confronto é a mistificação intencional da realidade com o fim último de atrair eleitoralmente uma massa social muito diversa: desempregados, idosos aflitos com a rápida erosão das suas pensões e a degradação rapidíssima dos sistema de segurança social e de saúde pública, jovens à procura do primeiro emprego, uma classe média assustada e a caminho do desemprego ou da desqualificação económico-profissional, pequenos e médios empresários falidos.

    O bom-senso e a sabedoria não se encontram nestas zonas da acção política. A explicação é simples: são completamente incapazes de governar em contextos mais amplos que o das endogamias regionais e municipais, salvo se puderem subverter seriamente as regras do jogo democrático. Ora para aqui chegarem seria necessário que se verificasse pelo menos uma de duas condições: a falência efectiva do Estado, e/ou a disponibilidade de generosos recursos energéticos e naturais sob controlo estatal (Países Árabes, Rússia, Venezuela, etc.) Até agora, na Europa das democracias representativas posteriores à Segunda Guerra Mundial, os populismos, quando inopinadamente chegam ao poder legislativo e executivo, têm-se revelado desastrosos e insustentáveis, caindo rapidamente no elitismo, autoritarismo e obscuridade que anteriormente denunciaram. Vejam-se entre nós os casos recentes de Pedro Santana Lopes e José Sócrates, ou mesmo de José Sá Fernandes, que acabou por fazer um pacto com António Costa, por cima dos munícipes e do Bloco de Esquerda, sob cuja sigla tem vindo a fazer a sua pequena e estranha carreira populista de esquerda.

    E não havendo bom senso pelas bandas populistas, resta saber se os socialistas e os social-democratas de gema conseguirão fazer alguma coisa juntos que não seja uma re-edição suicida do Bloco Central.

    A alternativa liberal-tecnocrata de Pedro Passos Coelho, apesar do seu fulgor inicial, irá perder força assim que se perceber o desajustamento ideológico completo das suas propostas. O rapaz continua a defender receitas liberais alegremente, sem perceber que o mundo está a colapsar precisamente por causa da “globalização” que tardiamente papagueia. O boomerang lançado por Manuela Ferreira Leite atingiu-o em cheio anteontem à noite. E a forma como reagiu foi indecorosamente oportunista e suicida: envolver o Menezes num ataque ordinário à sua colega de partido, e anunciar publicamente que gostaria de ver o dito Menezes apoiar a sua candidatura. Ou seja, se tal ocorrer, assistiremos todos à morte daquilo que parecia uma promessa, e teremos mais um sargento para o populismo de direita que se aproxima a toda a bolina. Vai ser divertido observar a luta livre entre Santana Lopes e Pedro Passos Coelho (para gozo e estratégia do Alberto João Jardim.)

OAM 361 15-05-2008, 02:32

2 responses to “PPD-PSD-7

  1. «Está na hora de revelar e fixar as tendências populistas»E quais são elas António?

  2. Em primeiro lugar, as naturezas e formas do populismo de direita europeu actual são distintas (e até contraditórias) das do populismo de esquerda. Dito isto, parece-me evidente que Alberto João Jardim, Pedro Santana Lopes e Luís Filipe Menezes confluem neste momento para uma cisão populista dentro do PPD-PSD. O tom ameaçador como Menezes se vem dirigindo a Manuela Ferreira Leite, e que vai piorar (!) é todo um cardápio da grosseria típica dos populistas de direita. Os populistas estão convencidos, e com razão, de que o tempo é propício para a sua aventura demagógica.Por outro lado, temos um populismo de esquerda difuso, que não se vê obviamente como tal, mas que tende igualmente a crescer com a incapacidade manifesta dos piratas do PS em lidar com uma crise sistémica (e local) cujo agravamento irá continuar ao longo de todo o ano, antecipando um tempo eleitoral virtualmente explosivo para 2009. O PCP e o Bloco de Esquerda serão os protagonistas da variante esquerdista do populismo que o agravamento da crise económica, social e política, propiciará.A característica comum dos dois populismos em confronto é a mistificação intencional da realidade com o único fim de atrair eleitoralmente uma massa eleitoral muito diversa: desempregados, idosos aflitos com a rápida erosão das suas pensões e a degradação rapidíssima dos sistema de segurança social e do sistema de saúde pública, jovens à procura do primeiro emprego, uma classe média a caminho do desemprego ou da desqualificação económico-profissional, pequenos e médios empresários falidos.O bom-senso e a sabedoria não se encontram nestas zonas da acção política. Resta saber se os socialistas e os social-democratas conseguem fazer alguma coisa juntos que não seja uma re-edição suicida do Bloco Central. A alternativa liberal-tecnocrata de Pedro Passos Coelho, apesar do seu fulgor inicial, irá perder força assim que se perceber o desajustamento ideológico completo das suas propostas. O rapaz continua a defender receitas liberais alegremente, sem perceber que o mundo está a colapsar precisamente por causa da “globalização” que tardiamente papagueia. O boomerang da Manuela Ferreira Leite atingiu-o em cheio. E a forma como entendeu reagir foi desastrosa e suicida: envolver o Menezes num ataque ordinário à sua colega de partido, e anunciar publicamente que gostaria de ver o dito Menezes a apoiar publicamente a sua candidatura! Ou seja, se tal ocorrer, será a morte daquilo que parecia uma promessa, e teremos mais um sargento para o populismo de direita que se aproxima com toda a força!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s