Portugal 109

Verão quente, Outono perigoso

Vitorino explicou a Sócrates que o tempo não está para mais malabarismos, e que só reconhecendo a seriedade da crise actual se poderá dialogar seriamente com o eleitorado.

  • Cinco das dez maiores falências da história tiveram lugar nos últimos doze meses (1).
  • Esta é a maior e mais duradoura recessão mundial desde 1929.
  • Os mercados emergentes tornaram-se entretanto exportadores de capital.
  • A crise vai piorar durante este Verão e sobretudo no Outono, ao contrário do que sopram as sereias da banca e da especulação financeira através dos submissos órgãos de propaganda que financiam. Proteja-se da bolsa e dos bancos!!
  • As eleições legislativas e autárquicas portuguesas decorrerão num clima económico sombrio, que poderá provocar uma inesperada explosão social.

Se me tivesse lido com atenção, a tríade de Macau teria há muito explicado a José Sócrates que estamos no meio de um naufrágio, onde arengar propaganda barata em volta dos grandes hubs aeroportuários que faltam, pontes assassinas sobre o estuário do Tejo, altas velocidades ferroviárias, barragens criminosamente inúteis e mais não sei quantas autoestradas vazias, além de afastar o PS dos eleitores, acabaria por exibir o lado ridículo da inglória maioria absoluta que nos governa. Por falta de financiamento, por falta de procura, e sobretudo por causa do colapso inevitável do modelo económico e social das chamadas sociedades afluentes ocidentais, o business as usual acabou. Manuela Ferreira Leite percebeu-o a tempo. O PS precisou de uma humilhante derrota para lá chegar!

GEAB #36 — LEAP/E2020 believes that, instead of « green shoots » (those which international media, experts and the politicians who listen to them kept perceiving in every statistical chart in the past two months), what will appear on the horizon is a group of three destructive waves of the social and economic fabric expected to converge in the course of summer 2009, illustrating the aggravation of the crisis and entailing major changes by the end of summer 2009… more specifically, debt default events in the US and UK, both countries at the centre of the global system in crisis. These waves appear as follows:

1. Wave of massive unemployment: Three different dates of impact according to the countries in America, Europe, Asia, the Middle East and Africa
2. Wave of serial corporate bankruptcies: companies, banks, housing, states, counties, towns
3. Wave of terminal crisis for the US Dollar, US T-Bond and GBP, and the return of inflation.

As empresas financeiras, industriais e de serviços vão continuar a falir. Sobretudo aquelas que cresceram à custa da especulação bolsista e à sombra do endividamento público. A tentativa —promovida por políticas governamentais irresponsáveis— de as salvar, com mais impostos e mais endividamento público, só irá agravar uma situação já de si extremamente grave.

O bluff dos grandes investimentos serviu sobretudo, como aqui escrevi, para dissimular as reais dificuldades de empresas habituadas à mama orçamental pública e ao dinheiro barato oriundo da especulação bolsista. Empresas como a Mota-Engil, a Teixeira Duarte, a EDP e a generalidade da banca portuguesa estão literalmente à rasca. A falta de competitividade real, as imparidades, as ocultações de resultados, a falta de liquidez, as dívidas, os branqueamentos de capitais e as fraudes vão aflorar rapidamente perante um eleitorado incrédulo. Alguns ícones empolados da nossa economia e finanças não tardarão a colapsar. Os demónios soltaram-se. A bicha em direcção ao calabouço só agora começou a formar-se!

Mas como uma desgraça nunca vem só, temos que nos preparar para o colapso iminente do sector público —administração central, regional e local—, de onde decorrerão duas ameaças explosivas: a falência das cidades e o colapso do sistema de segurança social.

A massa de desempregados sem subsídios (porque a eles não têm acesso, ou porque se esgotou o prazo de validade do mesmo), é um actor altamente imprevisível nas eleições que irão decorrer neste Outono. Ou muito me engano, ou a tendência revelada pela recente pugna europeia vai acentuar-se entre nós. A substituição do Bloco Central —de todas as desilusões— por um fenómeno novo de bipolarização social e político-partidária matura, a meu ver, nas entranhas da crise de paradigmas que levou ao estertor do actual sistema partidário. Não creio, enfim, que o acto de contrição da actual maioria socratintas venha a ter os efeitos desejados.

NOTAS

  1. E as maiores fraudes também. O caso Madoff, e entre nós o “caso de polícia” chamado BPN, ou a estranha novela do Banco Privado, cujo presidente continua a passear a sua falta de vergonha nas barbas de quem já devia tê-lo enviado para junto de Rui Oliveira e Costa, não deixam de ser instrutivos. Mas a maior fraude da história parece estar ainda a caminho de ser revelada (obrigado André Cruz!) Trata-se da estranha e abortada tentativa de dois senhores japoneses de contrabandearem 134,5 mil milhões de dólares americanos —em US bearer bonds— na fronteira entre a Itália e a Suiça. Este valor equivale a mais de metade do PIB português, e cerca de três vezes o custo das olimpíadas de Pequim! Esta extraordinária história, e possível episódio da guerra financeira actualmente em curso entre quem tem dólares a mais e quem continua a imprimi-los com total descaramento e impunidade, acaba de levantar voo nos média. A nossa atarantada imprensa lá chegará, com o tempo…

    Smuggling Or Counterfeit-Printing?

    Ok, this was rumored several days ago, but now I can find actual news reports – at least, outside the US:

    Milan (AsiaNews) – Italy’s financial police (Guardia italiana di Finanza) has seized US bonds worth US 134.5 billion from two Japanese nationals at Chiasso (40 km from Milan) on the border between Italy and Switzerland. They include 249 US Federal Reserve bonds worth US$ 500 million each, plus ten Kennedy bonds and other US government securities worth a billion dollar each.

    Those sound like Bearer Bonds – at least the Kennedy ones do.

    Suitcase With $134 Billion Puts Dollar on Edge: William Pesek

    Commentary by William Pesek
    June 17 (Bloomberg) — It’s a plot better suited for a John Le Carre novel.

    Two Japanese men are detained in Italy after allegedly attempting to take $134 billion worth of U.S. bonds over the border into Switzerland. Details are maddeningly sketchy, so naturally the global rumor mill is kicking into high gear.
    Are these would-be smugglers agents of Kim Jong Il stashing North Korea’s cash in a Swiss vault? Bagmen for Nigerian Internet scammers? Was the money meant for terrorists looking to buy nuclear warheads? Is Japan dumping its dollars secretly? Are the bonds real or counterfeit?

    …Think about it: These two guys were carrying the gross domestic product of New Zealand or enough for three Beijing Olympics.

    …These men carrying bonds concealed in the bottom of their luggage also would be the fourth-largest U.S. creditors. It makes you wonder if some of the time Treasury Secretary Timothy Geithner spends keeping the Chinese and Japanese invested in dollars should be devoted to well-financed men crossing the Italian-Swiss border.

    Strange Inconsistencies in the $134.5 Billion Bearer Bond Mystery

    J.S. Kim
    Seeking Alpha
    Thursday, June 18, 2009 (Prison Planet)

    Here’s yet another huge financial story that has been virtually blacked out by the US financial media. Although on the surface, this story appears to be a non-event, if we consider some of the released facts about this case, you will understand why I consider it to be a huge story. On June 8th, the Asia News reported the following story:

    “Italy’s financial police (Guardia italiana di Finanza) has seized US bonds worth US 134.5 billion from two Japanese nationals at Chiasso (40 km from Milan) on the border between Italy and Switzerland. They include 249 US Federal Reserve bonds worth US$ 500 million each, plus ten Kennedy bonds and other US government securities worth a billion dollars each. Italian authorities have not yet determined whether they are real or fake, but if they are real the attempt to take them into Switzerland would be the largest financial smuggling operation in history; if they are fake, the matter would be even more mind-boggling because the quality of the counterfeit work is such that the fake bonds are undistinguishable from the real ones.”

    …Given that the discovery of $134.5 billion of bearer bonds in the suitcases of two Japanese nationals in Chiasso, Italy on the border of Switzerland qualifies as one of the largest smuggling operations in history, and given the various implications of such an act and the possible players involved, the silence regarding this huge story is simply stunning. It is not a huge story, per se, because of the counterfeiting operation, because accusations and revelations of massive money counterfeiting operations have occured in the past. It is a huge story, rather, due to all the inconsistencies of the story and the potential explanations that could explain these inconsistencies. The larger story at hand is, who are the players (nations) involved, and what was the intention of this likely counterfeiting operation?

OAM 591 18-06-2009 20:18 (última actualização: 18-06-2009 16:30)

2 responses to “Portugal 109

  1. CARO ANTONIO MARIA..É A PRIMEIRA VEZ Q COMENTO NO SEU BLOG..GOSTAVA D O FAZER MAIS VEZES MAS ENTENDO Q UM S´´ERIO DEBATE D IDEIAS REQUER TEMPO E IMEDIATISMOS D RESPOSTA, OS QUAIS NÃO DISPONHO..
    A PROPÓSITO D T-BONDS DEIXO-LHE O ACONTECIMENTO MAIS INTRIGANTE DO ANO ATÉ AGORA
    http://market-ticker.denninger.net/archives/1114-Smuggling-Or-Counterfeit-Printing.html

    http://www.bloomberg.com/apps/news?pid=newsarchive&sid=a62_boqkurbI

    http://www.prisonplanet.com/strange-inconsistencies-in-the-1345-billion-bearer-bond-mystery.html
    como os chineses dizem…tempos interessantes estes..

  2. Viva António.

    Aguardando vivamente o anúncio do Aeroporto Internacional de Beja, as coisas começam a complicar-se e de que forma.

    O caso Qimonda é o que é, e ninguém fala sobre isso. É mau para os resulados eleitorais, fazendo lembrar os soldados portugueses “detidos” na India, aguardando-se pelo cair da noite para serem dispersos pelo País, tal não era a vergonha de Salazar.

    Seguindo-se a Qimonda temos agora o folhetim Auto-Europa.
    O que entendo curioso são as tentativas de mesclar a realidade, fazendo-se acreditar a opinião pública de que a culpa é da Comissão de Trabalhadores.
    Julgo ser apenas a ponta do Iceberg, pois os erros cometidos pelo “centrão” deixaram agora o Socrático “governo” sem margem de manobra, por via de algumas fantásticas manobras como as do BPN.

    A

    Rui

    PS. Ontem o Miguel Sousa Tavares ofereceu algumas boas bicadas a realidades como a TAP’s e NAL. Infelizmente existe quem tenha dificuldade em ouvir.

    PS2. Alguém ouviu a MFL pronúnciar-se sobre a Auto-Europa? Também me pareceu.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s