Ouro

Uma nova febre a caminho?
Petróleo, ouro, prata, cobre… e obras de arte — refúgios para uma crise prolongada


A gold bubble may well be coming our way
With the US and other countries monetising budget deficits, the chance of rapid inflation has surged. — Telegraph.co.uk

A recomendação para comprar barras de ouro e moedas é algo que defendo há mais de dois anos. Entretanto, o preço tem vindo a subir, apesar das tentativas recorrentes dos Estados (sobretudo os EUA e Reino Unido) de desvalorizarem sistematicamente os metais preciosos. O que estes países fizeram periodicamente ao longo do século passado foi vender grandes quantidades de ouro, ou então expropriá-lo — como ocorreu quando Roosevelt obrigou os americanos a devolverem o ouro que tinham em casa, confiscando-o por “dez reis de mel coado”. Mas desta vez a coisa está preta!

De facto, o G20 recomendou uma recapitalização do FMI com base no aumento das suas reservas de ouro fino, e de “ouro papel” — os chamados Direitos Especiais de Saque (SDR). O problema é que o Reino Unido e a América estão literalmente falidos, e a União Europeia caminha para a deflação e para uma depressão económica prolongada, com taxas de desemprego que poderão chegar aos 20% lá para 2012 (o contrário, portanto, da propaganda imbecil do governo socratino.) Entretanto os chineses, árabes e japoneses (estes pela via piramidal do Yen Carry Trade), de quem o Ocidente espera ansiosamente mais patacas, já declararam que não vão continuar a alimentar burros a Pão de Ló, nem lançar mais pérolas a porcos!

Ou seja, a hiperinflação pode estar ao virar da esquina. Donde o valor inestimável do ouro fino e das acções das principais companhias mineiras envolvidas na extracção de metais preciosos e não só (ouro, prata, platina… cobre). Os SDRs e outras formas de ouro-papel, como títulos de ouro, são de evitar – pois estão na calha de uma nova bolha especulativa!!

Há já algum tempo que recomendo a compra de ouro fino aos portugueses. Dez por cento do que ganham investido em metais preciosos (ouro, platina e prata), sem lugar a pagamento de IVA, bem guardados, são decisões a pensar num futuro incerto. E o mais certo que temos neste momento é mesmo um futuro incerto.

A escassez do petróleo será uma realidade catastrófica da economia mundial a partir de 2015, ou seja muito antes de o tresloucado aeroporto intercontinental de Alcochete borregar no charco das dívidas pública e externa nacionais. A instabilidade decorrente desta escassez (quem poderá pagar no futuro o caríssimo petróleo canadiano, venezuelano, brasileiro ou russo?), para a qual não existe alternativa efectiva, nem poderá ser desenvolvida no prazo que medeia até que os efeitos catastróficos do Pico Petrolífero arrastem o declinante do modelo de desenvolvimento capitalista para a fossa da História, será seguramente responsável pela emergência do ouro, da platina, da prata, mas também do cobre e dos metais essenciais ao fabrico de pilhas recarregáveis e células de hidrogéneo (níquel, cádmio, lítio, etc.) como valores de refúgio para as poupanças mundiais.

As poupanças e os depósitos bancários estão permanentemente ameaçados pela usura fiscal das partidocracias e cleptocracias que paulatinamente vêm expropriando os povos dos seus mais elementares direitos: conservar o fruto do trabalho, poupar e investir no futuro livremente.

E quando não são expropriados legalmente pelas burocracias partidárias e corporativas, ou ainda pelas burguesias burocráticas aninhadas junto às tetas orçamentais, são-no pela lógica especulativa da inflação capitalista.

Perante este roubo devastador das economias individuais, familiares e privadas, só há uma saída: voltar à terra e respectivos bens essenciais, estabelecer circuitos de troca paralela (desencadeando uma economia informal sem precedentes), apostar na partilha universal de conhecimentos (nomeadamente pela via tecnológica), e acumular reservas de bens e valores universalmente aceites, como são, entre outros, os metais preciosos e os bens não deslocalizáveis (paisagem, clima, protecção ambiental e qualidade urbana). Os pilotos de caça da Força Aérea americana não levam dólares no bolso, mas moedas de ouro. Porquê? Pois para poderem comprar a sua liberdade caso caiam em mãos inimigas, nalguma montanha inóspita do Afeganistão. Querem melhor demonstração do que estamos a falar?

OAM 583 30-04-2009 14:33 (última actualização: 16:22)

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s