Portugal 143

O próximo presidente


Casa Pia: Jaime Gama perde processo contra ex-aluno

“… várias testemunhas ligadas à investigação e ao processo da Casa Pia afirmaram que o nome do actual presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, tinha sido apontado por quatro pessoas diferentes como estando envolvido em práticas pedófilas.” — in TVI24, 30.04-2009.

Jaime Gama questionou “perseguição” a Jorge Ritto

Ainda sobre Jorge Ritto, a ex-secretária de Estado relatou que no início de 1984 — já no Governo do Bloco Central (PS/CDS) — recebeu um telefonema do então ministro dos Negócios Estrangeiros, Jaime Gama, actual presidente da Assembleia da República, que a questionou sobre a razão de estar “a perseguir o diplomata Jorge Ritto”. — in Público, 11.01.2007.

Jovem implica Gama, Ferro e Paulo Pedroso

O jovem que está a prestar depoimento no julgamento do processo da Casa Pia implicou, ontem, o actual presidente da Assembleia da República, Jaime Gama, os ex- -dirigentes socialistas Ferro Rodrigues e Paulo Pedroso, o treinador-adjunto do Benfica Fernando Chalana e o ex-provedor Luís Rebelo em práticas de abusos sexuais. Questionado pelo advogado Ricardo Sá Fernandes, que representa Carlos Cruz, se foi abusado por outras pessoas que não estão a ser julgadas, a testemunha foi autorizada pela juíza Ana Peres a mencionar os nomes. in Diário de Notícias, 17.03.2006.

Se Jaime Gama se candidatar contra Cavaco Silva, votarei em Cavaco Silva. Se o mesmo Jaime Gama se candidatar contra uma hipotética candidatura de Marcelo Rebelo de Sousa, votarei em Marcelo Rebelo de Sousa. Ou seja, jamais votarei no batráquio que até agora nada disse publicamente sobre a pesada suspeita que sobre ele não deixou de pesar!

Porém, se for Manuel Alegre a opor-se de novo a Cavaco Silva, então votarei no poeta socialista, apesar do juízo crítico que faço ao seu titubeante comportamento. Há também a hipótese de Manuel Alegre se recandidatar —mas desta vez, contra Marcelo Rebelo de Sousa. Se assim vier a ocorrer, aí votarei neste candidato laranja, pois considero-o muito mais arejado do que o hirto Aníbal (de quem nunca gostei —confesso) e preferível em Belém a um escritor incerto e sem ideias claras sobre o futuro.

Estou convencido de que seja qual for o candidato cor-de-rosa —aquele que o PS de Sócrates e Soares elegeram já (Jaime Gama), ou o da esquerda em bloco (Manuel Alegre)—, o mesmo perderá as próximas eleições presidenciais. É seguramente esta mesma intuição que acabará por levar Cavaco Silva a recandidatar-se apesar do vómito de corrupção, inépcia, ignorância e cobardia estratégica, em que o regime se vem afogando.

Esta degradação do regime é aliás a melhor aliada objectiva da ambicionada reeleição de Cavaco Silva. A situação económica, e sobretudo financeira, continuará a deteriorar-se, recaindo cada vez mais o ónus de semelhante colapso sobre os partidos, o parlamento e o governo. O actual presidente dirá, muito simplesmente, quando lhe perguntarem porque nada ou pouco fez para remediar a situação, uma coisa simples: não dispunha de poderes suficientes para tal! Competirá pois a este parlamento, ou ao que lhe suceder, reparar semelhante fragilidade constitucional.

Como é fácil de perceber, o jogo de Cavaco nas actuais circunstâncias passa por interpretar e exercer os poderes presidenciais no limiar mínimo das respectivas competências. Por-se em bicos dos pés sem argumentos constitucionais suficientemente fortes para tal, seria um suicídio. E um suicídio presidencial no momento em que o resto do regime se afunda, seria o mesmo que enterrar Portugal por largas décadas!

Post scriptum — Porque esperam Alegre, e Cavaco? Há uma pressão crescente para que estes protagonistas se decidam rapidamente face às eleições presidenciais de 2011. Marcelo Rebelo de Sousa gostaria de saber se tem o caminho aberto para uma candidatura presidencial (creio que não tem); e Sócrates precisa urgentemente de um candidato presidencial capaz de servir de muleta à sua própria sobrevivência política até 2011. Como é bom de ver, dado o deserto político em matéria de potenciais candidatos presidenciais (Sampaio, uma das esperanças de Sócrates, já afastou liminarmente a hipótese), quer Cavaco, quer Alegre, estão razoavelmente à vontade em matéria de tempos de decisão. Podem e convém-lhes decidir o mais tarde possível, construindo entretanto redes de cumplicidades e apoios prontas a disparar quando o momento oportuno chegar. O actual presidente da república não quer ser visto como candidato quando se espera dele que presida (o que não tem feito com a coragem que o momento exige). Manuel Alegre, por sua vez, não sabe se Sócrates aguentará a pressão e não quer ser muleta dum anjo caído, sabendo que uma precipitação indevida poderia custar-lhe mais de 500 mil de votos à esquerda. A chantagem com uma possível aposta de José Sócrates e Mário Soares em Jaime Gama (que redundaria numa segunda derrota pírrica de Manuel Alegre, seja a favor e Cavaco, ou de Marcelo) não pode deixar de irritar o poeta de “Adeus às Armas”. Mas por outro lado, ceder a tão indecorosa chantagem, típica de uma seita partidária (que foi no que o PS se transformou), seria uma traição intolerável a quem votou e continua a precisar de votar num símbolo da esquerda democrática nas próximas eleições presidenciais.


OAM 658 06-12-2009 13:40 (última actualização: 07-12-2009 13:02)

3 responses to “Portugal 143

  1. Aquela cena da alteração da legislação sobre escutas das 3 primeiras figuras do estado foram feitas por causa de Gama. Ninguém me tira isso da cabeça.

  2. Miguel Sousa Tavares no Expresso: «essa anémona política que é Jaime Gama».

  3. Mas gostei de ver a esposa do Gaminha a partir a garrafa de chempanhe contra o Trident.

    Foi bonito de se ser, sendo certamente essa uma (se calhar a única) das contrapartidas. Quanto às outras, nada melhor do que perguntar ao Ricardo Salgado, ou ao Manel Pinhus. :DDD

    Mas vamos com calma que as presidenciais são bem capazes de se conjugar com as legislativas, sendo a “resultante” uma eleições “PROVIDÊNCIAIS”. 😀

    A

    Rui

    PS. Olha que o Costa do Castelo está a “pôr-se a jeito”. Se aquilo que conquistou e conseguiu em Lisboa ser possível no resto do “country” com o beneplácito Alegre, somos capazes de ter um “Obama à portuguesa”. 😀

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s