Crise Global 66

GM ao fundo…


Cadillac, El Dorado, 1959.


GM readies for ‘fast’ bankruptcy

Micheline Maynard and Michael De La Merced, Detroit (The Age). April 14, 2009

THE US Department of the Treasury is directing General Motors to lay the groundwork for a bankruptcy filing by June 1, despite GM’s contention it could still reorganise outside court.

Members of President Barack Obama’s vehicle industry taskforce spent last week in talks with GM officials and its advisers. The talks are expected to continue this week.

The goal is to prepare for a fast, surgical bankruptcy, sources said at the weekend.

GM, which has been given $US13.4 billion in federal aid, insists a quick restructuring is necessary so its image and sales are not damaged permanently.

… Treasury officials are examining whether the “good GM” enters and exits bankruptcy protection in as little as two weeks, using $US5-7 billion of federal money. The rest of GM might need as much as $US70 billion in government money, and possibly more to resolve the health-care obligations and liquidation of the factories, legal experts and federal officials said.

Nenhuma economia pode consumir indefinidamente os recursos próprios e alheios, produzindo cada vez menos, exportando cada vez menos e afundando-se numa dívida externa insustentável.

Todos os esquemas especulativos que desde o colapso da cidade de Ur (Irrational exuberance, 1788 BC) e a queda Império Romano, até às bolhas especulativas engendradas por John Law na França falida que Luís XIV deixou, e pelo conde Harley de Oxford (The South Sea Bubble) numa Inglaterra abraços com dívidas insuperáveis, pretenderam esconder e adiar o empobrecimento real de um país, deram péssimo resultado. Foi assim na República de Weimar, foi assim durante a Grande Depressão (1929-1933… 1941), está a ser assim no Zimbabué e vai ser coisa muito parecida ao longo da Crise Sistémica Global iniciada em Julho de 2008 e ainda longe do fim.

O desemprego real nos Estados Unidos e na Europa (The Rise of Partime Employment), à semelhança do que ocorreu durante a Grande Depressão e nas duas últimas décadas da economia japonesa, poderá continuar a subir até 2011-2012 e manter-se em níveis explosivos (i.e. acima dos dois dígitos) até 2020! O estouro da General Motors, a que Obama acudirá com mais duas injecções multimilionárias de dívida americana, é o mais recente e simbólico aviso do que está para vir.

E por cá, como vai ser?

Para já temos um governo que decidiu copiar as velhas receitas de investimento público para disfarçar crises e criar euforias financeiras artificiais, mesmo sabendo que as principais construtoras e os principais bancos privados portugueses se encontram tecnicamente falidos.

A grande barragem conhecida por Hoover Dam, iniciada em 1931 e concluída em 1936, é um tópico a este respeito, bem como as medidas de emergência postas em prática por Roosevelt durante o desenrolar da Grande Depressão, sob influência do economista inglês John Maynard Keynes, ou ainda o Plano Marshall que se seguiu à Segunda Guerra Mundial.

José Sócrates foi aconselhado a carregar a fundo no acelerador da dívida pública, em nome da mitigação dos efeitos dramáticos da actual crise económico-financeira. Esqueceu-se, porém, de algumas limitações importantes que tornam particularmente temerária a tentativa de reeditar o receituário keynesiano:

  • estamos profundamente endividados (19ª maior dívida pública e 20ª maior dívida externa do planeta);
  • não temos máquinas nem autorização para imprimir euros à medida do nosso endividamento;
  • a dependência e intensidade energéticas da nossa economia bradam aos céus;
  • a nossa base industrial de peso foi liquidada nos últimos 30 anos de libertinagem consumista, partidocrática e corrupta — como o rotundo e escandaloso fracasso dos estaleiros navais de Viana do Castelo acaba de comprovar (1);
  • os proventos da agricultura são insuficientes;
  • as pequenas e médias empresas dependem inteiramente da saúde do resto da União Europeia;
  • os grandes investimentos estrangeiros no nosso país começam a regressar às origens ou abrem falência;
  • por fim, não estamos muito longe de perder o controlo público de empresas estratégicas como a EDP, a GALP, a ANA, as Estradas de Portugal e mesmo as Águas de Portugal, já para não falar do próprio sistema financeiro, prestes a ser engolido pelo buraco negro do endividamento especulativo a que se sujeitou e sujeitou a nossa economia em nome de populismos imbecis e para proveito passageiro de uma inacreditável nomenclatura de novos-ricos e cortesãos aparvalhados.

Se nada fizermos para travar energicamente o actual plano inclinado da nossa democracia, afunilaremos de novo em direcção à ditadura, seguramente disfarçada com as mais doutas e generosas vestes. O cinto de segurança da União Europeia deixou de funcionar e colapsará estrondosamente assim que o Tratado de Lisboa for a enterrar e, por outro lado, a globalização sofrer, como inevitavelmente sofrerá, uma paragem súbita e violenta. Viveremos então de quê? De volfrâmio? Da extraordinária colecção de “arte contemporânea” do Joe Berardo?!

NOTAS

  1. Como se explica que a arara que de vez em quando palra no ministério da defesa tenha resolvido gastar mais 500 milhões de euros do erário público assim que soubemos da rescisão das encomendas dos dois ferries por parte do governo açoriano?

    E já agora, porque não adapta a Marinha, como fizeram os espanhóis, as corvetas enviadas para a sucata sem motivo suficiente, antes de mandar construir novas embarcações de guerra num estaleiro de tão fraca fiabilidade?

    Não seria melhor começar por curar a doença que ataca os Estaleiros Navais de Viana do Castelo, antes de chegarmos à triste conclusão que os futuros navios patrulha da marinha de guerra portuguesa podem nascer tão tortos e insuficientes quanto os dois ferries rejeitados por Carlos César?

    As peripécias que envolvem os vários contratos e projectos dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo são de tal monta e gravidade que mereceriam em qualquer país decente um inquérito parlamentar, ou mesmo judicial. Mas com o disléxico procurador-geral que nos coube ultimamente e o gago ministro da justiça que tão oportunamente precisa conceitos jurídicos junto dos magistrados, os célebres boys de que falava António Guterres podem continuar sossegados, e podem continuar a destruir o país.

    Jorge Sampaio e mais não sei quem dizem querer uma “convergência de esquerda” para salvar Lisboa da vergonha (Público). Que vão para o diabo!

    Presidente dos ENVC revela passivo de entre 35 e 40 milhões
    Estaleiros colocam Atlântida à venda
    Governo rompe contrato com Estaleiros
    Açores: governo rescinde contrato com Empordef
    Marinha vai manter encomenda depois do fracasso com o barco dos Açores?
    Açores: o que disse o TC sobre o negócio dos barcos
    Barcos “afundam” debate na Assembleia

    Sobre os ditos patrulhões, divulgo opinião avisada que entretanto me chegou à caixa de correio:

    As corvetas eram — diziam — muito pesadas (deslocamento). Mas de facto, os patrulhões pesam 1600 ton. contra 1300 das actuais corvetas.

    Depois, para andar atrás dos arrastões espanhóis, as “velhas corvetas” têm uma velocidade máxima de 23 nós e os patrulhões de 20 nós.

    Depois ainda, nem foi pensado colocar um helicóptero nos patrulhões. Ou seja, estão a gastar uma pipa de massa, e um heli indispensável para salvamentos nem sequer foi considerado.

    Em termos de projecto, o conceito dos patrulhões foi exactamente o inverso das corvetas. O objectivo da operação foi claramente gastar dinheiro para viabilizar os ENVC. Mas se os custos são de pessoal, então não haveria opções mais racionais do que apostar em 2 navios claramente chumbados pela Marinha.

    Armada corta dois “patrulhões” na encomenda aos ENVC
    ENVC entregam patrulhões com um ano de atraso e fecham 2005 com prejuízos
    Estaleiros de Viana dão primeiro patrulha em Julho
    Das dificuldades e atrasos dos “Patrulhões” (NPO) da Marinha
    Características do Navio Patrulha Oceânico (NPO 2000)

OAM 572 14-04-2009 01:49 (última actualização: 14:02)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s