Portugal-Angola

Boas notícias

CGD e Sonangol criam banco comum

09-03-2008 (Diário de Notícias) — Parceria luso-angolana. No âmbito da visita oficial de José Eduardo dos Santos a Portugal, os dois países vão intensificar as relações financeiras, criando um banco luso-angolano. Os accionistas avançam com um capital de 800 milhões de euros

Capital detido a 50% por cada um dos accionistas

A Sonangol e a Caixa Geral de Depósitos (CGD) vão criar em conjunto um banco luso-angolano. Com base nesta parceria, as duas instituições serão accionistas (50% do capital para cada uma) de um banco universal, que terá especial enfoque na banca de investimentos e possuirá um capital social inicial de mil milhões de dólares (cerca de 800 milhões de euros).

… Através das formas jurídicas adequadas de direito angolano, a futura instituição criará entidades de investimento, que irão apoiar e participar em projectos de desenvolvimento da economia angolana. Segundo as mesmas fontes, será dada preferência a iniciativas promovidas por entidades empresariais angolanas, portuguesas ou parcerias luso-angolanas.

A política externa e a diplomacia económica são o melhor deste governo PS. E salvo opinião contrária, ou alguma surpresa desagradável (que não vislumbro), a notícia da criação de um novo banco de investimento, fundado em partes iguais pela Caixa Geral de Depósitos e pela Sonangol, é uma boa notícia, e é sobretudo um sinal de que a individuação estratégica do nosso país vai no bom sentido, ou pelo menos no sentido que eu e certamente a maioria dos atlantistas há muito defendem. O Atlântico é o nosso espaço vital, sobretudo porque é na triangulação entre o Brasil, a Venezuela, Portugal, Angola e o Golfo da Guiné que reside a real possibilidade da Comunidade de Língua Portuguesa emergir a médio prazo como um novo e importante actor mundial. Há problemas de direitos humanos, de democracia, de corrupção em todos estes países? Pois há! Mas já pensaram no que os respectivos movimentos de cidadania contaminados em rede poderão fazer pela melhoria civilizacional destes povos, e na marca que poderão ajudar a criar no quadro de uma globalização mais justa e prudencial que venha a suceder ao colapso estrondoso da pirataria neoliberal?

Hoje acordei bem-disposto😉


Post scriptum
— Ou muito me engano, ou já não será preciso nacionalizar o BCP, cujas acções não param de cair. O novo banco de investimento encarregar-se-à de o papar brevemente — até porque a Caixa, que realizou nos últimos anos uma série de operações altamente especulativas e de duvidosa legitimidade, está sem dinheiro. E sem dinheiro deixa de poder amparar o projecto financeiro da tríade, e de continuar a comprar acções ao BCP.


BCP quer vender-se ao BBVA
Esta tinha-me escapado!
Em Janeiro (28), e cito o Diário de Notícias online:

Depois da ‘guerra’ de 2007, um grupo de accionistas do BCP tenta resolver o ‘buraco’ de 2 mil milhões de euros, ou seja, as imparidades que provocaram junto de alguns bancos portugueses. A meta é vender ao BBVA, mas o banco espanhol só admite a hipótese com o aval das autoridades…

Um grupo de accionistas do Banco Comercial Português (BCP) está a tentar convencer o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria (BBVA) a comprar o conjunto das suas participações no banco, que perfaz actualmente cerca de 25% do capital.

Segundo o DN apurou, estes accionistas – onde se inclui a Teixeira Duarte, Joe Berardo, Manuel Fino, o Banco Privado Português (BPP), a Moniz da Maia, a Logoplaste, a Têxtil Manuel Gonçalves e João Pereira Coutinho – terão contraído empréstimos junto da banca portuguesa para comprar acções do BCP, nomeadamente durante a “guerra” para o controlo do banco em 2007.

… Só a CGD contará com imparidades entre mil e 1,2 mil milhões de euros.

… Os accionistas vendedores (que esperam a adesão de outros accionistas) estão a contar com a negociação da operação a um preço de 1,8 euros por acção.

Espanhóis e angolanos fizeram bem em esperar. E se esperarem mais umas semanas vão poder comprar o BCP por 1 euro!

A Caixa está pois a arder em mais de mil milhões de euros — fora o que já enterrou no BPN e no BPP! A alternativa, portanto, é criar um banco luso-angolano que fique com o espólio, os balcões e a carteira de clientes dos bancos falidos (BCP, BPN, BPP). Deve ser isto que o José Eduardo dos Santos veio realmente fazer a Portugal. Entretanto, vamos ver se esta operação relâmpago vai ou não conduzir à formação da próxima incubadora da tríade de Macau… Lindo: o PS será o partido da grande burguesia parasitária do Estado, e o PSD fica, enfim e apenas, com as PMEs!

OAM 551 09-03-2009 10:47 (última actualização: 10-03-2009 01:00)

One response to “Portugal-Angola

  1. Caro ACP.Em comemoração da vinda do EDU a terras Tugas, as acções do BCP vão-se em esforço manter-se.Qdo voltar para o sitio de onde veio, a festa acabou-se, e depois volta-se ao que ontem Medina Carreira vem dizendo.ARuiPS. Em dias de festa, não se olham a despesas. ;D

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s