Portugal 44

Intensidade energética e declínio

A mais completa prova estatística de que a obsessão por auto-estradas e automóveis foi a pior escolha estratégica que Portugal alguma vez poderia ter feito está nesta insuspeita página da OCDE, de 17 de Abril de 2007.

Lendo com atenção este exaustivo repositório da OCDE sobre a intensidade energética (IE) da economia portuguesa conclui-se sem margem para dúvidas que temos vindo a piorar desde 1971 relativamente a todos os países do mundo, e não apenas face aos nossos parceiros da União Europeia.

Em todo o mundo, excepto Portugal, há um esforço visível para diminuir a intensidade energética das economias — isto é, a quantidade de energia primária necessária para produzir uma unidade de Produto Interno Bruto (PIB). Brasileiros, holandeses, mexicanos, polacos, americanos ou chineses, todos, menos nós, procuram tornar as suas economias mais eficientes, começando, claro está, por racionalizar, em nome dos respectivos interesses nacionais, os seus sistemas de transportes, as suas matrizes energéticas e as suas políticas de endividamento público e privado. O caso lusitano, porém, é dramático e ridículo ao mesmo tempo.

Sem outra alternativa que não seja importar 90% da energia que consome, nenhum governo se lembrou até agora de poupar, a não ser na população activa, que alegremente exporta para Espanha, Reino Unido, Suiça, Noruega, etc., ou nos salários dos mais pobres e remediados. A proliferação de novos bairros de exclusão social e étnica, onde a violência cresce diariamente, vem aliás mostrar os resultados previsíveis de um desenvolvimento económico que em vez de ter apostado no crescimento consolidado dos recursos, das realizações e das expectativas, preferiu promover uma economia de clientelas, especulativa, informal, corrupta e irresponsável.

Nisto se perderam exactamente 33 preciosos anos. Agora, com a recessão americana e europeia a destruir boa parte dos expectáveis efeitos favoráveis do último quadro comunitário de apoio (2007-2013), e a aproximação vertiginosa dos efeitos catastróficos do pico petrolífero e do aquecimento global, que nos resta?

Para já, uma democracia distorcida e um país desamparado, cuja classe política, incapaz de pensar ou dizer o que pensa, pouco pode oferecer. Um punhado de jovens socialistas, verificada que foi a inutilidade da esperança depositada em Manuel Alegre, publicitou no Expresso a sua manifesta oposição à escandalosa desfiguração neoliberal do PS. Alberto João Jardim ensaiou, da pacata praia de Porto Santo, lançar um Grito do Ipiranga a favor de um partido nacional federalista (ou será que disse regionalista?), depois das próximas eleições para a Assembleia da República. São sinais claros do fim de um regime, ou pelos menos de um ciclo partidário cuja recomposição se fará no quadriénio 2009-2013, se não antes. A actual crise constitucional em volta das declarações de Carlos César e do populismo parlamentar dominante pode agravar-se. Se tal ocorrer, então teremos certamente mais partidos a disputar as legislativas de 2009. No fundo, ganhar-se-ia tempo, que é o bem mais escasso em épocas de crise.

Voltemos, para já, ao problema da falta de uma visão adequada à transição de paradigma energético em curso, e à falta de um modelo de mobilidade adequado às energias do futuro.

Em Portugal, os transportes levam 36% de toda a energia consumida. Por sua vez, 90% desta energia vai direitinha para o transporte rodoviário. Ou seja, dependemos completamente da evolução dos preços do petróleo. Como o preço deste verdadeiro ouro negro deverá continuar a subir a uma média de 30% ao ano, adivinham-se consequências trágicas para o nosso país no decorrer dos próximos anos.

As tão badaladas barragens hidroeléctricas, decididas única e exclusivamente para transferir mais riqueza nacional para os bolsos de alguns conglomerados energéticos privados, ainda que sob pretextos cândidos (contribuir para a independência energética de Portugal!), acrescentarão apenas uns ridículos 3% à capacidade própria de produção de energia eléctrica, em nada contribuindo, por isso, para resolver os problemas energéticos existentes e que irão levar-nos ao colapso económico e social se não houver uma inversão de 180 graus na estratégia energética até agora promovida pelo bloco central do betão. O boicote dos camionistas foi apenas um pequeno e honesto aviso aos débeis timoneiros que afirmam governar o país.

As novas barragens hidroeléctricas ameaçam equilíbrios ecológicos, eventuais indústrias de turismo residencial de qualidade, e a paisagem, contribuindo marginalmente (3%) para o aumento da produção energética nacional. Por outro lado, além de não criarem nenhum emprego estável local, destroem as economias existentes e provocam assinaláveis perdas na biodiversidade regional. Espero sinceramente que as populações e os políticos das zonas abrangidas acordem a tempo de evitar mais este atentado histórico às suas cada vez mais preciosas autonomias económicas, sociais e culturais.

As energias eólica e solar voltaica são uma boa decisão, mas é preciso ver quem faz o quê, como, por que preço e a favor de que dono. A tão propalada maior central solar do mundo, a da Amareleja, além de não ser tal quando estiver concluída, começou por ser uma iniciativa do alcaide de Moura, mas hoje é um negócio 100% pertencente à empresa espanhola ACCIONA, que por sua vez, para conseguir fornecer os necessários painéis foto-voltaicos a tempo, teve que os importar da China! Que falhou neste negócio? A banca portuguesa? A célebre classe empresarial lusitana? Ou simplesmente a pressa de Manuel Pinho? Alguém falou com os alemães (maior produtor europeu de energia foto-voltaica) sobre o assunto? Gostaria de saber.

O programa de eficiência energética em curso é uma boa ferramenta para mitigar o sério problema energético que se avizinha. No entanto, peca por tardio e por andar embrulhado numa teia burocrática ao serviço de clientelas partidárias e empresariais indígenas, obscura, trapalhona, e cujo resultado palpável é a execução lenta do mesmo.

Os biocombustíveis roubam terra arável necessária à produção de alimentos e não resolvem o problema da extrema dependência petrolífera dos transportes rodoviários. Além do mais, andam de mão dada com o lóbi nefasto dos Organismos Geneticamente Modificados (OGM), imprescindíveis à rentabilidade das explorações agro-energéticas. Resumindo: os biocombustíveis não resolvem o problema energético de nenhum pequeno país e ameaçam a independência alimentar dos que os acolhem.

Mais auto-estradas, em vez das “autovías” que existem há muito em Espanha, apenas contribuirão para aumentar o insustentável fluxo de tráfego rodoviário existente, prejudicando decisivamente as possibilidades de o esforço orçamental do país ser reencaminhado para onde mais falta faz, menos nódoa ambiental causa, e é mais reprodutivo: o transporte ferroviário e o transporte marítimo-fluvial.

As cidades aeroportuárias e em geral a desmiolada política aeroportuária deste governo ficará bem patente quando José Sócrates inaugurar o novo aeroporto de Beja. A indústria aeronáutica está perante um verosímil cenário de colapso, do qual a TAP dificilmente se salvará. Ou seja, na dúvida, construir uma cidade aeroportuária e um novo aeroporto intercontinental em Lisboa para 2015 ou 2017, é daquelas decisões que qualquer político, mesmo idiota, adiaria para as calendas gregas. Vamos ver o que ocorre na aldeia lusitana.

Finalmente, em vez de TGVs (ou AVEs), do que precisamos é de um novo plano ferroviário urgente, pensado, desenhado e construído com pés e cabeça. O maior desafio de Portugal nos próximos 20 anos é este: FAZER A TRANSIÇÃO ENERGÉTICA DE UMA TARDIA ECONOMIA DE CONSUMO PARA UMA NOVA ECONOMIA DE PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL.


OAM 422 20-08-2008 01:40

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s