PPD-PSD-11

Uma mulher na frente política

De Filipa de Lencastre à vitória de Manuela Ferreira Leite

Quando vi Manuela Ferreira Leite subir ao palco de onde proferiria o seu discurso de posse, num tom calmo, firme e pedagógico, reparei quão masculina era a composição da generalidade dos órgãos partidários do PSD. Vi a sempre sorridente mas nem por isso menos determinada deputada europeísta Assunção Esteves, descortinei por junto mais três ou quatro personagens femininas, cujos nomes ignoro, e foi tudo! Como é possível que tamanho sexismo persista ainda em organizações cuja razão de ser é a promoção e a garantia da própria essência política da democracia?

O PS e o Bloco de Esquerda fizeram ultimamente um esforço, eu sei. Mas que dizer do partido que pretende governar o país em 2009? Será possível que até lá nada mude nesta composição troglodita do segundo maior partido português? Então o PSD quer ser o primeiro partido de Portugal sem antes proceder à necessária metamorfose de género na composição das suas principais instâncias de poder? Acha que alguma vez chegará a São Bento de novo sem substituir algumas dezenas dos seus caricatos machos alfa? Estes Chicos espertos são, como toda a gente sabe, incultos, subservientes, ciosos de mordomias e preocupados acima de tudo com a sua medíocre vidinha, futebolística. Não servem rigorosamente para nada a não ser para arrebanhar pontualmente alguns votos para quem mais benesses lhes prometer em cada momento. Será que as elites da Quinta da Marinha, da Foz e de Matosinhos ainda não sabem que o país, em matéria de competência e mérito, mudou de sexo?

Os resultados de trinta anos de marialvismo político-partidário estão à vista de todos! É tempo de deixar Manuela Ferreira Leite e mais algumas centenas de mulheres competentes e politicamente sábias assumirem uma partilha efectiva na condução dos destinos de Portugal. Voltarei ao tema no fim deste postal de saudação à nova Secretária-Geral do PSD. Mas antes quero sublinhar o que para mim pareceu essencial no discurso de vitória da antiga ministra das finanças, ao encerrar o premonitório congresso de Guimarães.

Em primeiro lugar, o estilo: em vez de demagogia pura, apontou prioridades e metas que devem ter deixado aterrados muitos cus de aparelho da actual nomenclatura. Em segundo lugar, o modo consistente como reafirmou a sua estratégia de encostar o PS à direita, onde efectivamente se encontra em resultado de ter sido comido pela tríade de Macau. Em terceiro lugar, a decisão de enfrentar o grande capital subsidio-dependente que, incapaz de inovar e de trabalhar, se agarra, como um qualquer desgraçado tóxico-dependente, ao endividamento criminoso do país, clamando pelas fatídicas Parcerias Público Privadas, através das quais o Estado tem protagonizado um inacreditável papel de corruptor activo. O betão vai deixar de ser uma prioridade (1), por razões óbvias e ainda porque as responsabilidades e dívidas por ele criadas para as gerações futuras são uma das mais negativas e criminosas heranças deixadas ao país por toda uma geração de políticos que deviam estar na cadeia, em vez de alegremente engordarem os nossos serões televisivos!

A hipótese de um novo Bloco Central, sugerido em tom provocador por Marcelo Rebelo de Sousa, não é totalmente disparatada, ainda que inoportuna na circunstância. O problema é este: se o PSD ganhar em 2009, mas sem maioria absoluta, como vai ser? Bom, o melhor mesmo seria ganhar com maioria absoluta, uma probabilidade que não está totalmente fora de questão, sobretudo se a situação económico-social continuar a deteriorar-se gravemente, como é muito provável que ocorra se as bestas da Europa continuarem a alimentar de forma suicida os jogos de guerra do Pentágono. Se o petróleo chegar aos 200 dólares no fim deste ano (já se viu que as promessas da Arábia Saudita nada podem contra a especulação desenfreada actualmente em curso), e se Israel atacar o Irão, vindo em seguida os Estados Unidos, com o apoio imbecil do Reino Unido e da França, bloquear o Estreito de Ormuz, no início de 2009, então é mais do que certa a emergência de uma crise de regime em Portugal, com fracturas abissais tanto no PS como no PSD. Nesta circunstância, das duas uma, ou o PSD de Ferreira Leite consegue chegar às eleições (que poderão ser antecipadas por Cavaco Silva) antes do esboroamento partidário, e ganha uma maioria absoluta fortemente protegida pela actual Presidência da República, ou pelo contrário, a crise dos partidos adianta-se, e neste caso, regressaremos a uma qualquer variante do Bloco Central, do qual sairá provavelmente um governo de emergência nacional. É que então, poderemos estar todos a entrar numa III Guerra Mundial!

Termino este comentário com uma nota histórica sobre uma grande mulher que governou Portugal: Filipa de Lencastre, ou melhor, Philippa of Lancaster.

Há muito que estou convencido do papel determinante desta inglesa no arranque da expansão ultramarina da Europa, protagonizada por Portugal no início do século 15. No entanto, se procurarmos na Net referências em língua portuguesa ao seu desempenho, não encontraremos praticamente nada! Nada!! Foi preciso chegar à Universidade canadiana de Calgary para conseguir ler uma breve mas instrutiva biografia da esposa inglesa que o Rei João I não quis para si, mas que acabaria por aceitar após intervenção decisiva do duque de Lancaster, John of Gaunt, e do Arcebispo de Braga. Estava então em causa a independência de Portugal e o financiamento das suas guerras contra castelhanos e mouros. Alguém teria que espevitar o pseudo-casto de Aviz.

Ao ler a breve resenha biográfica que se segue (e de que apresentarei em breve tradução portuguesa) fiquei fascinado por esta mulher culta, determinada e com uma enorme visão estratégica. Como foi possível esconder até hoje o seu fundamental papel na história do nosso país? Na entrada completamente chauvinista, machista e reaccionária de Joel Serrão (sim, Joel Serrão) sobre Filipa de Lencastre, no seu Pequeno Dicionário de História de Portugal, podem ler-se estas pérolas de canina subserviência à mentira histórica de Estado:

“Em 1387, (Filipa de Lencastre) casa com D. João e até 1402 passa metade do tempo em estado de gravidez: são os nascimentos de D. Branca, D. Afonso (mortos na infância), D. Duarte, D. Pedro, D. Henrique, D. Isabel. D. João e D. Fernando (a ‘ínclita geração’). Ignora-se o papel que teve na educação de todos estes filhos. As alegações feitas nesse sentido não passam de fantasia. Filipa nunca se desligou do mundo inglês. Mantinha-se sempre informada dos negócios do seu país e à sua beira encontramos mordomos-mores, chanceleres, tesoureiros, confessores e damas de nacionalidade inglesa. Apesar disso parece ter tido alguma influência nas decisões de seu marido, como no caso do empreendimento de Ceuta.”

É difícil encontrar prosa académica mais desonesta, despeitada, reaccionária e sibilina! Não li, mas vou ler o que outros historiadores portugueses escreveram sobre a rainha portuguesa. Espero que seja um pouco mais sofisticado do que esta demonstração de cronismo machista e bronco. Leia-se a biografia publicada pela Universidade de Calgary, para vermos até onde pode ir o sectarismo da subserviência burocrática.


Philippa of Lancaster, Queen of Portugal

Without the alliance between King João I, the Archbishop of Braga and Prince John of Gaunt, brother of the Black Prince, Portugal would probably have lost its independence to Castile. Central to that alliance negotiated by the archbishop and Prince John, was that John’s daughter, Philippa of Lancaster, would be married to the 28-year-old King João I and become queen of Portugal. King João I was forced by necessity to agree to these terms although he had no intention of fulfilling his part of the agreement. Initially the king retreated to the country for two months with his mistress and their two illegitimate children, and sent back protestations that his monastic oath would prevent his ever contracting a marriage. John of Gaunt immediately produced a letter from the pope absolving the king of his vows of celibacy but the king continued to abscond from the marriage. On February 2, 1387 John sent the king a demand, delivered by an army of England’s best troops, that the marriage take place at once or England would withhold from Portugal a loan that was desperately needed. King João I finally capitulated and later that month, on Candlemas Day, the Archbishop of Braga united the sullen king with the mortified princess in a resplendent ceremony. In public the royal couple played their parts but in private King João I treated his bride with churlish asperity. After the ceremony he left her at once for the camp of his army and plunged into the campaign against Castile.

Philippa was older than King João I by some years and had already been refused by several other royal bachelors, notably by King Charles VI of France and Albert, Duke of Bavaria. Despite these rejections Philippa would prove herself to be an extraordinary ruler and mother of a great empire. She had received a remarkable education as a girl studying under the Flemish poet Froissart, the foremost chronicler of medieval courts. Another of her tutors was the learned Friar John, the great pioneer in physics and chemistry, who presumably developed in her a sense of critical inquiry that was to become one of her outstanding characteristics. Her most beloved mentor was Geoffrey Chaucer, an intimate friend of her father’s. Her father’s confessor was the reformer John Wycliffe, Professor of Philosophy at Oxford and the first translator of the Bible into English. He also played a great role in moulding Philippa’s young mind to be free of superstition thus enabling her to become a tolerant and enlightened leader.

King João I initially refused to accept Philippa as his wife because he felt forced to go through with the marriage. Thus he avoided her and sought solace between campaigns from his mistress in Lisbon. This situation reminded Philippa of her father’s own mistress who dominated her childhood home at the detriment of her mother. Philippa was determined not to go through the same humiliating experience in her own household. She waited patiently until the king was away at the battlefront, and sent a group of clerics and knights to the house where his mistress lived. The mistress was then committed to an ancient convent of Santos where the king could not access her. Philippa took pains to make certain that her rival was treated with every respect and given a dignified establishment with an ample allowance. Philippa then adopted the king’s two illegitimate children and reared them with her own children as they were born. By being so conscientious about the care of her husband’s children Philippa became responsible for the founding of the bastard House of Braganza. Philippa’s quality of character and integrity eventually gained her husband’s respect and affection. She bore him ten children and made him a devoted husband and father by encouraging his taste for study and while discouraging his excesses.

Over the next two generations King João I delegated the administration of civil affairs to Philippa while he guarded the kingdom’s frontiers. Philippa became the balance wheel of the kingdom, and quietly introduced many enlightened customs from Flanders and England. Because of her close relationship to the English throne Philippa was able to improve the diplomatic and commercial bonds between the two kingdoms. She was also able to improve internal relations between the Portugal’s middle class and the aristocracy, as well as the relations between the Christian and Jewish communities.

By the year 1410 Philippa and João had ruled Portugal together for a quarter of a century, during which the kingdom had been constantly at war with Castile and the Moors. All trade, finance, and taxation were designed as war measures. The law at the time compelled every able-bodied man not serving in the armed forces to labour for a certain number of days per year on the walls and defences of his home town. In addition, all male non-combatants were required to serve some weeks annually in the watchtowers and observation posts on the inland borders with Castile and along the seacoast to defend against Moor raiders. The expense of this extended warfare and the lack of metallic material for coinage exhausted the royal treasury, forcing Philippa to issue a bizarre fiat money, in the form of leather tokens, as legal tender. The situation drastically changed in 1411 with a political change in the enemy kingdom of Castile.

With peace came the totally upheaval of Portugal’s war economy. Thousands of soldiers, sailors, mechanics, and shipyard workers were thrown into unemployment. The royal councillors feared the danger of a civil war from the domestic turmoil of peace and suggested a foreign war as a diversion. Others advisors pushed for a resumption of hostilities against Castile. Another suggestion was to send an army to help the emperor of Austria against the Turks but King João I vetoed sending the kingdom’s defenders so far away. It was Philippa who proposed sending an armed expedition to the Muslim kingdom of Fez in order to reach the kingdom of Prester John, the fabled African Christian ruler. Philippa believed that an alliance with him would give Portugal access to the Indian sources of spices and oriental products, thereby destroying the monopoly of Egypt and Venice over the spice trade. Although the majority of the royal council harshly criticised Philippa’s proposal, history eventually proved her vision to be quite sagacious as her successors, King João II and King Manuel the Fortunate, both implemented similar policies of pursuing the Indian trade.

Philippa’s proposal was not based on a whim but on facts inspired by her extensive readings of the most respected scholars of that age. These included the written account by the Greek historian Herodotus of a voyage around Africa from the Red Sea, south through the Indian Ocean, and north up the Atlantic to Gibraltar, made centuries before Christ by Phoenician galleys at the command of the Egyptian Pharaoh Necho. Philippa also studied the Roman historian Pliny who chronicled a southerly voyage along the southwestern African coast by a Carthaginian named Hanno. She was also aware of the voyages of Lief Ericson across the Atlantic to Greenland that led her to assume that the ocean could be traversed safely without fear of superstitious monsters. Philippa probably studied the popular account of Marco Polo’s expedition to the Orient. All of these sources corroborated the personal testimonies of hundreds of Genoese, Venetians, Byzantines, Jewish, and Moorish merchants who all travelled along the eastern coast of Africa to the Malabar coast of India where they traded in the bazaars of Calicut. Using her vast knowledge the queen not only conceived of the bold plan of an invasion of North Africa, but she also painstaking worked to win political support for it among the royal council. On her suggestion, spies were sent to Ceuta, the centre of all North African trade activities, to report back concerning the feasibility of her plan. One spy returned with information about the great south central African market and the importation of gold through Timbuktu, the hub of that particular trade network. This was the first information that Europeans had about the source of Arab gold, until this point they had believed that the gold was brought from India. The importance of this discovery was immense because the Arabic states were the only suppliers for gold-starved Europe, now the capture of Ceuta became an even more attractive option since it could potentially save Portugal’s crippled economy.

With this information Philippa believed that the Florentine bankers could be persuaded to finance her invasion, she was correct and the bankers joined the enterprise. Philippa now sought out the good will of the clergy and their assistance in winning popular support for the invasion. Once the blessing of Rome was secured, the queen had to convince her husband to authorise the undertaking. At this time King João I was tired of war and considered the stronghold of Ceuta impregnable. He flatly refused the lure of gold and religious glories. Philippa then enlisted the aid of her three oldest sons, all eager to win the spurs of knighthood, to convince their father. Eventually King João I yielded once he realised that his wife had managed to convince the majority of her former detractors of the logical and potential of her proposal.

It took three years of active preparation before the army and fleet were ready for the invasion. At this stage Philippa stepped aside to allow her husband and sons to take over the planning of the expedition. She was now over sixty years old and exhausted from the task of financing and assembling the expedition. Then disaster struck when Philippa contracted the plague and failed to recover. When she knew her end was near, she called her children to her. Upon her deathbed Philippa made her three oldest sons and daughter swear a solemn vow to carry out her dream of trying to gain an alliance with the kingdom of Pester John and through this gain access to the Indies. On July 25, 1415, the fleet of two hundred vessels dropped down the Tagus into the Atlantic Ocean and steered south; Philippa was dead, but they carried out her invasion and successfully conquered Ceuta.

The European Voyages of Exploration / The Applied History Research Group / The University of Calgary. Copyright © 1997, The Applied History Research Group


NOTAS
  1. As grandes obras e as privatizações oportunistas estão agora, felizmente, em causa. Ou melhor, a haver Grandes Obras, estas deverão incidir sobretudo na ferrovia, no transporte colectivo urbano e sub-urbano, e ainda nos portos do país. Não faltam, como se vê, oportunidades de negócio!
    • A linha de Alta Velocidade entre Lisboa e o Porto nunca fez qualquer sentido, e agora faz ainda menos. Basta prosseguir o que há muito deveria ter sido concluído: acabar a adaptação da ferrovia ao potencial cinético do Alfa e melhorar radicalmente o respectivo serviço comercial.
    • No que à Alta Velocidade (AV) entre Lisboa e Madrid se refere, basta assegurar uma ligação de Velocidade Elevada (VE), em vez de AV, entre as duas capitais, construindo-se uma linha nova de passageiros e mercadorias entre o Caia e Pinhal Novo (em vez de deixá-la pendurada no Poceirão), e permitindo que os comboios atravessem a actual Ponte 25 de Abril, até chegar a uma estação central situada na Via de Cintura Interna (por exemplo, nos antigos terrenos da Feira Popular, ou nas imediações da actual estação Roma-Areeiro). A linha VE entre o Caia e Pinhal Novo poderá ainda ligar-se à Linha do Norte, sem precisar de passar por Lisboa, desde que seja lançado um desvio ao longo da margem esquerda do Tejo, como propõe António Brotas.
    • A ligação Porto-Aveiro-Salamanca em comboios de Velocidade Elevada para passageiros e mercadorias é uma necessidade que deverá ser desde já meticulosamente planeada.
    • O mesmo ocorre com a ligação Porto-Vigo, já prevista para ser uma via de Velocidade Elevada, e não de AV.
    • O Novo Aeroporto de Alcochete, por sua vez, pode esperar bem uma década. Uma decisão definitiva sobre o mesmo deve ser adiada para 2013-2015. Se então estivermos todos enganados, e o tráfego aéreo continuar a subir, então sim, faça-se o NAL de Alcochete. Até lá, melhore-se a Portela (depois de despedir os incompetentes da ANA e da NAER) e prepare-se o Montijo como solução de complementaridade, se vier a ser necessária.
    • Finalmente, os planos de privatização da ANA, destinados a viabilizar o projecto financeiro do NAL devem ser imediatamente denunciados e suspensos. Quem não tem dinheiro não tem vícios, muito menos à custa de terceiros e vindouros!


OAM 379 23-06-2008, 16:41

4 responses to “PPD-PSD-11

  1. Caro António,Comparar Philippa a MFL é como comparar a sua inteligência à de LFM. Você saberá melhor do que ninguem se é mais culto e inteligente do que LFM…MFL está apenas a roubar espaço ao PCP e BE. Um dia que o cenário mude ela será vigarista neo-liberal como o seu passado documenta. NO debate a 4 na TVI ela disse que as obras faraónicas acordadas eram para manter. Entretanto já mudou de opinião… Demagogia pura. O Norte não precisa de Aveiro-Salamanca. Precisa sim de upgrade da linha do Douro. Veja aqui uma série de artigos sobre este assunto: http://norteamos.blogspot.com/2007/06/reabrir-ao-trfego-ferrovirio-o-douro_2624.htmlO Porto-Vigo sempre esteve previsto ser em VE.

  2. Caro José,1) Eu não comparei a Manuela Ferreira Leite a Filipa de Lencastre! Limitei-me a chamar a atenção para o papel que as mulheres podem e devem ter na sociedade portuguesa, exemplificando dois casos típicos de menosprezo machista pela inteligência feminina. Num caso, a censura do canino jornalismo histórico português a uma personalidade de excepcional importância na nossa História — Filipa de Lencastre. No outro, o contraste entre uma mulher que chegou onde chegou a pulso, mas que se vê rodeada de um ramalhete de cus de aparelho sem quase nada para dar ao país, mas ainda ávidos de receber o que puderem da mesa do orçamento – Manuela Ferreira Leite.2) Eu não creio, até prova em contrário, que MFL seja mais um socratintas. Nunca votei no PSD, mas dou o benefício da dúvida à sua nova líder.3) O PCP e o Bloco não passam de apêndices do sistema democrático, sem quaisquer impactos positivos nas nossas vidas. Governar não está no horizonte destes pequenos partidos ideológicos, pelo que é uma pura perda de tempo pensar no que possam ou não propor à sociedade portuguesa.4) Modernizar a Linha do Douro não é incompatível com a VE entre Porto, Aveiro e Salamanca.5) Eu sei que entre Vigo e Porto está prevista uma solução VE, mas a generalidade dos meus leitores não sabe. Por isso achei importante explicitar a solução.Em suma, quando convoquei a memória de Filipa de Lencastre no elogio à vitória de Manuela Ferreira Leite, pretendi apenas elogiar a importância da mulher num país superpovoado de imbecis com pila.Posso enganar-me sobre Manuela Ferreira Leite. Se tal acontecer, não duvide que estarei na primeira fila a criticá-la. Mas até lá, deixe-me acalentar a hipótese de esperança surgida no passado fim-de-semana em Guimarães.

  3. José,Tem razão na observação sobre a linha Porto-Vigo. Por lapso, escrevi:“O mesmo ocorre com a ligação Porto-Vigo, que deverá igualmente ser rebaixada para a Velocidade Elevada, desistindo-se assim da AV.”Na realidade, a solução prevista é de facto uma via de Velocidade Elevada, e não de AV. Erro meu! Fica a correcção.

  4. Vai-se enganar. Aliás, como acredito que foi votante do PS em 2005, vai-se mesmo enganar outra vez.Como escrevi, MFL é apenas uma versão de Sócrates, permeável aos interesses dominantes a cada momento ai em Lisboa. A melhor prova é mesmo a incoerência do discurso. Parece que o JPP anda a ler o seu blogue e o meu para orienta-la. Estas pessoas não tem credibilidade. Por exemplo, o seu discurso, o de Rui Rodrigues ou outros são muito mais coerentes relativamente às obras públicas. Por esses eu colocaria as mãso no fogo ! Novamente: MFL é apenas uma improvisação.O upgrade da linha do Douro para turismo e mercadorias custa o mesmo que alguns Km de auto-estrada Amarante-Bragança. Manuel Tão, apesar de ser um feroz adepto de TGV e OTas, já o demonstrou no Norteamos. Eis aqui um PPT elucidativo: http://norteamos.blogspot.com/2007/06/cenrios-de-reabertura-da-ligao.html

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s