Portugal 118

Tens corruptos p’á troca?!

“Se anda como um pato e fala como um pato, então provavelmente é mesmo um pato!”

Um amigo meu dizia-me esta manhã que a corrupção política, a corrupção dos políticos, a corrupção económica, a corrupção das grandes instituições internacionais, em suma, a corrupção tout court é e sempre foi uma constante em toda a parte do mundo. O que as democracias têm feito é trazerem-na ao conhecimento público mediático. O que não deixa de ser uma chatice, pois o problema real não reside na corrupção comum, mas nas ineficiências dos sistemas, e sobretudo na inércia ou asneiras de quem rouba e deixa roubar, mas nada faz, ou tão mal faz, que justifique tais comissões ilegais.

A corrupção é pois um imposto privado, escondido e frequentemente mafioso, mas não chega nunca a ter as proporções avassaladoras dos saques fiscais realizados pelos Estados endividados — salvo se a dita corrupção evolui, de uma condição larvar contida, para a epidemia, ou pior ainda, para uma pandemia incontrolável. Neste caso, em vez de falarmos de corrupção e ladroagem, teríamos que considerar a hipótese de estarmos já na presença de uma cleptocracia, cujo destino é invariavelmente conduzir os povos à miséria e auto-destruição. Qual é o caso português?

A avaliar pela mansidão bovina com que os eleitores de Oeiras, Felgueiras, Marco de Canavezes e Gondomar reinvestem eleitoralmente nos corruptos que há décadas, diariamente, os tomam por lorpas; a avaliar pelo ar esverdeado com que a Manuela Ferreira Leite foge destes temas, eu diria que estamos mais para lá do que para cá, isto é, a caminho da cleptocracia. Ou seja, um sistema económico, social, político e judicial concatenado para a pilhagem sistemática e impune de tudo aquilo que é criativo, produtivo e honesto neste país. Se eu não estiver enganado, os corruptos serão todos reeleitos em Setembro e em Outubro; depois, as leis anti-corrupção cairão no esquecimento parlamentar; e finalmente, o salve-se quem puder ganhará ainda mais adeptos impunes neste país à beira da ruína.

Lembrem-se, porém, de uma coisa: Portugal é feito de centenas de milhar de pequeninos proprietários e homens de ofício que, ao contrário dos funcionários públicos, que também são muitos (mas dependentes), não precisam da licença do Estado para se revoltarem. Há um limiar a partir do qual o direito à indignação se transforma em direito à revolta. E ainda bem!

Post scriptum (5-8-2009) — Afinal a senhora Leite é igual a Sócrates! Para ela, como para o pinóquio “socialista”, os partidos do Bloco Central da Corrupção sofrem de um drama dilacerante: já não dispõem de gente honesta para ocupar os lugares estruturantes da democracia! Ou seja, para deputados e autarcas, os suspeitos, arguidos, pronunciados e condenados por crimes de peculato, corrupção e abuso de poder são o melhor bife que têm para nos dar. Aqui chegamos. Votar para quê? Eu, à falta de melhor (e porque sou pela democracia representativa), vou votar no Bloco de Esquerda, em Setembro, e no PS de António Costa, em Outubro. Quem estiver à minha direita, que vote em qualquer coisa, menos na montanha que pariu um rato chamada Manuela Ferreira Leite e o seu estuporado PSD!

Manuela Ferreira Leite impõe dois deputados arguidos nas listas do PSD por Lisboa

A distrital de Lisboa e a direcção de Manuela Ferreira Leite entraram em ruptura. Tudo por causa das listas de deputados e da proposta da líder de incluir António Preto e Helena Lopes da Costa, deputados e arguidos em processos, na lista de Lisboa. — in Público, 03.08.2009 – 22h52 Nuno Simas.

REFERÊNCIAS

  1. Corruptus Lusitanus

    Enquanto não virmos um político, um banqueiro, dois ou três presidentes de câmara e um ou outro alto dirigente do futebol na cadeia, o nosso País não acredita que a Justiça seja igual para todos. Foi também assim em Espanha, até que os casos Filesa, Rumasa, Banesto, com o rol de personalidades a contas com a Justiça —Jesús Gil y Gil (alcaide de Marbella e dirigente do Atlético de Madrid), Luís Roldán (antigo chefe máximo da Guardia Civil), Mario Conde (o mais famoso banqueiro e yuppy da España durante a primeira era PSOE) e Mariano Rubio (nada mais nada menos do que o governador do Banco de Espanha, apanhado nas malhas do caso Iberdrola)— mudaram a percepção pública da efectividade da Lei na monarquia espanhola. —in O António Maria (30-10-2005.)

  2. Altos responsáveis do Estado na lista de accionistas de petrolífera privada

    Accionistas de uma empresa autorizada a concorrer à exploração de petróleo em Angola têm o mesmo nome de altos responsáveis do Estado angolano, incluindo o de Manuel Vicente, presidente da Sonangol, a petrolífera estatal, alertou hoje uma organização anticorrupção em Londres.

    De acordo com a Global Witness, os registos da Sociedade de Hidrocarbonetos de Angola (SHA), publicados no Diário da República angolano em Abril do ano passado, nomeiam Manuel Domingos Vicente, nome do presidente da Sonangol, como um dos accionistas da SHA em Agosto de 2008, bem como Manuel Vieira Hélder Dias Júnior “Kopelipa”, chefe da Casa Militar do Presidente José Eduardo dos Santos.

    A Sonangol é a companhia criada pelas autoridades angolanas que atribui as licenças de exploração de petróleo, pelo que, a confirmar-se a presença do seu presidente na estrutura accionista da SHA, pode significar “abuso de poder”, afirmou Diarmid O’Sullivan, um dos activistas da Global Witness, em declarações à agência Lusa. — in Notícias Lusófonas, 4-Aug-2009 – 19:22.

  3. Impunidade em Portugal está a acabar?
    Por Orlando Castro

    Depois de conhecida a sentença do Tribunal de Sintra aplicada a Isaltino Morais, o procurador-geral da República, Pinto Monteiro, felicitou o “trabalho” do Ministério Público.

    Cá para mim, Fátima Felgueiras, Valentim Loureiro, Avelino Ferreira Torres e Pinto da Costa terão achado alguma, ou até muita, piada às declarações de Pinto Monteiro.

    Dizem as mesmas notícias (as tais que levaram Pinto Monteiro a dizer que “a justiça funciona e o sentimento de impunidade que existia em certos sectores está a acabar”) que a sentença será suspensa porque Isaltino Morais já apresentou recurso.

    Dizem as notícias (as tais que levaram Pinto Monteiro a dizer que “a justiça funciona e o sentimento de impunidade que existia em certos sectores está a acabar”) que o autarca não pretende desistir da sua recandidatura ao cargo de presidente da câmara de Oeiras.

    Dizem as notícias (as tais que levaram Pinto Monteiro a dizer que “a justiça funciona e o sentimento de impunidade que existia em certos sectores está a acabar”) que, afinal, se a impunidade está a acabar isso é apenas para os pilha-galinhas. — in Notícias Lusófonas, 03-08-2009.


OAM 611 04-08-2009 23:54 (última actualização: 05-08-2009 12:27)

4 responses to “Portugal 118

  1. António,

    100 isaltinos são menos graves do que um Freeport ou fecho da Portela.

  2. José,

    Neste terreno é sempre perigoso relativizar…

    Por exemplo, há quem defenda José Sócrates e Jorge Coelho, pelos mesmos motivos que outros defendem Dias Loureiro, Isaltino Morais ou o aldrabão-mor de Gondomar: “roubam, mas fazem” — é o argumento.

    O pior é que roubam, mas fazem mal — como dizia em tempos uma deputada italiana do Parlamento Europeu em visita ao nosso país.

    Se deixarmos de acreditar nos princípios, acaba por vencer a lei da selva.

  3. Ontem de tarde, na praia, debaixo de um nevoeiro de meter respeito, sublinhei esta citação do último número da revista TIME:
    .
    “even the most powerful cannot rule without the cooperation of the ruled”

    De Gandhi, bem a propósito deste postal

  4. CCz: « “even the most powerful cannot rule without the cooperation of the ruled” – De Gandhi, bem a propósito deste postal»

    Gandhi diz bem. Os governados “cooperam” porque acreditam naquilo que lêem nos jornais e vêem nas televisões. E os donos dos jornais e das televisões são também os donos dos políticos e respectivos partidos.

    Portanto, enquanto os “ruled” não forem buscar informação à Internet, a fazer um bypass aos Mass Media, não poderão fazer um bypass aos políticos e às máquinas partidárias. Limitar-se-ão a ser gado manso.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s