Eurasia adiada – 2

O regresso da Rússia

12-08-2008 10:15. O Presidente russo Dmitri Medvedev anunciou hoje a decisão de pôr fim à operação russa na Geórgia, segundo as agências de notícias russas.

“O objectivo da operação, de impor a paz, foi cumprido. A segurança das tropas de paz e de cidadãos russos está garantida”, adiantou Medvedev, segundo a agência russa Interfax.

Medvedev fez o anúncio durante uma reunião com o ministro da Defesa, Anatoli Serdiukov, e o Chefe do Estado-Maior do exército russo, Nikolai Makarov. “O agressor sofreu baixas significativas. As suas forças armadas estão desorganizadas”, explicou. — Expresso.

A Rússia deu por terminada a sua acção de defesa da independência, mais do que histórica e justificada, da Ossétia do Sul. Após a saída airosa dos americanos de um teatro por eles desenhado e de uma guerra suja por eles provocada, e depois dos protestos hipócritas da NATO e do gatinhar ridículo da União Europeia, o garnisé de Paris teve oportunidade de exibir uma vez mais a sua inócua pequenez.

Os Estados Unidos, Israel e a NATO instigaram os idiotas que dirigem os destinos da Geórgia a desencadearem um genocídio na Ossétia do Sul (e Abcácia, caso a primeira ofensiva passasse impune), em nome dos interesses petrolíferos do Reino Unido, dos Estados Unidos, de Israel, do Japão, da Turquia, da França e da Itália. Ou seja, em nome dos accionistas do pipeline conhecido por BTC, que liga Baku (capital e maior porto do Azerbeijão, no Mar Cáspio) ao porto turco de Ceyhan, passando pela capital georgiana Tbilisi (Tíflis, em russo). O tiro saiu-lhes inesperadamente pela culatra. Pior do que isso: a União Europeia fica, a partir desta exposição ao ridículo, numa posição extremamente frágil perante, não apenas a Rússia, mas sobretudo face à generalidade dos países que há exactamente 17 anos, perante a implosão da União Soviética, acreditaram que a Europa e o “mundo livre” lhe trariam mais pão, saúde, felicidade e paz. O que estes povos hoje sabem é que perderam tudo o que de bom a União Soviética lhes dera (emprego, educação, saúde e paz), e do Ocidente livre e democrático apenas receberam a destruição das suas economias, emigrações em massa, estados e governos inteiramente corruptos e agora, à medida que a União Europeia definha e entra num longo período de recessão, leis punitivas contra os imigrantes, xenofobia, desemprego estrutural, inflação, desmantelamento das leis sociais e super-exploração. Saudades do império soviético? Não diria tanto. Mas a saudade de uma grande Rússia, politicamente moderna, próspera, militarmente renovada, ávida de gente nova que reponha os seus depauperados níveis demográficos, certamente! Ora essa grande Rússia sabe que tem pouco mais de uma década para se realizar. O sinal da Ossétia pode muito bem ser o início de uma viragem decisiva nas relações entre a Rússia e os países vizinhos, que da União Europeia só podem esperar más notícias, enquanto da Rússia podem ambicionar quase tudo, a começar por uma nova cultura de liberdade. Se Berlim e Paris desperdiçaram uma vez mais a possibilidade de liderar a Eurásia, pois que sejam os Russos a fazê-lo. Para nós, portugueses, é uma excelente oportunidade para nos virarmos de novo para o mar!

A disputa em torno dos preciosos recursos petrolíferos do Médio Oriente, com particular destaque para o Iraque, o Curdistão, o Irão e a vasta região do Mar Cáspio tem-se vindo a agravar desde a primeira invasão do Iraque pelo pai do actual presidente dos Estados Unidos.

Vistos à distância, todos os conflitos que se lhe seguiram, nomeadamente na Palestina (onde Israel tem procurado reduzir a pó, de forma criminosa, qualquer possibilidade de criação e reconhecimento internacional de um estado Palestiniano), formam o padrão cada vez mais claro de uma guerra global que, a qualquer momento, poderá derivar para uma III Guerra Mundial. A diferença entre guerra global e guerra mundial é, na minha perspectiva, a seguinte: enquanto uma guerra global é, no essencial, uma guerra de proxis, feita de episódios sucessivos e/ou simultâneos de guerra convencional, e assimétrica, onde os principais protagonistas utilizam exércitos, forças irregulares e países terceiros para prosseguirem um grande jogo estratégico, a guerra mundial envolve directamente os protagonistas numa confrontação maciça dos respectivos povos, economias e arsenais bélicos.

A tentação americana, inglesa e israelita é seguramente a de precipitar a passagem da guerra global em curso para uma guerra mundial. O problema é que uma tal decisão implicará necessariamente o uso de armas nucleares. As guerras não se ganham no ar, a menos que o terror nuclear entre em acção. É por isso que os americanos não ganharam o Vietnam, não ganharam o Iraque e não irão ganhar o Afeganistão. O mesmo é verdade para a tentativa sionista de erradicar os povos da Palestina. Para ganhar uma guerra convencional são necessárias forças terrestres de combate e de ocupação prolongada. Se os países definidos como inimigos forem países populosos, como a Rússia, ou a China, então o problema torna-se praticamente insolúvel, salvo se for aplicada uma qualquer “solução final”! Ora, também por questões de ordem demográfica, já para não falar das motivações morais, o Ocidente perderia qualquer guerra mundial por si desencadeada. Isto é verdade hoje, e será uma evidência esmagadora daqui a dez ou quinze anos. Assim sendo, se existe empate técnico no grande jogo de estratégia em curso, a única alternativa decente é começarmos a pensar no mundo como uma entidade única, cujos desafios a todos dizem respeito e só poderão ser resolvidos na base de princípios inovadores e activos de harmonia e cooperação. Talvez seja a hora de trocar Carl von Clausewitz por Confúcio.


REFERÊNCIAS

Reportagens televisivas que não verá na subserviente televisão portuguesa (pelo menos enquanto durar a crise)

Embaixador russo denuncia apoio americano à aventura militar da Geórgia

Os Estados Unidos terão apoiado a operação militar da Geórgia contra a auto-proclamada república separatista da Ossétia do Sul que provocou a intervenção do exército russo. A informação é avançada pelo embaixador russo junto da ONU, Vitaly Tchurkine. — RTP.

Rússia rejeita as criticas por parte da OTAN em relação à operação militar

11-08-2008. A Rússia considera que a OTAN , com sua experiência de bombardeiros na ex-Jugoslávia, é o organismo menos adequado para criticar a operação russa de imposição da paz na Ossétia do Sul. O secretário geral da Aliança Jaap de Hoop Scheffer, destacou ontem que a Rússia “violou a integridade territorial da Geórgia e usou Força militar enorme” no território da Ossétia do Sul.

“Estamos dispostos a escutar a opinião das entidades defensora dos direitos humanos mas não a de um bloque militar”, diz uma nota emitida por representação permanente perante a Aliança. Se a OTAN se empenha em ensinar a Rússia, ela “irá obrigada a recordar-lhe o suposto sentido da medida à hora de usar a força contra o povo e Exército da Sérvia , quando os benefícios democráticos se levavam mediante a destruição dos cidades sérvios , bombardeiros de Belgrado, liquidação de pontos e outras infra-estruturas do país”.

Na noite entre 7 e 8 agosto as tropas georgianas invadiram a autoproclamada república da Ossétia do Sul e bombardearam com artilharia a capital, Tsikhinvali, quase destruindo totalmente a cidade, causando mais de 2 mil vítimas mortais e mais de 30 mil refugiados. Para defender a população , a maioria da qual é da cidadania russa , o contingente russo de paz , com ajuda do 58 Exército e outras tropas efetuou as ações militares adequadas. — Pravda.

Putin: Promotor deve investigar crimes de guerra

08/11/2008. Na sua reunião com Presidente Dmitry Medvedev no Domingo, o Primeiro-ministro da Federação Russa, Vladimir Putin, disse que o Promotor da Justiça deve investigar os crimes de guerra perpetrados pelo lado georgiano em Ossétia Sul, onde 40.000 civis foram forçados a fugir das suas casas e onde cerca de 2.000 foram chacinados pelo bombardeamento georgiano e acções de limpeza étnica. — Pravda.

Contextualizando o conflito Rússia-Geórgia

O governo mafioso da Geórgia, apoiado e armado pelo imperialismo estado-unidense, agrediu dia 8 de Agosto a República da Ossétia do Sul. Este conflito tem implicações sérias para o oleoduto Baku-Tíflis-Ceyhan (BTC), que transporta petróleo do Cáspio para mercados ocidentais. O BTC custou US$3 mil milhões e é possuído em 30% pela British Petroleum (1).

A Geórgia tem um papel importante na geopolítica dos pipelines. O país, em si próprio não tem reservas significativas de petróleo ou de gás natural. No entanto, o seu território é uma peça chave para o escoamento da produção da Bacia do Cáspio. Na verdade, é o único caminho prático que evita tanto a Rússia como o Irão.

Os 1770 km do oleoduto BTC entraram em serviço há apenas um ano. Através dele são bombeados diariamente mais de 1 milhão de barris, desde Baku (no Azerbaijão) até Yumurtalik (na Turquia). Ali é carregado em super-petroleiros a fim de ser transportado para os EUA e a Europa. Cerca de 249 km da rota do BTC passa através da Geórgia e parte dele, apenas 55 km, na Ossétia do Sul.

O Ocidente, os EUA em particular, atiçaram a guerra regional. A cimeira da NATO em Bucareste, este ano, pressionou a Geórgia e a Ucrânia a aderirem à Aliança. A medida foi bloqueada por países europeus mas a NATO comprometeu-se a oferecer aos dois países a condição de membro da Aliança numa fase posterior. Esta oferta foi encarada por Moscovo como um desafio. Desde então a Rússia tornou claro, por atitudes e acções, que fará tudo o que estiver ao seu alcance para impedir a expansão da NATO nos seu flanco Sul.

O conflito tem implicações sérias para o relacionamento da Rússia com os EUA e o Ocidente em geral. O conflito pode propagar-se à Abkhazia, que pretende separar-se da Geórgia. Tanto a Ossétia do Sul como a Abkhazia têm mais razões para se tornarem repúblicas independentes do que o “país” que a NATO criou artificialmente no Kosovo.

Após a intervenção da Força Aérea russa e do bloqueio naval à Geórgia, iniciado a 10 de Agosto pela frota russa do Mar Negro, o agressor georgiano apressou-se a pedir um cessar fogo. O bloqueio naval destina-se a impedir a Geórgia de receber mais armamento dos países da NATO. Por outro lado, aviões russos bombardearam a base militar de Vazania, no arredores da capital georgiana e próxima do oleoduto BTC e a frota russa do Mar Negro bombardeou o terminal petrolífero do porto de Poti.

[1] Os accionistas do BTC Co. são: BP (30.1%); AzBTC (25.00%); Chevron (8.90%); Statoil (8.71%); TPAO (6.53%); Eni (5.00%); Total (5.00%), Itochu (3.40%); INPEX (2.50%), ConocoPhillips (2.50%) e Amerada Hess (2.36%). (fonte: BP) — Pravda.

War in the Caucasus: Towards a Broader Russia-US Military Confrontation? By Michel Chossudovsky

During the night of August 7, coinciding with the opening ceremony of the Beijing Olympics, Georgia’s president Saakashvili ordered an all-out military attack on Tskhinvali, the capital of South Ossetia.

The aerial bombardments and ground attacks were largely directed against civilian targets including residential areas, hospitals and the university. The provincial capital Tskhinvali was destroyed. The attacks resulted in some 1500 civilian deaths, according to both Russian and Western sources. “The air and artillery bombardment left the provincial capital without water, food, electricity and gas. Horrified civilians crawled out of the basements into the streets as fighting eased, looking for supplies.” (AP, August 9, 2008). According to reports, some 34,000 people from South Ossetia have fled to Russia. (Deseret Morning News, Salt Lake City, August 10, 2008)

… Let us be under no illusions. This is not a civil war. The attacks are an integral part of the broader Middle East Central Asian war, including US-NATO-Israeli war preparations in relation to Iran.

… Russian forces are now directly fighting a NATO-US trained Georgian army integrated by US and Israeli advisers. And Russian warplanes have attacked the military jet factory on the outskirts of Tbilisi, which produces the upgraded Su-25 fighter jet, with technical support from Israel. (CTV.ca, August 10, 2008)

When viewed in the broader context of the Middle East war, the crisis in Southern Ossetia could lead to escalation, including a direct confrontation between Russian and NATO forces. If this were to occur, we would be facing the most serious crisis in US-Russian relations since the Cuban Missile crisis in October 1962. — in Global Research.

In Russia-Georgia Conflict, Balkan Shadows, By Robert McMahon

August 11, 2008. Circumstances in two separatist Georgian border regions—South Ossetia in the north and Abkhazia in the northwest—brought Russia and Georgia into open conflict (RFE/RL) this month. Yet beyond the immediate triggers, some analysts see two international developments in the past six months as major catalysts for Russia’s biggest military campaign outside its borders since the fall of the Soviet Union. And the fighting could have consequences far beyond Georgia’s borders for the West and Russia.

The first catalyst was recognition of Kosovo’s February declaration of independence (NYT) by the United States and European powers. Vladimir Putin, then Russia’s president and now its powerful prime minister, had warned for years of the danger of recognizing Kosovo without Serbia’s agreement. After it occurred, James Traub writes in the New York Times, “Mr. Putin responded by leveling a blow at America’s Caucasus darling.” Putin set in motion moves to recognize South Ossetia and Abkhazia, and stepped up patrols of Russian forces—ostensibly peacekeepers—in those regions. Russia expert Dmitri Simes of the Nixon Center told a CFR meeting late last year that Western recognition of Kosovo would have to be followed by a “quid pro quo in the Caucasus or where we are [is] a new era in international relations” between Russia and the West.

Now, just days into Russia’s offensive, writes the Financial Times’ Quentin Peel, the events in Georgia have become “Russia’s Kosovo,” including Russian portrayals of President Mikheil Saakashvili as a dangerous rogue in the mold of Serb leader Slobodan Milosevic. An analysis from the Russian news agency RIA Novosti described Saakashvili as unstable but a master propagandist. Soon after fighting broke out in South Ossetia, Russian Foreign Minister Sergei Lavrov was voicing concern over Georgian “ethnic cleansing (Reuters)” of the region, conjuring a term from 1990s Bosnia and Kosovo.

A second international catalyst for Russia’s offensive in Georgia was a decision at NATO’s Bucharest summit in April. The alliance, in a bow to Russia, declined to consider Georgia and Ukraine right away for a Membership Action Plan, or MAP. But a NATO statement pledging to reconsider the two countries’ bids in December infuriated the Kremlin (FT). Russia followed that decision by stepping up moves to upgrade its relations with the two breakaway Georgian regions, which it already provided with crucial economic support. Analysts have linked the strong Russian reaction with a growing feeling of isolation as countries on its periphery join Western institutions. That is now coupled with newfound Russian “prosperity and self-confidence and geopolitical entitlement” that give it an opportunity to reverse this trend, says CFR Senior Fellow Stephen Sestanovich in a new interview.

… Much depends on whether the August military campaign represents a turning point for Russian foreign policy. Former top Clinton administration officials Ronald D. Asmus and Richard Holbrooke write that this moment could be the end of an era (WashPost) in Europe when “spheres of influence were supposed to be replaced by new cooperative norms.” CFR Adjunct Fellow Jeffrey Mankoff’s recent profile of Russia’s foreign policy elite notes that the “neo-imperialist” camp, keen for Russia to challenge the West for leadership, appears well positioned to grow in influence. — in Council on Foreign Relations.

Russia marks its red lines, By F William Engdahl

August 13, 2008. What is playing out in the Caucasus is being reported in the United States media in an alarmingly misleading light, making Moscow appear the lone aggressor after it sent troops into the breakaway Georgian region of South Ossetia following a Georgian offensive on that territory.

The question is whether President George W Bush and Vice President Dick Cheney are encouraging Georgian President Mikheil Saakashvili to force the next US president to back the North Atlantic Treaty Organization (NATO) military agenda of the current Bush administration. Washington may have badly misjudged the possibilities, as it did in Iraq, and there are even possible nuclear consequences.

The underlying issue is the fact that since the dissolution of the Warsaw Pact in 1991, one after another former member as well as former states of the Soviet Union have been coaxed and in many cases bribed with false promises by Washington into joining the counter organization, NATO.

Rather than initiate discussions after the 1991 dissolution of the Warsaw Pact about a systematic dissolution of NATO, Washington has steadily converted NATO into what can only be called the military vehicle of an American global imperial rule, linked by a network of military bases from Kosovo to Poland to Turkey to Iraq and Afghanistan. — in Asia Times Online.

US & Israel Created Georgia War With Russia, Bt Elaine Meinel Supkis

Georgia wishes to drag everyone into this business. The US is very tempted to join in because this means the military/industrial complex can make more money. The Iraqis and Afghanis are not armies, they are civilians fighting the US military death machine. But RUSSIA can shoot down our jets, sink our ships and do other massive damage! Whoopee for our Daddy Warbucks from Cheney on down! They rub their hands with glee. This will be an übermassive opportunity to make big bucks. Forget the nickel and dime business of building crummy structures in Iraq with bad wiring and flimsy doors! Just one jet shot down and the stock for Boeing will go through the roof! Imagine that.

The idea this can launch WWIII and end up with all of us dead doesn’t occur to these monsters licking their chops over the idea of the US plunging deep into a very destructive war! They only see the profits. – in Elaine Meinel Supkis, “War and Peace”.


OAM 414 12-08-2008 14:06 (última actualização 13-08-2008 10:24)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s