COP15-2

O balão de CO2 nem chegou a levantar
Chineses, Indianos e Brasileiros descobriram a careca da IETA – International Emissions Trading Assotiation.

John Law and the Mississippi Bubble by Richard Condie, 1978

Financing arrangements in which borrowing is necessary to repay debt is speculative finance.” — Hyman P. Minsky, Stabilizing An Unstable Economy (1986)

Ao contrário do que sempre se faz crer quando ocorre uma grande crise financeira, a dita nem é uma coisa nova (1), inesperada ou rara, nem será a última. Antes pelo contrário, enquanto durar a actual natureza do Capitalismo, as crises invariavelmente causadas pelas bolhas financeiras inventadas a partir de estratagemas especulativos para debelar os excessos de endividamento dos países e das grandes redes financeiras, tenderão a ser cada vez mais comuns e destruidoras do poder real de compra e bem-estar das populações.

A actual crise de endividamento catastrófico da maioria dos países desenvolvidos da Europa e da América, com especial destaque para os EUA, o Reino Unido, a França, a Itália, a Espanha, a Grécia, Irlanda, Islândia, Portugal, etc., é uma crise politicamente muito perigosa, pois está em jogo a deslocação do centro de gravidade do poder mundial, do Ocidente para o Oriente. Esta mudança de direcção dos ventos da História representa a alteração de um status quo global com quase 600 anos.

De facto, como muito bem analisa Paul Kennedy no seu seu excelente livro The Rise and Fall Of The Great Powers, por volta de 1415, quando os portugueses conquistaram Ceuta, dando origem ao primeiro grande ciclo de expansão marítima da Europa, a China, então um grande império, muito mais rico e desenvolvido do que os medievais reinos e condados europeus, acabara de interromper, em nome da coesão interna do território, ameaçada pelos mongóis, o que poderia ter sido a sua expansão marítima em direcção a África, Europa e… América!

O ano de 2015 parece, pois, ser a data que os chineses impuseram a si mesmos para restabelecer a superioridade estratégica perdida desde então. O seu território, que tenderá a estender-se pela despovoada Rússia dentro, a sua demografia, a sua economia, a sua riqueza soberana, e o progresso rapidíssimo da sua tecnologia e aptidão militar, fizeram-se sentir de um modo inesperado, mas pleno de consequências, na recente cimeira climática de Copenhaga. Muito simplesmente, sem hesitar um segundo, desfizeram a manobra euro-americana de indexar o ritmo de crescimento dos países emergentes a uma nova e virtualmente infinita bolha especulativa chamada Mercado de Emissões de CO2 Equivalente.

Barack Obama não encontra quem financie a imparável e descomunal dívida dos Estados Unidos, estando por isso duplamente furioso com as autoridades chinesas, cujo presidente Hu Jintao nem sequer se deu ao trabalho de voar até à gélida Copenhaga. A China não pode nem quer continuar a comprar papel higiénico verde como se fosse dinheiro. E também não permite que os piratas de sempre —Rothschild, J.P.Morgan, Goldman Sachs, Shell e as enguias de Bilderberg— montem um novo esquema piramidal, desta vez à escala planetária —nada menos do que um imposto universal e uma bolsa de valores obrigatória, com sede em Nova Iorque, claro!


Harder to buy US Treasuries

2009-12-18 0:13:35 — IT is getting harder for governments to buy United States Treasuries because the US’s shrinking current-account gap is reducing supply of dollars overseas, a Chinese central bank official said yesterday.

The comments by Zhu Min, deputy governor of the People’s Bank of China, referred to the overall situation globally, not specifically to China, the biggest foreign holder of US government bonds. …

… In a discussion on the global role of the dollar, Zhu told an academic audience that it was inevitable that the dollar would continue to fall in value because Washington continued to issue more Treasuries to finance its deficit spending.

He then addressed where demand for that debt would come from.

“The United States cannot force foreign governments to increase their holdings of Treasuries,” Zhu said, according to an audio recording of his remarks. “Double the holdings? It is definitely impossible.”

“The US current account deficit is falling as residents’ savings increase, so its trade turnover is falling, which means the US is supplying fewer dollars to the rest of the world,” he added. “The world does not have so much money to buy more US Treasuries.” in ShanghaiDaily.com.

NOTAS

  1. As chamadas “bolhas” especulativas têm aliás origem em dois famosos e inaugurais esquemas de especulação piramidal criados em França e na Inglaterra no primeiro quartel do século 18. Ficaram conhecidos por Mississippi Bubble e South Sea Bubble, sendo o herói principal de ambos os esquemas o famoso economista, jogador e aventureiro escocês John Law.
    Dubbed the “Enron of England”, the South Sea Bubble was one of history’s worst financial bubbles.

    The mania started in 1711, after a war which left Britain in debt by 10 million pounds. Britain proposed a deal to a financial institution, the South Sea Company, where Britain’s debt would be financed in return for 6% interest. Britain added another benefit to sweeten the deal: exclusive trading rights in the South Seas. The South Sea Company quickly agreed, because of the proximity to wealthy South American colonies. The company planned on developing a monopoly in the slave trade. Additionally it was thought that the Mexicans and South Americans would eagerly trade their gold and jewels for the wool and fleece clothing of the British. — in Stock Market Crash.

OAM 666 22-12-2009 00:45

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s