China 6

Jaguar estacionado na Factory 798
Beijing – Jaguar estacionado no famoso distrito das artes, Factory 798.

O melhor e o pior de dois mundos

By around 2011 the lower middle class [in China] will number some 290 million people, representing the largest segment in urban China and accounting for about 44 percent of the urban population, according to our model. Growth in this group should peak around 2015, with a total spending power of 4.8 trillion renminbi [480 mil milhões de euros]. A second transition is projected to occur in the following decade, when hundreds of millions will join the upper middle class. By 2025 this segment will comprise a staggering 520 million people –more than half of the expected urban population of China– with a combined total disposable income of 13.3 trillion renminbi [1,3 biliões de euros]. — in “The value of China’s emerging middle class”, The McKinseyQuartely.

Acabo de chegar de uma viagem de trabalho e observação a Pequim. Foram nove dias e a primeira coisa que me apetece escrever é: esqueçamos Tiananmen! Da Cidade Proibida à Grande Muralha da China, passando pelo Palácio de Verão e pela múmia de Mao Tse-tung, tudo são agora ícones turísticos massivamente frequentados por passeantes como eu e sobretudo por milhões de chineses e outros asiáticos bem alimentados, elegantes e com cada vez mais tempo disponível para consumir. A China tem hoje mais milionários do que os Estados Unidos, cerca de 200 milhões de criaturas sofrendo de obesidade (Guardian), e nas ruas de Pequim circulam lentamente (pois a ninguém ocorre ultrapassar o limite de velocidade de 50Km/h) milhões de automóveis, com predominância para as marcas alemãs Audi (6 e 8…) e Volkswagen (Phaeton, Sagitar, Touareg), e uma presença crescente de veículos japoneses (Honda e Toyota) e coreanos (Hyundai e Kia). A maioria dos novos táxis são agora Hyundai Elantra em vez dos velhos Volkswagen Jetta e Santana que ainda há menos de uma década dominavam o mercado automóvel chinês.

O município de Beijing tem 16,8 mil quilómetros quadrados (seis vezes a área da Região de Lisboa e 1,4 vezes a da antiga Região de Lisboa e Vale do Tejo.) Nele vivem mais de 17 milhões de almas. A sua principal malha urbana e suburbana, delimitada por cinco anéis concêntricos, tem uma superfície de 1378 Km2 (muito próxima da área da Grande Lisboa), e 8 milhões e meio de urbanitas (6 mil hab./Km2). Para comparar esta zona central do grande município com Lisboa, teremos que imaginar uma malha urbana densa com um raio de 28 Km a partir do Terreiro do Paço, chegando até Cascais, Sintra, Mafra, Vila Franca, Alcochete, Setúbal e Sesimbra, apontando para uma densidade populacional 4 vezes e meia superior à da Grande Lisboa (Amadora, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Odivelas, Oeiras, Sintra, Vila Franca de Xira), e 5 vezes e meia superior à da Região de Lisboa (Grande Lisboa e Península de Setúbal.)

Pequim é uma cidade-região, como Lisboa e Porto há muito deveriam ser, sobre a qual paira quase sempre um tecto de nuvens e poluição. O clima continental húmido é afectado pelas monções e pelas tempestades de areia vindas do deserto. É uma cidade dura (fazendo por vezes lembrar Madrid numa escala ampliada), cheia de automóveis, com grandes assimetrias sociais e uma patente multiplicidade étnica, atravessada por obras públicas e privadas em todas as direcções, mas segura e surpreendentemente limpa, sobretudo se a compararmos com Lisboa e arredores! Não falta gente para trabalhar, nem sobretudo mão-de-obra barata vinda dos arredores, bem como das províncias longínquas. Há, para surpresa de quem assimilou os estereótipos vendidos pelos média ocidentais, civismo, simpatia e alegria nas ruas. Não há pedintes por necessidade, nem muitos menos pedintes profissionais. Entre os hotéis de cinco estrelas que proliferam como cogumelos depois de um dia de chuva outonal, a presença ostensiva das grandes marcas do consumismo ocidental, os centros comerciais e o fast-food chinês, os multifacetados Hutongs — fazendo lembrar, os mais pobres, as já quase inexistentes ilhas do Porto –, os sítios turísticos e a excitação da nova arquitectura assinada por europeus, americanos e chineses (1), predomina sobretudo a sensação de estarmos no meio dum turbilhão económico, social, tecnológico e cultural sem precedentes.

Talvez por persistirem índices elevados de analfabetismo, abunda uma espécie divertida de iconografia informativa, de que o uso do estilo Anime para dar face aos polícias e suas recomendações é talvez a mais contrastante negação da imagem autoritária fabricada, entre nós, do império do meio. Ao contrário da pose xenófoba e fascista de alguns polícias do aeroporto de Newark, os polícias do aeroporto de Beijing sorriem e pedem-nos para avaliar electronicamente a qualidade do seu desempenho. Nas ruas da capital chinesa, a presença da autoridade do Estado é praticamente residual. Se exceptuarmos o dispositivo discreto mas permanente da Praça de Tiananmen, os cidadãos parecem conseguir resolver sozinhos os problemas e conflitos do dia a dia.

Os avôs e as avós fazem Tai Chi Chuan entre as 5 e as 8 da manhã, nos jardins e alamedas da cidade, antes de receberem os netos que cuidarão ao longo da jornada de trabalho dos seus ambiciosos filhos. Reformados sem outras responsabilidades familiares prementes entretêm-se em grupo desenhando ideogramas de água no chão, jogando o YoYo, ou montando barbearias ao ar livre num qualquer jardim público às portas de um museu nacional! Outros passeiam orgulhosos os seus adorados pequineses. Automóveis, Trolleys (quanta faltam nos fazem!) e bicicletas percorrem a cidade disputando cada cruzamento como se de uma dança marcial se tratasse. Traços contínuos e passadeiras são ainda decorações urbanas a que se dão pouca importância. Mas vai mudar. Os semáforos fazem já a sua função e em menos de uma década os cidadãos de Pequim respeitarão o resto da sinalética com muito maior zelo que nós. Numa Food Republic situada no piso -2 de um centro comercial fiquei a conhecer a profusão de estilos da ruidosa fast-food chinesa, e a saber onde boa parte dos trabalhadores do sector de serviços de Pequim almoça informalmente.

Na última noite da estadia fui recebido por um grupo de artistas noruegueses na residência que alugaram num Hutong perto da Cidade Proibida. Trata-se de um pátio recuperado com estilo, por um jovem profissional chinês, francamente acolhedor, rodeado por 4 quartos, uma sala comum, uma pequena cozinha e um quarto de banho elementar. Renda mensal antes das Olimpíadas, para estrangeiros: 163 euros (2). Quem quer ir para o Allgarve?!

Aperitivos picantes e melancia acompanhados de cerveja, vinho branco e vodka precederam um jantar servido por um restaurante de bairro especializado na famosa culinária da província de Sichuan, tristemente conhecida em todo o mundo desde 12 de Maio último por causa do terramoto que ceifou mais de 100 mil vidas. Esta cozinha é sobretudo caracterizada pelo uso abundante de malaguetas picantes e da chamada pimenta de Sichuan, misturadas com alho e gengibre, acompanhando as carnes de porco temperadas com molho de peixe, o pato lacado e o frango alourado, os peixes de rio (carpas), as corvinas e os mariscos. Nesta culinária, considerada há muito pelas elites burocráticas chinesas como sendo própria de intelectuais, abunda o arroz branco, couves fermentadas, molhos de feijão doce e talos de bambu. Os elementos crus ou pré-cozidos salteados em óleo bem quente e os estufados de beringela são outras tantas notas que aqui deixo dum memorável banquete de artistas, regado com muita cerveja Tsingtao e Yanjing, aguardente branca de arroz e vinho tinto (um mercado virtualmente inesgotável para os produtores de vinho de todo o mundo, incluindo os chineses, de que o famoso Chateau de Changyu é o principal estandarte.)

Em 1415, quando Portugal conquistou Ceuta, estabelecendo aí a testa de ponte que levaria a Europa a dominar o mundo durante quinhentos anos (3), a Marinha da Dinastia Ming (1368-1664 dC) possuía qualquer coisa como 1350 navios de guerra, dos quais 400 eram fortalezas marinhas e 250, navios de longo curso. Esta formidável armada tinha, entre 1405 e 1433, sob o comando do almirante Cheng Ho, sulcado os mares da Coreia, do Japão, do Sudeste Asiático e atravessado o Índico até à costa oriental de África. Como escreve ironicamente Paul Kennedy no seu fundamental The Rise and Fall of the Great Powers, poderia ter contornado a costa africana e “descoberto” Portugal algumas décadas antes de o Infante D. Henrique iniciar a sua extraordinária aventura, lançando marinheiros e comerciantes à descoberta e marcação da costa africana, em direcção ao Índico, até chegar à India. A viagem de circum-navegação realizada por Fernão Magalhães, ao serviço de Carlos V, provaria de vez a esfericidade do planeta, levando os primeiros europeus a descobrir o novo mar a que chamaram Pacífico. O saber de experiência feito e uma excelente cartografia levariam ainda Portugal a descobrir as Filipinas e o acesso marítimo à China, ao Japão e à Austrália. Mas então, porque ficaram os chineses para trás e foram os europeus que avançaram?

Ao longo da Dinastia Sung (960-1279 dC), e até ao ano 1436 da Dinastia Ming (1368-1664 dC), a China era de facto o maior e mais populoso país do mundo, tinha as maiores cidades e era tecnologicamente o mais avançado de quantos existiam. O seu exército e a sua marinha somavam mais de um milhão de efectivos, constituindo certamente a mais poderosa força bélica então existente à face da Terra. A China tinha inventado e usava o papel-moeda, tinha inventado e usava relógios astronómicos, tinha inventado e usava a imprensa de tipos móveis muito antes de Gutenberg, inventara a pólvora ainda antes da Dinastia Sung (960-1279 dC), produzia mais ferro do que a Inglaterra no início da Revolução Industrial (sete séculos depois!) Data também desta época a reconstrução da Grande Muralha (com tijolos de barro cozido) e a construção do sistema de canais fluviais que permitem ainda hoje fazer circular grande parte dos bens agrícolas e industriais pelo seu vasto território. O que provocou então a viragem e a decadência subsequente de tão formidável civilização?

Segundo Paul Kennedy, foi a ordem dada ao general Cheng Ho para desactivar e depois desmantelar a marinha chinesa, em nome da concentração de forças a que teria sido necessário proceder para fazer frente à pressão crescente dos Mongóis. Enquanto a Europa sabia do Oriente e ambicionava as suas sedas, marfins, madeiras nobres e especiarias, a China desconhecia praticamente o Ocidente, bastava-se com o seu imenso território, a cuja unidade dava total prioridade, e como país desenvolvido não detectara nas incursões marítimas pelos mares vizinhos e pela costa africana oriental razão económica suficiente para manter uma tão dispendiosa armada quando a ameaça vinha uma vez mais do Norte.

Esta decisão conduziria a China paulatinamente ao proteccionismo e ao isolamento internacional, ao mesmo tempo que o poder da burocracia acabaria por hegemonizar a sociedade, fazendo murchar progressivamente os pressupostos ideológicos, materiais e jurídicos de uma sociedade economicamente ágil, intelectualmente criativa e espiritualmente livre.

O que veio depois é sabido: no século 19 a balança comercial entre a China e o Ocidente (para onde vende muito e de onde compra pouco) torna-se insustentável, nomeadamente para a Inglaterra. Esta começa então a exportar, primeiro legal, depois ilegalmente, ópio oriundo do Império Britânico da Índia (sobretudo da Birmânia) para a China. Seguiram-se como consequência as guerras do ópio, que a China perderia a favor dos ingleses, daí decorrendo um longo período de humilhações que levaria ao fim das dinastias, à proclamação da república, à guerra civil e à revolução. Depois da morte de Mao, Deng Xiaoping estabelece para a China uma rota de abertura progressiva ao mundo, baseada na permanência de um Estado burocrático centralizado e autocrático, na tradição não apenas da revolução comunista de Mao, mas sobretudo da longa história dinástica do país, e na adopção de uma dita economia socialista de mercado.

“Um país, dois sistemas”, foi a proclamada fórmula mágica para o rápido progresso da República Popular da China. O melhor e o pior de dois mundos: por um lado, a agilidade de uma economia politicamente subordinada e com largos sectores sob comando único do Estado, por outro, a energia injectada nessa mesma economia pela regras típicas da emulação capitalista e pela armadilha do consumismo. Como pano de fundo, um inesgotável exército de mão de obra barata, que noutros tempos servira já para construir caminhos de ferro e estradas na América e em África, e hoje alavanca a custos imbatíveis a entrada da China na era da globalização. O seu crescimento anual, revisto em baixa de 10,8% para 9,6% (Sino Daily), ou mais recentemente, de 11,9% para 9,8% (EFE/Folha de São Paulo), começa entretanto a ser ameaçado por uma inflação (China Daily) que em Abril deste ano chegou aos 8,5% relativamente ao mesmo mês de 2007, e que só não é maior porque em Pequim e no resto da China os automobilistas e os transportadores ainda não ouviram falar do aumento dos preços da gasolina e do gasóleo! Na realidade, não fora a máscara estatística, ter-se-ia que situar a inflação actual como uma das mais sérias ameaças ao tão anunciado, mas improvável, século chinês.

O consumismo do século 21 poderá vir a ser para a nova China um perigo tão grande ou maior do que o ópio com que os ingleses procuraram no século 19 reequilibrar a sua balança comercial, e sobretudo escavacar a unidade daquele imenso país. Talvez por isso, a marinha de guerra e a marinha mercante chinesas estejam hoje a crescer mais depressa do que quaisquer outras armadas conhecidas. É que boa parte da energia e matérias primas necessárias à nova economia e às legítimas expectativas sociais da China de Hu Jintao encontra-se longe das suas fronteiras. O acesso a tão preciosos e cada vez mais escassos bens dependerá sobretudo de uma formidável marinha mercante… e de uma convincente marinha de guerra que a defenda.


REFERÊNCIAS
  1. China no World Resources Institute

NOTAS

  1. National Centre for the Performing Arts, de Paul Andreu; Estádio Nacional de Beijing, da dupla Herzog & De Meuron; nova sede e estúdios da principal cadeia de televisão chinesa; CCTV, do OMA (Rem Koolhaas e Ole Scheeren); Torre 3 do World Trade Centre, concebido por Skidmore, Owings & Merrill (SOM), hoteis Mandarin Oriental, do OMA e Kapok, do Studio Pei Zhu; Linked Hybrid, de Steven Holl.
  2. Este é certamente um preço excepcional, mas ainda assim é possível alugar um apartamento dentro dos dois primeiros anéis da cidade, com 60-80mq, por 250 euros mensais; ou alugar pela Net um pátio com 300mq, 3 quartos e um living, num Hutong situado no centro histórico, por 800 euros mensais; ou finalmente alugar diariamente uma Suite de luxo num Hutong a 3Km da Cidade Proibida, para 2 pessoas (+ 2 crianças pequenas) por 54 euros/dia. Uma noite no Wangfujing Grand Hotel, de 5 estrelas, a dois passos da Cidade Proibida, custa 55 euros, com pequeno almoço (buffet chinês e ocidental) incluídos.
    Embora possamos considerar que os preços são em geral baratos quando comparados com as economias do euro, não são assim tão baratos quando comparados com outras moedas menos fortes. Por outro lado, há uma enorme disparidade preços, podendo-se ir facilmente do razoavelmente barato ao inesperadamente caro. Eis uma lista que compilei rapidamente a partir de algumas facturas que consegui conservar:

    1 noite no Wangfujing Grand Hotel (5 estrelas) c/ pequeno almoço, junto à Cidade Proibida = 55 euros
    1 jantar no Wangfujing Grand Hotel, buffet italiano, japonês e chinês, acompanhado de chá verde = 13 euros
    1 jantar a la carte no centro da cidade: 17,4 euros
    1 almoço no Food Republic (c/ caneca de cerveja) = 4 euros
    1 café no lobby do Wangfujing Grand Hotel = 3,9 euros
    1 café expresso no Starbucks = 1 euro
    1 garrafa de chá verde (1/2 litro) numa loja de bairro = 28 cêntimos de euro
    1 garrafa de chá verde (1/2 litro) num restaurante junto à Grande Muralha (Simatai) = 1,8 euros
    1 cerveja Tsingtao numa loja de bairro = 64 cêntimos
    1 caneca de cerveja Tsingtao no lobby do Wangfujing Grand Hotel = 4,7 euros
    Bandeirada de táxi = 94 cêntimos; cada Km = 0,19 cêntimos; em espera = 0,09 cêntimos/min.

    Para mais informações consultar esta página de referência sobre Pequim: The Beijinger.

  3. A partir de 1915 os EUA emergem na cena mundial, virando rapidamente a seu favor o render da guarda do imperialismo europeu. Por junto, o imperialismo ocidental, de raíz judaico-cristã, durará cerca ou pouco mais de 600 anos.


OAM 376 14-06-2008, 20:03 (última actualização: 19-06-2008 09:36)

8 responses to “China 6

  1. Este blogue despertou alguma curiosidade em mim. Por uma simples razão: pretensiosismo consistente e fundamentado num aparente forte conhecimento das matérias abordadas em posts. Quando é assim, gosto da arrogância.Não posso, por isso, deixar passar em branco uma manifesta demonstração de ignorância do autor que, como muitos outros, passou uma semana em Pequim – para o efeito até podia ser dentro de um quarto de hotel em Zhongshan – e se arvora em conhecedor profundo da realidade chinesa: economia, cultura, política, sociologia, antropologia e, até, crítico de moda. Pequim não é a China, tal como o princípio/fórmula Um País Dois Sistemas não foi criado para os efeitos que OAM explica (não sei de onde copiou isso). “Um País Dois Sistemas” foi o sistema adoptado por Deng Xiaoping para tornar possível e coerente com a constituição chinesa a integração na soberania Chinesa de Hong Kong e Macau. Originalmente pensado para servir de caminho a Taiwan, este princípio foi depois moldado para servir a integração de Macau e Hong Kong, sistemas económicos capitalistas inseridos numa nação socialista. Nada que ver com os contrastes a que assistiu, embevecido, em Pequim. Desculpe-me o tom do email mas, quando a sobranceria passa a ignorância disfarçada de cultura geral, não me consigo controlar. Para a próxima, escolha melhor as fontes do seu tão odiado plágio.Um abraçoJoão Costeira Varela

  2. Caro João,Pequim não é a China, mas exemplifica-a bem, ou não? Seja concreto!Supor sequer que a visão e a estratégia de Deng Xiaoping resultaram de um mero problema de ajustamento administrativo para resolver os problemas de Hong Kon e Macau, é uma ingenuidade crítica que não resiste a dois segundos de debate. Tente…Eu nasci na China, nunca fui e detesto maoístas europeus, e tenho cabeça para ajuizar o que vejo, falo e leio. A generalidade do seu comentário é por conseguinte insuficiente e não posso responder-lhe em concreto.Quanto a citações, concederá que me preocupo em fornecer abundantes referências em cada postal enviado.Um abraço.

  3. Por pontos:Obviamente Pequim não exemplifica a China. É tão óbvio que julgo não ser preciso ter nascido na China para o perceber. Um país onde vive um quinto da humanidade, que ocupa uma área gigantesca e onde, se os houvesse, haveria pelo menos cinco fusos horários, não pode ser exemplificado pela sua capital. Nem Portugal por Lisboa quanto mais a China, terra de pelo menos quatro civilizações diferentes, por Pequim. Tecer o comentário que o António teceu agora prova o quão redutor é a capacidade de compreensão do mundo, da diferença, de alguns portugueses….A questão é que a visão e a estratégia de Deng Xiaoping para a China não se resumiram ao princípio um país dois sistemas. Mas só que não conhece a china é que pode negligigenciar a importância de HK, Macau e Taiwan para o país. Deng foi muito mais do que “Um País, Dois Sistemas”, mas “Um País Dois Sistemas” não foi mais do que a integração possível de HK, Macau e o desejo de ter Taiwan. Basta ler, não é preciso saber. Deng – que eu citei e não o António no seu texto – foi o pai de outras experiências económicas: Xangai, Shenzhen, Zhuhai, Chongkin. Mas não em Pequim, nem na China toda. Lançou os alicerces da revolução industrial do país e da alternância de nomes no poder. Não lançou dois sistemas dentro de uma jurisdição. Juntou três jurisdições num país. é muito diferente.Não lhe chamei maoísta, pelo contrário, Talvez tenha insinuado que neste post foi facilitista.Mas não leve a mal. Aliás, disse-o e repito. Considero o blog muito bom. Só que aqui pecou numa matéria à qual dou importância.Insuficiente é a consistência do seu post e o comentário ao meu comentário.João Varela

  4. da sua wikipediahttp://en.wikipedia.org/wiki/One_Country,_Two_Systemssempre a considerá-lo.Um abraçoJoão Varela

  5. Caro João,Eu nasci em Macau, estive em Hong Kong quando era pequenino, estive duas vezes em Xangai (1999, 2000) e fui agora a Pequim. O postal que escrevi n’OAM resulta de uma primeira impressão da estadia em Pequim. Espero poder voltar ao tema, e ser por isso mais abrangente, subtil e concreto. Até, porque estou em pulgas para conhecer Sichuan, e voltar a Macau e a Hong Kong. Na realidade, apetece-me mesmo passar um ou dois anos na China para escrever sobre aquele –tem razão– imenso país, e imensa cultura. Entretanto, a sua crítica estimulou ainda mais a minha atracção asiática. Até quero aprender Mandarin! Já falei Cantonês, mas tinha apenas quatro anos… e agora, só hipnotizado é que lá ia! Um abraço😉

  6. considere-se convidado para jantar quando vier a Macau.Um abraçoJoão Varela

  7. Se há coisas que perduram até à morte, são os sabores, certos aromas e imagens difusas. Quero voltar a Macau para confrontar estas memórias de vida. Obrigado pelo convite😉

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s