Portugal 117

É preciso castigar o Bloco Central da Corrupção

Estamos em plena safra eleitoral. Sementeira séria, não houve. O actual sistema partidário, atacado até à medula pela ignorância, pelo nepotismo, pelo partidismo, pela insolência da nomenclatura dominante, pela corrupção impregnada a que os partidos se tornaram aliás insensíveis, e sobretudo pela falta de audácia e visão de futuro, pagará inevitavelmente um preço elevado por tanta irresponsabilidade. O ciclo de instabilidade política que se avizinha, ao contrário do que já berram os arautos bem instalados da desgraça, virá não dos pequenos partidos e movimentos de cidadania que felizmente crescem, mas dos mesmos energúmenos que há décadas deterioram a democracia portuguesa em nome de um verdadeiro Bloco Central da Corrupção.

Temos assistido nas últimas semanas a uma verdadeira feira de saldos eleitorais. Sobretudo o PS e o seu impagável papagaio, na habitual pose de vendedor de cobertores da Covilhã, isto é, de megafone ao peito e teleponto sempre em riste, prometem tudo: um cheque de 200 euros aos recém-nascidos (que na realidade, para além da demagogia, se destina a aumentar os activos do sector bancário); a electrificação da Linha do Douro; a extensão da linha de Metro até Loures (que bom que seria!); transformar o Seixal numa nova Expo e, claro está, um novo choque fiscal, desta vez dirigido ao património rústico e urbano, com a finalidade de continuar a financiar o festim da nomenclatura inconsciente que se apropriou do país, alimentar hipoteticamente o pseudo programa de expansão keynesiana das luminárias que escrevem o teleponto de José Sócrates, e sobretudo promover por intermédio de uma inaudita violência fiscal a ainda escassa concentração capitalista das propriedades rústica e urbana. Os corruptos bancos que temos, e o sibilino Victor Constâncio, agradecem a anunciada pilhagem “socialista”. E o Bloco de Esquerda, que diz sobre isto? Somará os seus votos aos do PS e PSD quando as leis espoliadoras subirem ao néscio parlamento?

Precisamos de reactivar o caminho de ferro (comboios, metros subterrâneos e de superfície) para transportar mais pessoas mais rapidamente entre os principais centros urbanos e suburbanos do país, e entre Portugal e o resto da Europa (1). Precisamos, aliás, de um verdadeiro renascimento do transporte ferroviário no nosso país (em linhas de bitola europeia e em linhas de bitola estreita), tal como vem sucedendo em Espanha, para dar força ao sector exportador da nossa economia, seja para transportar o que produzimos por cá, seja para escoar nos dois sentidos as mercadorias que elegem a nossa rede de portos marítimos e fluviais como uma opção de futuro.

Mas para tal, não podemos alimentar as propostas assassinas do aventureiro que há anos dirige a EDP —António Mexia.

A EDP é hoje a empresa mais endividada de Portugal. A sua dívida ultrapassa os 13 mil milhões de euros! Bastará uma pequena subida nas taxas de juro em 2010, para que o resultado do logro expansionista do senhor Mexia possa colocar a principal empresa energética do país à beira dum processo de alienação a favor de uma qualquer ave de rapina interessada nesta bela presa. Os voos altos de uma possível OPA sobre a EDP adivinham-se nas borras da dívida acumulada por António Mexia.

A EDP comprou ao governo “socialista” a ideia assassina de construir uma dúzia de novas barragens hidroeléctricas, com o argumento espúrio de que fazem falta para guardar água potável e produzir energia limpa (aqui anda Pimenta…)

Mas a verdade é que, no seu conjunto, tais centrais não poderão acrescentar mais do que 3% à energia eléctrica produzida actualmente em Portugal. A verdade é que tal construção serve apenas para cumprir três objectivos que, devidamente escrutinados, chegariam não só para demitir o actual CEO da EDP, mas talvez mesmo para metê-lo na cadeia — por administração dolosa e tentativa de violação do direito público da água.

Os objectivos criminais que presumo são estes:

  1. disfarçar o prejuízo estrutural de exploração do sector eólico nacional;
  2. aumentar artificialmente os activos desta empresa privada com participação minoritária do Estado e de outras entidades públicas portuguesas;
  3. criar condições para um futuro monopólio da água!

Será que os nossos políticos indolentes já se deram conta da manobra? Ou já só temos corruptos no baralho da actual partidocracia?

A rede de envolvimento e tráfico de influências lançada pela EDP sobre as autarquias do Alto Douro —uma região que deveria cobrar ao resto do país, e sobretudo das empresas energéticas, um clara percentagem pela exploração da sua maior riqueza, ali produzida diariamente, i.e., quase 80% da energia hidroeléctrica produzida em Portugal, e que consumimos maioritariamente nas regiões de Lisboa e Porto — é um crime e visa um crime ainda maior.

É pois urgente impedir o plano de barragens em curso — sobretudo aquelas que ameaçam destruir o rio Sabor, a linha férrea e o vale do Tua, ou submergir, em caso de desastre (a zona onde querem construir a barragem do Fridão poderá ser fortemente afectada num sismo futuro), a cidade de Amarante!

Não nos iludamos com a propaganda de Verão.

Nas próximas eleições legislativas vou votar no Bloco de Esquerda, única e exclusivamente para diminuir a influência excessiva do PS na vida portuguesa. Vou depois votar na coligação disfarçada actualmente em curso entre o PS de António Costa, Cidadãos por Lisboa, e Independentes (onde me incluo), para derrotar simultaneamente o pesadelo Santanista e o entrismo governamental nos assuntos da capital.

Post scriptum: como outros, tive absoluta razão na denúncia que fiz da tentativa partidário-oportunista de perverter o Estatuto Político-Administrativo da Região Autónoma dos Açores.

Radar: a causa da Linha do Tua na blogosfera (a propósito da reportagem da SIC, “Fim de Linha”) cresce dia a dia. Ainda bem. A blogosfera acabará por acordar este adorável país!

Última hora!A quem pertence o grupo Lena? A José Sócrates?!

Acaba de chegar à minha caixa de correio informação fidedigna sobre a LENA Construções S.A.: pertence, ao que parece, a José Sócrates! Tem, naturalmente, um testa de ferro à frente.

O Grupo LENA tem a encomenda da barragem do Baixo Sabor nas unhas, e é proprietária dos jornais “i”, “Grande Porto” e vária imprensa regional…

O “i”, embora não tenha leitores, consegue, sabe-se lá como, obter à borla tempo de antena diário nas principais televisões do Bloco Central: SIC e RTP.

Um país a saque!!

NOTAS

  1. Erro Estratégico na Nova Rede Ferroviária, Por Rui Rodrigues. Ler PDF certeiro e ilustrativo da leviandade governamental portuguesa. Vale a pena conhecer também o ponto de vista espanhol sobre o assunto…

OAM 610 01-08-2009 16:39

3 responses to “Portugal 117

  1. Bom post.

    «Ou já só temos corruptos no baralho da actual partidocracia?»

    A partidocracia é financiada e está ao serviço da Alta Finança. É esta que (se) governa.

  2. Caro António Maria
    através do seu blogue, alguem nos contactou, dando-nos assim a possibilidade de o conhecer e podermos acrescentá-lo á nossa lista de referências.
    Pelo que já lemos, estamos sintonizados numa mesma batalha.
    Todos vamos ser necessários e em conjunto com diversas forças estamos a organizar uma manifestação que nos permita demonstrar que somos mais e melhores que esta gente corrupta que tomou conta do País.
    Por isso dizemos;

    O sentimento de revolta está definitivamente instalado.
    O Povo vai descer à Rua
    Chegou por fim a altura de dizermos, BASTA!
    Será no inicio de Setembro. Talvez dia 5.
    A data será a confirmar com outros movimentos e associações, que tal como nós querem demonstrar ao poder político, que este País é nosso.
    Que não permitimos que mais gente sem escrúpulos e sem princípios, possa estar á frente da governação do País.
    Que não permitimos que nenhum ser menor, incompetente, desqualificado, arrogante, mentiroso, falso e hipócrita, possa mais alguma vez enganar toda uma Nação.
    Tal como sucedeu com esse que dá pelo nome de socrates.
    Que nos envergonhou enquanto Povo e que terá que responder perante a justiça.
    Nesse dia irá terminar um Ciclo Político de gente incompetente e corrupta.
    Um novo Ciclo, com outras competências e outro Modelo Democrático, terá de urgentemente iniciar-se.
    A premissa básica é simples de entender.
    O voto que serve para Eleger, também terá de servir para Demitir.
    Assim, os maus políticos não se irão perpetuar no poder. Não mais voltaremos a passar cheques em branco.
    Seremos nós, enquanto Povo e sociedade organizada, a tomar as decisões.
    A essência da Democracia reside na vontade dos cidadãos. Os nossos direitos de cidadania, nunca mais poderão ficar entregues a gente falsa e corrupta.
    Caberá aos partidos instalados compreenderem o sentimento que de forma cada vez mais nítida, trespassa por toda a sociedade.
    Não entender a história e o evoluir dos tempos, será um erro grave que o poder instalado poderá cometer.
    É bom que percebam que quando por vezes o Povo sai à rua, nem sempre é para entregar flores. A lucidez de alguns terá de sobrepor-se ao aconchego matreiro de muitos outros.
    Este País não poderá continuar na mesma, nem com a mesma gente. É a nossa sobrevivência e o nosso futuro que estão em causa. Assim sendo ninguém nos poderá deter.
    VAMOS RETOMAR PORTUGAL

  3. Talvez este elo de ligação possa ser útil para ajudar a perceber a actuação da EDP:
    .
    http://www.econbrowser.com/archives/2009/07/green_jobs.html
    .
    Se calhar acabaram por acreditar nas patranhas que criaram para alimentar os media.
    .

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s