Eurásia adiada

O fim do Tratado de Lisboa e a resposta russa; preâmbulo da campanha americana no Irão

Os alanos constituíam um povo bárbaro (isto é, não falavam latim), com origem no nordeste do Cáucaso, entre o rio Don e o Mar Cáspio, que realizou uma transmigração em direcção ao ocidente nos séculos IV e V.

Em 360, os hunos destruíram o seu império, obrigando muitos a atravessar a Europa até à Península Ibérica (em 409). Nesta migração, acabaram por se juntar aos suevos e aos vândalos que ocuparam simultaneamente com estes a Hispânia.

Os alanos que permaneceram a nordeste do Cáucaso passaram a designar-se por Tártaros. Aqueles que se estabeleceram na península Ibérica fundaram um reino na Lusitânia, sediado em Pax Julia, a actual cidade de Beja, em Portugal… — in Wikipédia.

Os ossetas são um grupo étnico iraniano, natural da Ossétia, região do Cáucaso. Os ossetas estão localizados, em sua maior parte, na Ossétia do Norte, situada na Rússia, e na Ossétia do Sul, que apesar de ter declarado sua independência permanece reconhecida internacionalmente como parte da Geórgia. Falam o osseto, um idioma indo-europeu da família iraniana.

… Os ossetas descendem dos alanos, uma tribo sármata. Tornaram-se cristãos durante o início da Idade Média, por influência dos georgianos e dos bizantinos. No século VIII um reino alano já consolidado, chamado nas fontes contemporâneas de Alânia, surgiu no norte das montanhas do Cáucaso, na região das atuais Circássia e Ossétia do Norte. Em seu apogeu, a Alânia foi uma potência regional, com uma forte presença militar, e uma vasta riqueza obtida com a Rota da Seda.

Forçados de sua terra natal, ao sul do rio Don, durante a conquista mongol, cruzaram as montanhas rumo ao território do outro lado das cordilheiras do Cáucaso, onde formaram três entidades territoriais distintas (reunidas no que hoje é designada por Ossétia do Sul) — in Wikipédia.

Ossétia do Sul, localização (mapa 1); Ossétia do Sul (mapa 2); Ossétia do Sul, áreas controladas pelo estado da Geórgia (mapa 3); rota das migrações do Alanos e Vândalos nos séculos IV e V (mapa 4); grupos etno-linguísticos na região do Cáucaso (mapa 5).

Dividir para reinar (divide ut regnes ou divide et impera) tem sido o lema comum a muitos estados e impérios, sobretudo quando não conseguem seduzir as nações e povos dominados para uma efectiva comunhão patriótica de objectivos. A imprensa ocidental mais submissa aos canais de propaganda anglo-americana tem vindo a sugerir que a resposta russa à invasão militar da Ossétia do Sul, pelas tropas da Geórgia, é uma grave violação de soberania (Carld Bildt, ministro dos negócios estrangeiros sueco), ou uma reacção desproporcionada (George W. Bush) e a prova de que a Rússia quer recuperar a sua dimensão imperial. Nada mais falso! O que eu vejo, isso sim, é a frenética actividade dos Estados Unidos, com o apoio discreto de uma Europa sumamente hipócrita, tentando provocar divisões territoriais em toda a parte do planeta. Do Afeganistão ao Iraque, da Palestina ao Irão, da Bolívia à China, e agora no Cáucaso. Em todos os casos afloram duas questões primordiais: a disputa pelos principais recursos energéticos do planeta (petróleo, gás natural) e o enorme esforço de manutenção da actual, embora ameaçada, supremacia americana.

Não estranharia nada que a provocação georgiana tivesse sido preparada pelos serviços secretos norte-americanos, fazendo parte, tal como a desestabilização do Tibete, dos Jogos Olímpicos de Pequim, e da província chinesa de Xinjiang por separatistas muçulmanos (1), da agenda preparatória dum ataque, porventura nuclear, ao Irão. O lóbi sionista americano tem realizado uma pressão enorme para fazer aprovar no Congresso a Resolução 362 (2), destinada a impor unilateralmente sanções draconianas ao Irão, as quais poderão conduzir ao bloqueio económico e naval do estreito de Ormuz.

Não estou por conseguinte certo das análises optimistas (3) que se limitam a ver na tragédia da Ossétia mais uma derrota da família Bush. Na realidade, depois de reunir uma série de pontas soltas, isto parece-em ser mais um episódio, porventura decisivo, da guerra em preparação contra o Irão, que por sua vez será uma guerra contra a Rússia, um aviso à China e um grande retrocesso para o sonho europeu. O facto de a França estar neste preciso momento à frente da União Europeia inspira-me aliás os maiores receios. Não devemos esperar nada de bom, nem do garnisé de Paris, nem do dandy que pomposamente dirige os assuntos externos da França e, por mais alguns meses, da Europa!

O Tratado de Lisboa, que permitiria a criação dum directório europeu franco-alemão, falhou. Falhou, por um lado, porque a aliança anglo-americana sabotou uma vez mais a tentativa de delimitação de um centro de gravidade europeu. E falhou, por outro lado, porque a Europa no seu conjunto foi incapaz de cooperar de forma séria com a Rússia pós-soviética, tendo revelado uma total submissão à estratégia aventureira do nosso amigo americano.

Berlim procurou alargar rapidamente o território da União Europeia e sobretudo o território da moeda única. Mas Bruxelas permitiu aos Estados Unidos vender a ideia peregrina de que a NATO, uma aliança militar criada para o Atlântico Norte, deveria alastrar até aos antigos países da órbita soviética (Bulgária, República Checa, Estónia, Hungria, Islândia, Letónia, Lituânia, Polónia, Roménia, Eslováquia, Eslovénia,) até à Turquia e mesmo até ao Cazaquistão! Ou seja, em vez de se ter estabelecido uma zona desmilitarizada entre a Rússia e a Europa ocidental, que pudesse servir de mediador para uma progressiva integração euro-asiática, fazendo desta imensa zona geográfica uma formidável força de cooperação e pacificação mundiais, os oportunistas da Europa abriram as pernas aos aventureiros americanos, escangalhando de novo a paz europeia!

O acosso permanente da Sérvia e a independência fabricada do Cosovo (entregue a um bando de chulos, traficantes de droga e ladrões descarados), bem como a instalação de uma das maiores bases militares americanas na Macedónia, e ainda a tentativa provocatória de instalar radares e mísseis na República Checa e na Polónia, tiveram finalmente uma resposta à altura por parte da Rússia. Tendo seguramente o apoio da China, com quem assinou em 21 de Julho passado o tratado que finalmente regulariza a delimitação da fronteira de 4300 Km entre os dois países (4), sanando por fim o diferendo existente há quarenta anos em torno das ilhas Heixiazi e Yinlong, situadas na confluência dos rios Ussuri e Amur, no Nordeste da China, a Rússia decidiu finalmente responder ao cerco que a NATO, ou melhor, os Estados Unidos com o apoio dissimulado da União Europeia, vêm montando junto das fronteiras russas. Berlim, Londres e Paris foram avisados sobre a possibilidade de ficarem sem gás de um dia para o outro. Entretanto, em plena cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pequim, a Rússia resolve colocar os Estados Unidos em sentido, explicando-lhes que não irão tolerar o controlo do Mar Cáspio por uma manada de cowboys. Apesar de o oleoduto da BP que transporta petróleo do Mar Cáspio para o Mediterrâneo, de onde segue para a Europa e para os Estados Unidos, ter sido sabotado dias antes pelos separatistas curdos do PKK, a verdade é que a Rússia, que quer a BP fora do Cáspio quanto antes (aha!), está a tomar posições tácticas decisivas para a eventualidade de um ataque surpresa de Israel ou dos Estados Unidos ao Irão.

Os países detentores das principais reservas estratégicas mundiais de petróleo e gás natural (recursos energéticos insubstituíveis nos próximos 15 a 20 anos) — Arábia Saudita, Rússia, Cazaquistão, Irão, Venezuela, Bolívia, Nigéria, Angola, Brasil, etc. — têm vindo a nacionalizar paulatinamente os seus haveres estratégicos. Os países produtores de alimentos, como a Índia e o Brasil, mostraram que não hesitarão em suspender as exportações de arroz e soja, se tal for necessário, perante uma escalada de preços dos bens alimentares. Por outro lado, os E.U.A. e a Europa, que têm vindo a perder competitividade económica face à China e à Índia, não só estão mergulhados numa profundíssima crise financeira, como caminham a passos largos para recessões duras e prolongadas. A fragilidade energética dos Estados Unidos e da União Europeia é muito crítica e vai piorar nos próximos anos, não se vislumbrando no horizonte qualquer visão política séria do problema. A actual queda do preço do petróleo deriva em grande medida da destruição da procura americana e europeia. Mas isto apenas empobrece e desarma a Europa! A China e a Rússia agradecem!!

Nesta história da Ossétia estou completamente ao lado dos ossetas do Sul, porque são povo, nação e estado há muito mais tempo do que todos as democracias europeias. Ainda nós, portugueses, estávamos a sete séculos de sermos quem somos, e já os antepassados deste singular povo caucasiano deixavam a sua semente genética e civilizacional no Alentejo. Formulo assim votos de sucesso a João Soares para que honre a razão e a história no papel de mediador que foi chamado a desempenhar nesta hora difícil para a Ossétia e para a Europa.


NOTAS
  1. According to Stratfor, a US based think tank on intelligence issues, the Turkestan Islamic Party (TIP) which claimed responsibility for the pre-Olympic terror attacks belongs to the broader East Turkestan Islamic Movement (ETIM), based in the Xinjiang-Uygur autonomous region.

    The ETIM is known to be covertly supported by Pakistan Inter Services Intelligence (ISI), acting in close coordination with the CIA. — in PsyOp: Is Washington Intent on Sabotaging the Beijing Olympics? – Pre-Olympics PsyOp creates Atmosphere of Fear and Insecurity, by Michel Chossudovsky.

  2. … (the Congress) demands that the President initiate an international effort to immediately and dramatically increase the economic, political, and diplomatic pressure on Iran to verifiably suspend its nuclear enrichment activities by, inter alia, prohibiting the export to Iran of all refined petroleum products; imposing stringent inspection requirements on all persons, vehicles, ships, planes, trains, and cargo entering or departing Iran; and prohibiting the international movement of all Iranian officials not involved in negotiating the suspension of Iran’s nuclear program; (.) — in H. CON. RES. 362 – Expressing the sense of Congress regarding the threat posed to international peace, stability in the Middle East, and the vital national security interests of the United States by Iran’s pursuit of nuclear weapons and regional hegemony, and for other purposes.

  3. After the catastrophic invasions and occupations of Iraq and Afghanistan, the neocons have just lost a third war, in Georgia. — The warmongers have lost yet another war, by Jerome a Paris, Sun Aug 10, 2008 at 05:04:06 AM PDT.

    # First, let’s be clear: there are two reasons only we care about Georgia: the oil pipelines that go through its territory, and the opportunity it provides to run aggressive policies towards Russia.

    # Second, let’s also be very explicit: this conflict is not unexpected: it is a direct consequence of our policies, in particular with respect to Kosovo (and to all those that will claim that “no one could have predicted” this, let me point out to this comment, or this earlier one, or this article). I would even go so far as to say that it was egged on by some in Washington: the neocons.

    # Third, our claims to have the moral high ground are totally ridiculous and need to be fought, hard. This is not about democracy vs dictature, brave freedom lovers vs evil oppressors, but a nasty brawl by power-hungry figures on both sides, with large slices of corruption. The fact that this is turned into a cold-war-like conflict between good and evil is a domestic political play by some in Washington to reinforce their power and push certain policies that have little to do with Russia or Georgia. That needs to be understood.

    The reason the current conflict is not about the oil is because, now that the pipeline is built, that game is, in effect, over. Now, the only thing that could stop the flow of oil is, other than localised attacks (like the one conducted by the Kurds, something that has long been expected, and which was mitigated by building the pipeline on a route that avoids kurdish territory) would be for Russia to actually invade all of Georgia and physically take control of the pipeline, ie an outright act of war not just against Georgia, but also against the US.

    The reason for that is that, as part of the process to put in place the pipeline, Georgia invited the US military to set up a base on its territory, near the route of the pipeline. Thus, any attack on the pipeline by Russia would become an attack on the USA. — Georgia: oil, neocons, cold war and our credibility, by Jerome a Paris.

  4. Russia, China End Decades-Long Border Dispute, in World Politics Review.

OAM 413 11-08-2008 15:11

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s