Eurasia adiada – 3

Afinal, um Irão nuclear até dava jeito!

Jul 30, 2008
Russia takes control of Turkmen (world?) gas
By M K Bhadrakumar

From the details coming out of Ashgabat in Turkmenistan and Moscow over the weekend, it is apparent that the great game over Caspian energy has taken a dramatic turn. In the geopolitics of energy security, nothing like this has happened before. The United States has suffered a huge defeat in the race for Caspian gas. The question now is how much longer Washington could afford to keep Iran out of the energy market.

Gazprom, Russia’s energy leviathan, signed two major agreements in Ashgabat on Friday outlining a new scheme for purchase of Turkmen gas. The first one elaborates the price formation principles that will be guiding the Russian gas purchase from Turkmenistan during the next 20-year period. — in Asia Times.

Este artigo é particularmente oportuno para entender a crise militar, ou melhor, a guerra em curso na Geórgia e na Ossétia do Sul. Eu escrevera já que o braço de ferro no Médio Oriente e no Mar Cáspio, tal como as guerras no Afeganistão e no Iraque, ou a ameaça ao Irão, têm única e exclusivamente que ver com as reservas estratégicas de petróleo e gás natural existentes naquela vasta região.

Ao contrário do que pensam Nuno Rogeiro e muitos outros comentadores de televisão mal preparados, os jogos de estratégia não são passatempos para jornalistas e jogadores de Playstation, mas instrumentos complexos destinados a obter resultados práticos de política nacional. No caso, e pelo menos desde o princípio do século 20, a definição dos poderes dominantes mundiais fez-se essencialmente à custa do domínio militar das principais zonas petrolíferas do planeta e respectivas rotas de acesso. O Grande Jogo, há muito proposto por Brzezinski, não fala de outra coisa, ainda que sob a capa da integração pacífica da Rússia numa Eurásia pró-atlântica e pró-americana com o seu centro de gravidade na Europa Ocidental.

Perante o ascenso da China e da Ásia em geral, a visão do polaco-americano faz sentido.

Só que a realização efectiva de um tal desiderato pressupõe a existência de uma verdadeira Europa, cujo vórtice não poderá deixar de estar no eixo Paris-Berlim, ainda que secundado por um reforçada aliança atlântica, protagonizada, do lado europeu, por países como o Reino Unido, Espanha e Portugal. Os neo-cons, por julgarem poder operar toda a estratégia a partir e no interesse exclusivo de Washington, dispensaram e sabotaram mesmo a União Europeia, usando o Reino Unido como seu cão de fila, e Javier Solana, espécie de cadáver adiado do Tratado de Lisboa, como proxy dissimulado das suas intenções.

Há quem lute ainda pela Agenda de Lisboa. Mas a lentidão do processo é tal, que corre o risco de implodir perante o relógio da História. Paradoxalmente, o artigo de Bhadrakumar permite extrair uma ilação imprevista: seria agora do interesse da Europa Ocidental e dos próprios Estados Unidos recuperar o Irão para sua órbita de simpatia. Aliás, é do interesse europeu e americano, não apenas permitir, como mesmo estimular a rápida transformação do Irão numa potência nuclear, desde que, ao mesmo tempo, claro, a Europa se decida de uma vez por todas a desenvolver um sistema de forças adequado ao século 21!

Este debate foi aberto no grupo Democracia Virtual por JMS. Se estiver interessado em aprofundar a discussão, bata à porta do grupo de discussão. Se vem por bem, será bem-vindo😉

OAM 419 14-08-2008 12:55

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s