PPD-PSD-8

Vasco Pulido Valente
Vasco Pulido Valente: um ácido em estado puro.

Freak show

Nunca tinha visto a Manuela Moura Guedes em acção. Alguma vez passara por ela em velocidade zapping, mas nunca me detivera a vê-la, nem escutá-la, verdadeiramente. A TVI, para mim, começou por ser coisa de sacristia bolorenta, que dispenso, e depois metamorfoseou-se numa espécie de Freak TV, a partir do primeiro e famoso Reality Show desembarcado na basbaque praia lusitana, onde aparecia um Zé Ninguém que se tornou, do dia para a noite, herói nacional. Nunca me detive no canal, mas era impossível, mesmo assim, escapar à omnipresença mediática daquela anedota oriunda de uma fronteira onde insistem matar os touros como se ainda vivessem dentro de um filme do Buñuel. Recentemente, por recomendação de amigos, lá tenho ido uma que outra vez escutar o vozeirão do matador e fumador viril todo-o-terreno, filho de excelente poetisa, ao que dizem escritor (que nunca li) de sucesso: Miguel Sousa Tavares. Fala e escreve como um impressionista, pelo que em nada difere da leveza algo histérica e feminina que caracteriza a esmagadora maioria dos opinocratas lusitanos. O seu horror aos números e aos factos leva-o inexoravelmente à facilidade demagógica. É, no fundo, mais um dos responsáveis pelo populismo jornalístico e mediático actual. No caso deste MST, o modo como defende a nicotina que toma e impinge aos demais, ataca a regionalização administrativa e defende ao mesmo tempo a pulverização da linha de costa e a distribuição dos estilhaços às autarquias ávidas de receitas fáceis, mostra bem a pouca confiança a depositar nas suas palavras semanais.

Entretanto, alguém me telefonou e insistiu que visse o debate entre os candidatos à liderança do PPD-PSD. Lá zapei para a TVI. O que vi foi, no mínimo, espantoso! A personagem apresentada como sendo Manuela Moura Guedes (aceito que fosse) pareceu-me coisa de pura ficção, espécie de comediante Botox saída do MADtv, ou melhor, regressada de um filme que vira há muitos anos e que não resisti a rever após o debate: Freaks (1932) de Tod Browning.

Para minha surpresa, os políticos do PPD-PSD lá foram aparecendo, assegurando-me assim que aquilo era mesmo a sério. Um debate sobre o próximo PPD ou PSD, e sobre o futuro de Portugal! Manuela Ferreira Leite, na sua manifesta falta de eloquência (um eco perfeito de Cavaco Silva) manteve-se discreta como uma cobra assediada por três viris demagogos, cheios de razões. E no entanto, dizimou-os a todos em quatro assaltos rápidos e incisivos:

  1. o nosso principal problema, grave e urgente, já não é o défice orçamental, nem muito menos a privatização da Caixa Geral de Depósitos, nem obviamente conversas de café em volta da teoria do Liberalismo — mas sim, o da pobreza social galopante, depois de erros sucessivos na política económica e social;
  2. o novo código de trabalho, ainda em revisão, é insusceptível de discussão no contexto daquele debate televisivo, pois o essencial do que está verdadeiramente em jogo reside nos pormenores e não nas linhas gerais que têm entretido o populismo parlamentar e mediático dominante (palavras minhas) — pelo que, só em sede de negociação concreta do mesmo se pode ou não fazer a diferença;
  3. das grandes obras públicas, nomeadamente aquelas sobre as quais o Governo parece ter já tomado decisões firmes, não é curial, afirmou MFL, desfazê-las a pretexto de um mero exercício de exaltação oposicionista; a seu tempo, quando o PSD voltar a ser governo, se ganhar credibilidade para tal, se analisarão os vários projectos em causa e as respectivas viabilidades económicas e prioridades. De que vale impugnar ideologicamente decisões que os factos se encarregarão de desfazer ou corrigir naturalmente — pergunto eu?
  4. serviço nacional de saúde, universal e gratuito para todos, é coisa que infelizmente não será possível prometer para o futuro; o essencial, perante as circunstâncias reais que nos rodeiam, é garantir que aqueles que não podem mesmo pagar, nem por isso deixem de ser convenientemente assistidos pelo Estado.

A sensação de que a antiga ministra das finanças havia cilindrado os opositores, não tanto pela oratória, mas pelas coisas claras que disse, foi imediata. Eis então que um segundo personagem inacreditável ecoou do passado com uma limpidez de voz que julgara perdida há muito. Era a imagem quase etérea do Vasco Pulido Valente (há anos que não a via.) Mas seria ele mesmo, de verdade?

Era. Como um ácido corrosivo e implacável aviou e enterrou os três challengers de Manuela Ferreira Leite. E eu rebolei-me às gargalhadas no sofá a ouvi-lo rosnar os seus argumentos assassinos. Um velho impagável! Temi, no entanto, depois de me congratular com aquele reencontro virtual, pela minhas próprias apostas nesta competição. É que também eu vaticino a vitória da Manuela, por uma simples razão: é o caminho mais rápido para a separação entre o PPD e o PSD. Ou ganha, e a curto prazo os populistas arrumam as trouxas e fazem um partido novo com possibilidade de captar 15 a 20% do eleitorado. Ou perde para Santana Lopes, e nasce um novo PSD ainda mais depressa. No entanto, se ganhar Pedro Passos Coelho, há uma maior probabilidade de a ambiguidade entre populistas, liberais e social-democratas prolongar a agonia do PPD-PSD. Sucede porém que, tanto quanto me lembro, o Vasco tem uma queda especial para ser corrosivo como ninguém, mas costuma falhar nos prognósticos.

Post scriptum — li há pouco um artigo encomendado, assinado por uma pseudo-jornalista do Expresso, fazendo campanha contra Manuela Ferreira Leite, sob o falso argumento de que José Sócrates teria assegurada a renovação da sua maioria absoluta no caso de ser MFL a ganhar as directas do PPD-PSD. Errado! O PS perderá a maioria absoluta em qualquer circunstância. E provavelmente perderá as eleições, se tiver pela frente a antiga ministra das finanças de Durão Barroso. O actual PS encontra-se dominado por uma tríade de piratas vendidos ao liberalismo mais boçal e sórdido. A vitória de MFL será aliás uma excelente oportunidade para os socialistas recuperarem o seu partido.

OAM 367 24-05-2008, 21:23

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s