Portugal 56

O polvo começa a sair da toca

Dias Loureiro e Jorge Coelho accionistas de gestora de um fundo financiado por fraude ao IVA

05.12.2008 – 20h43 (Público) Manuel José Dias Loureiro e Jorge Coelho são accionistas da Valor Alternativo, uma sociedade anónima gestora que administra e representa o Fundo de Investimento Imobiliário Valor Alcântara, que foi constituído com imóveis adquiridos com o produto de reembolsos ilícitos de IVA, no montante de 4,5 milhões de euros. A Valor Alternativo e o Fundo Valor Alcântara têm a mesma sede social, em Miraflores, Algés, e os bens deste último já foram apreendidos à ordem de um inquérito em que a Polícia Judiciária e a administração fiscal investigam uma fraude fiscal superior a cem milhões de euros.

Dias Loureiro, actual Conselheiro de Estado e ex-administrador de empresas no grupo Banco Português de Negócios, possui 30,5 por cento do capital da sociedade, através da DL Gestão e Consultores e Jorge Coelho, ex-dirigente do PS e ex-ministro, detém 7,5 por cento através da Congetmark. O accionista maioritário da Valor Alternativo é Rui Vilas, com 62 por cento. Vilas trabalhou na Fincor, a corretora que criou o Banco Insular em Cabo Verde e que foi comprada no início da década pelo Banco Português de Negócios.

Contactado pelo PÚBLICO, Jorge Coelho afirma que aquela é uma “mera participação financeira”, desconhecendo tudo o que acontece na empresa. O contacto com Dias Loureiro não foi possível, até ao momento. Entretanto, a sociedade gestora enviou ao PÚBLICO um comunicado onde descreve os passos judiciais deste caso.

Zangam-se as comadres, descobrem-se as verdades. Mais um provérbio adequado ao tempo que passa. No fundo, é uma geração pronta para um reforma antecipada, dando lugar a outra. A euforia do Bloco Central acabou. O país está criticamente endividado. Os políticos comportam-se como inimputáveis. Resta, pois, o espectáculo fratricida proporcionado por uma certa geração de ricos e poderosos. Mas como sempre ocorre, a queda de uns é a oportunidade esperada de outros. Neste caso, de uma geração mais nova de empresários, igualmente ambiciosa, mas porventura mais sofisticada e melhor preparada em matéria de cultura e ética empresariais.

Alguém perguntava, num telejornal de ontem, que raio de Fabianismo levaria a Mota-Engil a perder dinheiro nas minas de Aljustrel, cuja exploração fora interrompida na sequência da queda brutal dos preços das matérias primas? O fiasco era por demais evidente e revelava de forma dramática a imprevidência e ligeireza do actual governo. Era pois preciso fazer alguma coisa, e depressa. O bombeiro da Mota-Engil fez então a sua aparição. É caso para dizer: amor com amor se paga! Não se esqueçam do Jorge! O Natal está à porta!

OAM 487 06-12-2008 00:14

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s