Africa minha

Grupo de estudantes de música esperam pela chegada do Papa ao aeroporto de Luanda. Foto: João Silva para o New York Times (pormenor).

A mensagem africana do Papa alemão

NEW YORK, 11 March 2009 (UN Population Division/DESA) – World population is projected to reach 7 billion early in 2012, up from the current 6.8 billion, and surpass 9 billion people by 2050, reveals the 2008 Revision of the official United Nations population estimates and projections, released today.

(…) The urgency of realizing the projected reductions of fertility is brought into focus by considering that, if fertility were to remain constant at the levels estimated for 2005-2010, the population of the less developed regions would increase to 9.8 billion in 2050 instead of the 7.9 billion projected by assuming that fertility declines. That is, without further reductions of fertility, the world population could increase by nearly twice as much as currently expected. (PDF)

O Ocidente branco, dominante, cristão e burguês está a transformar-se num asilo de gente idosa, inactiva e angustiada, ancorado em tecnologias à beira do colapso energético (1), e dirigido por uma elite frívola, corrupta e mimada por décadas de bem-estar.

Uma das causas desta deriva suicida, ou talvez mesmo a principal causa desta impotência política dos governos ocidentais face ao fim anunciado daquele que foi o modelo de desenvolvimento dominante dos últimos 200 anos, é a incapacidade de proceder a uma auto-análise das limitações, sobretudo culturais. O modo como as boas consciências da Europa e dos Estados Unidos interpretam a corrupção, a fome ou o flagelo da SIDA em África é disso exemplo. A iliteracia cultural impede-as de ler as entrelinhas dos discursos do principal líder religioso do Ocidente. Bento XI disse até hoje, que me lembre, três coisas demasiado importantes para que as tomemos levianamente, como fazem os demagogos de esquerda e os oportunistas corruptos do centro e da direita:

  1. que a superioridade da religião cristã reside na fusão da sua matriz oriental com a racionalidade dialéctica inventada pelos gregos, e que portanto o Islão deveria compreender de uma vez para sempre as vantagens do diálogo platónico, sob pena de se auto-condenar a uma espécie de indigência civilizacional sem saída;
  2. que não haverá preservativos suficientes para impedir o crescimento explosivo da população africana, apesar dos efeitos redutores que o “sexo seguro” possa ter no controlo da epidemia da SIDA; por outro lado, se houver menos pobreza, menos corrupção e uma cultura sexual mais responsável, quer a demografia, quer as doenças sexualmente transmitidas poderão ser apropriadamente mitigadas;
  3. que as riquezas naturais de África não devem ser expropriadas, como são, para satisfazer o consumismo insaciável, a especulação capitalista, a corrupção, e os modelos energéticos condenados; a parte de leão dos lucros das indústrias extractivas e das agro-indústrias alimentares e energéticas que operam em África deve ser aplicada ao desenvolvimento justo de um continente que hoje tem a mais alta taxa de crescimento demográfico do planeta.

Claro que o Papa, como qualquer líder religioso ou político, fala por metáforas, mesmo quando diz coisas mediaticamente polémicas. No caso das grandes religiões, a linguagem obedece ao inevitável peso da tradição, mas também a uma sapiência acumulada ao longo de muitos séculos, de que não é fácil nem sequer aconselhável prescindir em nome de modas intelectuais passageiras. As religiões produzem uma prosódia própria, que não sendo menos fundamentada que a linguagem dos poderes políticos (o Vaticano conhece objectivamente África como ninguém), jamais deixa de imprimir no discurso mediático conjuntural a marca da crença, ou seja, o código genético cultural, o objectivo final e a estratégia que garantiram ao longo dos tempos a sua própria sobrevivência e oportunidade civilizacional.

Ora este papa tem a noção clara de que há uma missão a cumprir, da qual pode em boa parte depender a “salvação” do Ocidente. De certo modo, podemos estabelecer um paralelo entre o teólogo alemão que ocupa o topo da hierarquia da igreja católica e os papas que lidaram com o longo colapso do Império Romano e o avanço das tribos bárbaras, dos árabes e dos turcos sobre a Europa. Os países e os impérios fazem-se e desfazem-se à medida dos interesses territoriais, mas também de causas imperceptíveis, e seguindo uma espécie de fatalismo tectónico contra o qual é por vezes inútil lutar. João Paulo II partiu pedra na Europa durante várias décadas, com objectivo de levar a Europa a retomar o diálogo com a Rússia. Bento XVI parece sobretudo empenhado em fazer perceber aos europeus e americanos que a placa tectónica transatlântica está ameaçada e precisa de restabelecer-se, começando por religar as pontas de uma vasta tradição intercultural e linguística, em nome das bases negociais que hão-de, se houver juízo, determinar os novos equilíbrios geoestratégicos que se anunciam.

Há milénios que o Médio Oriente, zona de contacto e passagem entre a Europa, a África e o Extremo-Oriente, é o pomo da discórdia euroasiática. E há mais de um século que o é terrivelmente, sobretudo por causa das suas imensas jazidas de petróleo e gás natural.

O renascimento da China, que aprendeu muito com as Guerras do Ópio (1839-42; 1856-60), com as usurpações e ocupações japonesas (1894-95; 1937/45), e com o “socialismo num só país” de Mao Tze-tung (1949-76), leva hoje este gigante demográfico e económico até às portas do Irão. É também para lá que Obama caminha na esperança de sustar o avanço fulgurante da mole asiática sobre as declinantes sociedades ocidentais.

É provável que o Oriente e o Ocidente cheguem a um empate técnico depois do fracasso americano e europeu no Iraque e no Afeganistão. E assim como a Suíça foi durante muitos anos o cofre discreto das finanças mundiais, também agora o Médio Oriente, hegemonizado pelo Irão, poderá tornar-se —a contento de todos menos Israel, que deverá deixar de ser a manobra de diversão permanente da guerra pelo petróleo—, uma espécie de vila franca energética da humanidade. Resta apenas um grande e novo problema por resolver: África.

A Ásia é o maior dos sete continentes, o mais populoso e o que tem a mais alta densidade demográfica, ultrapassando mesmo largamente a da Europa (Ásia: 86,7 hab./Kmq; Europa: 69,7 hab./Kmq). África, por sua vez, tem uma densidade populacional de apenas 29,3 hab./Kmq, mas é o segundo maior continente do modelo a sete, quer em superfície, quer em população, e é aquele cuja demografia apresenta a mais elevada taxa de crescimento mundial. Em 2050 a Ásia terá mais 1 110 milhões de almas do que em 2009, i.e. um total de 5 231 milhões habitantes. Mas a África verá a sua população crescer em pelo menos 988 milhões de pessoas, i.e. para 1 998 milhões. A Europa, por sua vez, terá visto no mesmo período a sua população perder 41 milhões de pessoas!

Há aqui dois problemas óbvios: a China precisa de espaço e de recursos para a sua população, mas nem a Rússia parece disposta a ceder-lhe uma porção significativa do seu imenso território, nem a cidadania africana pode dar-se ao luxo de continuar a deixar fugir os seus recursos naturais, quando sabe que a população do seu continente quase duplicará até meados do século, equivalendo então tal acréscimo demográfico a quase cinco vezes a população actual do Brasil, e mais do que a população europeia e brasileira de hoje juntas!

O potencial de trabalho humano está onde estão as pessoas. No entanto, num modelo de desenvolvimento cujo objectivo é o crescimento contínuo assente em energias fósseis baratas, no uso de tecnologias mecânicas, eléctricas e electrónicas, e na dependência de recursos financeiros muito volumosos e de utilização intensiva, a balança estratégica dos países pende claramente para os principais detentores de recursos naturais, fundos soberanos e reservas de ouro.

Os países com vastos recursos naturais são geralmente também os mesmos que detêm ou vão constituir brevemente fundos soberanos importantes: Abu Dhabi, Noruega, Arábia Saudita, Kwait, Rússia, Canadá, Brasil… Outros, porém, detêm preciosas reservas monetárias em consequência sobretudo das suas exportações. É o caso da China, do Japão e da Coreia do Sul, entre outros. Finalmente, no que toca às reservas de ouro, detidas sobretudo pela União Europeia (12.737,6 ton.) e pelos Estados Unidos (8.133,5 ton.), a tendência é para a apreciação deste metal, que poderá voltar a ser uma referência para as moedas existentes, sobretudo se o dólar americano continuar a desvalorizar sem que em seu lugar apareça uma nova moeda ou cabaz estável de moedas de referência para o comércio internacional.

A China, o Japão e a Índia têm importantíssimas reservas financeiras e de trabalho barato(2) , mas não têm as matérias-primas de que necessitam para alimentar as suas altas taxas de crescimento. Os Estados Unidos têm níveis de consumo incompatíveis com os níveis astronómicos das suas dívidas. A União Europeia, apesar das medidas de mitigação da sua fragilidade energética, nomeadamente face à Rússia e ao Médio Oriente, depende dramaticamente de recursos naturais de que já não dispõe. A África, por fim, tem recursos naturais e financeiros potenciais que bastem, mas está desorganizada, sofrendo ainda os efeitos nefastos do secular colonialismo europeu, de que a corrupção das elites é tão só o caso mais visível.

Como se deduz das estatísticas demográficas, a África precisa, antes de qualquer prioridade moral ou cultural, de se organizar e de melhorar radicalmente os seus habitats e sistemas produtivos. Mas para aqui chegar terá que contar com uma urgente e gigantesca operação de recursos humanos direccionada para a formação e orientação local das pessoas, das comunidades e das profissões.

Chegados a este ponto, a minha pergunta é esta: como? Como reorganizar as sociedades africanas depois de tanto arbítrio e destruição?

A resposta que tenho é simples: promovendo o diálogo humano, o intercâmbio cultural e o uso intensivo das línguas comuns. E quais são os grandes idiomas unificadores e oficiais de África? Pois bem: o inglês, o francês, o português e o árabe. Não é nem o mandarim, nem o hindu, nem o russo, nem sequer o espanhol, e muito menos o alemão, o holandês, o sueco, o dinamarquês ou o italiano.

Com tanta capacidade cognitiva desperdiçada na Europa, seria de facto uma desgraça se não soubéssemos reorientar parte desse valor expectante para o continente africano, saldando dívidas passadas, mas também ajudando a desactivar a verdadeira bomba-relógio demográfica em que este continente se transformou.

Foi destas coisas que o Papa falou nos Camarões e em Angola. Será que perceberemos o alcance da mensagem, ou continuaremos aquém do que o alemão pontífice quis realmente dizer quando afirmou que os preservativos não são a solução de que África urgentemente precisa?

NOTAS

  1. As Warnings Grow Louder About Global Data Center Power Crisis, Look for Some Companies to Profit

    EnergyTechStocks.com
    Posted: For the Week of March 9-15, 2009

    Apparently they’re like warnings on cigarette packages – clearly visible and pretty much ignored, often until it’s too late.

    The latest warning about the data center power crisis that threatens to disrupt global business as early as 2011 comes from Siemens AG (Symbol SIE), which found in a new survey of major companies that less than half are working toward improving the energy efficiency of their data centers.

    “If we do not start looking closely at our data centers now, 70% of the world’s data centers will have tangible disruptions by 2011 and the systems will experience world-wide brownouts over the course of the next five years,” Siemens warned.


    Shell dumps wind, solar and hydro power in favour of biofuels

    Tuesday 17 March 2009 (Guardian) — Shell will no longer invest in renewable technologies such as wind, solar and hydro power because they are not economic, the Anglo-Dutch oil company said today. It plans to invest more in biofuels which environmental groups blame for driving up food prices and deforestation.

    Executives at its annual strategy presentation said Shell, already the world’s largest buyer and blender of crop-based biofuels, would also invest an unspecified amount in developing a new generat­ion of biofuels which do not use food-based crops and are less harmful to the environment.

    The company said it would concentrate on developing other cleaner ways of using fossil fuels, such as carbon capture and sequestration (CCS) technology. It hoped to use CCS to reduce emissions from Shell’s controversial and energy-intensive oil sands projects in northern Canada.

    The company said that many alternative technologies did not offer attractive investment opportunities. Linda Cook, Shell’s executive director of gas and power, said: “If there aren’t investment opportunities which compete with other projects we won’t put money into it. We are businessmen and women. If there were renewables [which made money] we would put money into it.”

  2. Enquanto a China e a Índia dispõem de trabalho humano abundante e barato, o Japão dispõe de elevadíssimos níveis de produtividade obtidos pela via da automação, do uso intensivo de robots, cada vez mais inteligentes, de processos de trabalho altamente racionalizados e, por fim, de formas sofisticadas de proteccionismo e desvalorização competitiva da sua moeda.


OAM 559 22-03-2009
21:06 (última actualização 23-03-2009 11:33)

2 responses to “Africa minha

  1. mas dialogar com quem, amigo? como podemos dialogar num contexto impregnado de ódio e vingança. que diálogo estabelecer com um duplamente esfomeado, de pão e de justiça? é tempo da comunidade internacional analisar os programas de desenvolvimento estabelecidos pelos portugueses para africa nos idos anos 60, sem apartheid nem campos de concentração, integrar o africano na comunidade civilizada via os universais valores cristãos: amor, justiça e o perdão. O problema de África não está na cabeça mas no coração.

  2. Não há recursos para continuar a sustentar uma subida da população mundial para 9 ou 10 biliões. Isto vai acabar tudo mal.GP

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s