Portugal 174

Uma oportunidade para a Eurolândia

Anything that is too big to fail is too big to exist (Simon Johnson).

Vou começar por atacar Cavaco Silva. Ao contrário do que poderíamos pensar, nas actuais circunstâncias, nem a queda do actual governo e um cenário de eleições antecipadas poderão reforçar o anjo caído em que se transformou a velha estrela do PSD. Entre ataques de pânico e uma espécie de máscara de optimismo sedado, as aparições do actual presidente da república tornaram-se um sintoma mais da crise de regime que se precipitou —como previmos— e se prolongará ao longo de toda a presente década.

Vamos precisar de reorganizar a sociedade de alto a baixo, e de fazer algum sangue para o conseguir. Cavaco Silva, espécie de rainha de Inglaterra sem paraísos fiscais, não está à altura de liderar o desafio de mudança que temos pela frente. Daí que a invectiva que a ele dirijo seja esta: anuncie quanto antes, antes do Verão —amanhã!— se pretende ou não recandidatar-se ao lugar onde até agora não fez o que de si qualquer português inteligente esperava: impedir o descalabro, sem precedentes nos últimos setenta e quatro anos, em que estamos. Se anunciar a recandidatura, opor-lhe-hei os meus melhores argumentos. Se desistir já, como deveria, aplaudirei. O que não é tolerável é que continue nessa atitude de obstipação intelectual oportunista, como se o pais fosse uma aldeia de parvos. Decida-se!

Portugal substitui Grécia nos pesadelos dos investidores

O euro cai mais de 1%, a Europa fechou em queda ligeira e Wall Street também protagoniza perdas. Tudo por causa de Portugal.

Portugal substituiu hoje a Grécia no ‘top’ das preocupações dos investidores quando, por volta das 10 horas, a Fitch comunicou ao mercado que reduziu a classificação da dívida portuguesa para ‘AA-‘. Foi o primeiro ‘downgrade’ em 12 anos. — in Económico.

O PEC, em toda sua violência, é ao mesmo tempo a primeira e principal —porventura única— oportunidade que se nos depara para limpar o regime do lixo institucional, corporativo e cultural acumulado ao longo de trinta e cinco anos de democracia populista e corrupção político-partidária. Os partidos parlamentares vagueiam, como o governo vagueia, ao sabor das notícias, incapazes de pensar, de acertar uma ideia que seja, enfim de falar verdade. Vamos ter que os remexer!

A crise não é apenas portuguesa (1). Pois não! Mas a crise mundial da globalização precipitou (facto da maior importância) uma crise histórica portuguesa própria que larva desde a independência do Brasil. O que agora desaba com estrondo é um longo ciclo de 600 anos de colonialismo, é o vício autoritário da exploração permanente e sem remorso do próprio povo (nomeadamente através da recorrente válvula migratória), são nomenclaturas endogâmicas, indolentes e ignaras, é, em suma, a hipertrofia burocrática de um Estado bronco. É por isto tudo que, ao contrário do que afirma o optimista moderado Luís Campos e Cunha, estamos mesmo falidos! E fodidos também!!

Vamos todos, menos os banqueiros e o bando de piratas que nos governa, apertar o cinto. É uma realidade que nenhum debate parlamentar, nem nenhum sindicalista obtuso, conseguirá travar. Mas ao contrário do que se alardeia, os portugueses estão preparados para o saque, até porque sentem ter também alguma culpa no cartório, quanto mais não seja, pela circunstância de terem aproveitado sem crítica a abundância inusitada de dinheiro forte e crédito quase ilimitado e a custo desprezível que lhes foi sendo oferecido após a entrada no euro. Mas atenção: depois de consumada a sangria de vampiros que se prepara contra os bolsos contribuintes, o país nunca mais será o mesmo. E mais de um político estouvado, manhoso ou corrupto, acreditem, será engolido pela enxurrada que nascerá do colapso fiscal em curso.

Precisamos, como de pão para boca, de deixar renascer a iniciativa privada produtiva e a criatividade. Temos que corrigir o Estado —tornando-o forte, fiável e transparente onde é preciso que esteja (energia, água, saúde, supervisão financeira e justiça), aliviando-o ao mesmo tempo dos sectores onde está a mais. É, por outro lado, fundamental quebrarmos a santa e corrupta aliança entre os aristocratas financeiros, os governantes de turno e os prostitutos que medram nos apartamentos clandestinos a que chamam gabinetes de estudo.

The Quiet Coup
May 2009 ATLANTIC MAGAZINE
By Simon Johnson

The crash has laid bare many unpleasant truths about the United States. One of the most alarming, says a former chief economist of the International Monetary Fund, is that the finance industry has effectively captured our government—a state of affairs that more typically describes emerging markets, and is at the center of many emerging-market crises. If the IMF’s staff could speak freely about the U.S., it would tell us what it tells all countries in this situation: recovery will fail unless we break the financial oligarchy that is blocking essential reform. And if we are to prevent a true depression, we’re running out of time.

Cleaning up the megabanks will be complex. And it will be expensive for the taxpayer; according to the latest IMF numbers, the cleanup of the banking system would probably cost close to $1.5 trillion (or 10 percent of our GDP) in the long term. But only decisive government action—exposing the full extent of the financial rot and restoring some set of banks to publicly verifiable health—can cure the financial sector as a whole.

This may seem like strong medicine. But in fact, while necessary, it is insufficient. The second problem the U.S. faces—the power of the oligarchy—is just as important as the immediate crisis of lending. And the advice from the IMF on this front would again be simple: break the oligarchy.

The conventional wisdom among the elite is still that the current slump “cannot be as bad as the Great Depression.” This view is wrong. What we face now could, in fact, be worse than the Great Depression—because the world is now so much more interconnected and because the banking sector is now so big. We face a synchronized downturn in almost all countries, a weakening of confidence among individuals and firms, and major problems for government finances. If our leadership wakes up to the potential consequences, we may yet see dramatic action on the banking system and a breaking of the old elite. Let us hope it is not then too late. 

Vale a pena ler todo este clarificador testemunho sobre a perversão financeira que tomou de assalto a economia capitalista mundial, à excepção, claro, da China. O que hoje estamos a assistir nos Estados Unidos e na Europa é à escandalosa tentativa de especular com as dívidas soberanas por parte dos mesmíssimos especuladores, da mesmíssima estirpe de Wall Street —Goldman Sachs, JP Morgan e afins— que engendrou a economia de casino dos últimos trinta anos, parindo a ilusão de que as empresas, os estados e as famílias podiam endividar-se à mesa de um interminável banquete. Percebemos agora aquilo que no fundo já sabíamos: não há almoços grátis!

É por isso que uma amiga minha canadiana, que o meu país não soube acolher como devia, me aconselhava: não se deixem enredar nos mecanismos perversos da inveja (se os pilotos da TAP ganham muito ou não, se os automóveis adquiridos pela Assembleia da República são de luxo ou não, etc.) O importante é atacar a rede que a aristocracia financeira lançou sobre a sociedade portuguesa no seu conjunto, auxiliada pelos lacaios político-partidários, com o objectivo de controlar de forma sanguínea todo o tecido produtivo, social e cultural do país. É esta aliança fatal que tem que ser rompida! E para isso haverá que expor publicamente os neoliberais caninos que falam indistintamente em nome do socialismo e da democracia. E haverá que reunir os profissionais sérios deste país, estejam onde estiverem, em nome de uma verdadeira restauração do regime democrático, onde a ética da transparência, da responsabilidade pública e da liberdade criativa substituam a canga autoritária do estalinismo capitalista dominante, a cobardia burocrática e a subsidio-dependência.

As administrações políticas e incompetentes da NAER, da Refer, da TAP, da CP, do Metro de Lisboa, etc., devem ser substituídas por gente séria, independente e liberta de imposições político-partidárias. As SCUT e as corrompidas parcerias público privadas devem pura e simplesmente acabar. O Serviço Nacional de Saúde deve ser mantido como um direito universal e gratuito (“tendencialmente” gratuito é um sofisma), assegurando-se ao mesmo tempo a eficiência e responsabilidade económica de todos e cada um dos seus sectores económicos e profissionais nele envolvidos (2). Os bancos têm que pagar impostos e ser vigiados, não apenas pelos governos nacionais, mas também pelo BCE e por um Fundo Monetário Europeu a criar. Têm que ser implementadas regras exigentes no domínio do tráfico de influências e das incompatibilidade deontológicas. Os cidadãos têm direito de exigir do Estado um banco público que não funcione como saco azul dos partidos no governo, nem se envolva em manobras de gangues político-financeiros, nem muito menos comprometa o dinheiro dos contribuintes e dos depositantes, em operações com produtos financeiros especulativos ou mesmo fraudulentos. Ou seja, temos que exigir a refundação da Caixa Geral de Depósitos nos termos da sua vocação original. Ao mesmo tempo, os portugueses deverão poder promover a constituição de novas cooperativas independentes de depósitos isentos de IRS e IRC, com o objectivo público bem delimitado de fazer regressar a poupança ao país.

Há toda uma agenda nova para discutir. Sobretudo depois da cimeira europeia deste fim-de-semana, de onde se espera que saia algum fumo vermelho capaz de sustar a ofensiva anglo-americana contra o euro (3), bem como a criação de uma instância de coordenação económica efectiva da zona euro. A janela de oportunidade da União Europeia pode encerrar temporariamente para obras. Mas isso significaria o colapso instantâneo da Grécia, e atrás de semelhante desastre seguir-se-iam inevitavelmente Portugal e Espanha.

Gaps in the eurozone ‘football league’

By Wolfgang Münchau from the Financial Times
March 21 2010

At last we are heading towards a resolution, albeit a bad one. After weeks of pledges of political and financial support, Angela Merkel appears ready to send Greece crawling to the International Monetary Fund.

Germany cites legal reasons for its position. In past rulings, its constitutional court has interpreted the stability clauses in European law in the strictest possible sense. These rulings have left a deep impression among government officials. It is hard to say whether this argument is for real or is just an excuse not to sanction a bail-out that would be politically unpopular. It is probably a combination of the two.

I have heard suggestions that a deal may still be possible at this week’s European summit, but only if everybody were to agree to Germany’s gruesome agenda to reform the stability pact. That would have to include stricter rules and the dreaded exit clause, under which a country could be forced to leave the eurozone against its will. I am not holding my breath.

But either outcome will mark the beginning of the end of Europe’s economic and monetary union as we know it. This is the true historical significance of Ms Merkel’s decision.

While Greece faces the most acute difficulties, it is not the only member in trouble. There are at least four – Greece, Spain, Portugal and Ireland – that are probably not in a position to maintain a monetary union with Germany under current policies indefinitely. There may be several more, where the problems are not yet quite so evident. In the presence of extreme current account imbalances and a lack of bail-out or fiscal redistribution mechanisms, a monetary union among such a diverse group of countries is probably not sustainable.

A crise financeira actual decorre do rebentamento consecutivo de pelo menos quatro bolhas especulativas: a primeira delas, e a mais importante, resultou da especulação cambial promovida pelo Japão ao longo de décadas com vista a financiar as suas exportações (o chamado Yen Carry Trade), na senda da qual se montou a grande bolha imobiliária das hipotecas Subprime. Por sua vez a Goldman Sachs, com o objectivo de ultrapassar o crescimento medíocre das economias ocidentais, inventou um conjunto de produtos financeiros opacos destinados a escalar de forma piramidal o endividamento das pessoas, empresas e governos muito para além do imaginável, criando-se assim o maior buraco negro financeiro de sempre, conhecido por mercado de derivados financeiros (ou derivatives) cujo valor nocional de 684 biliões de USD (em Junho de 2008) corresponde a qualquer coisa como 10x o PIB mundial. Para este buraco se precipitaram bancos, fortunas pessoais, milhões de casas hipotecadas cujas hipotecas foram executadas pelos bancos, e agora estados inteiros, como a Islândia, e quem sabe, dentro em breve, a Irlanda, a Grécia, Espanha e Portugal. Mas os grandes colapsos que gigantescas forças tectónicas neste momento abalam ocorrerá muito provavelmente em Inglaterra e nos Estados Unidos da América. A Grécia e Portugal podem não passar, efectivamente, de manobras de diversão!

E aqui chegados volto uma vez mais a insistir no fundamental: tudo isto é resultado de uma mudança tectónica do principal eixo do poder estratégico mundial, o qual vem sofrendo uma irremediável deslocação do Ocidente para o Oriente.

In April 2009 China became Brazil’s largest trading partner, a position which, for centuries, has correctly anticipated major scissions in world leadership. Since, two hundred years ago, the United Kingdom brought an end to three centuries of Portuguese hegemony, it is only the second occasion that this has happened (the United States indeed replaced the United Kingdom at the beginning of the 1930’s as Brazil’s major trading partner) — in GEAB Nº43.

Depois do fracasso da Cimeira de Copenhaga, onde a Europa e os Estados Unidos tentaram meter todo o mundo e em particular os países emergentes dentro de uma bolha verde especulativa —manobra que foi expeditamente impedida pela China, Brasil e  Índia— era inevitável assistirmos ao rebentamento da bolha especulativa das chamadas dívidas soberanas. Tal como os cidadãos empobrecidos compraram casas sem terem condições para tal, também largas dezenas de governos em todo o mundo se entretiveram numa competição de obras públicas mais ou menos faraónicas, que agora têm que pagar, mas não podem… pois a pirâmide especulativa dos empréstimos em cadeia quebrou. Quem deve ir preso? Muita gente!

The China Brazil food bridge
By Marcos Fava Neves (chinadaily.com.cn)
Updated: 2009-08-31 18:12

Brazil has become much more important to China in the last 10 years. The flows of trade between China and Latin American countries rose from US$10 billion in 2000 to US$140 billion in 2008. Fifteen percent of Brazil’s exports goes to China in 2009, up from eight percent just a year ago.

… In the coming years Brazil has an opportunity to be the most important partner to supply food and biofuels. Soybeans exports from Brazil to China grew 27 percent in 2009 from a year ago.

Na China 7% da terra arável do planeta alimenta parcialmente 22% da população mundial, com todos os graves inconvenientes que desta desproporção insustentável resultam, nomeadamente no que respeita a dois fenómenos que preocupam em extremo os chineses: a contaminação ambiental por via das quantidades astronómicas de adubos utilizados, e a desertificação provocada pelo pastoreio intensivo que levou já ao avanço catastrófico do deserto de Gobi sobre a região de Pequim. Percebe-se, pois, o valor estratégico de países como o Brasil (o maior produtor potencial de alimentos do planeta), mas também do Médio Oriente (Arábia Saudita, Iraque e Irão) e África (nomeadamente o corredor entre Angola e Moçambique) para o abastecimento de energia, matérias primas e alimentos.

Enquanto os países ocidentais têm sobretudo que regressar à economia real, destruindo sem hesitação a letal aristocracia financeira que os colocou no aperto em que estão, a China e o Brasil, acompanhados pela OPEP, têm um problema bem mais interessante pela frente: começar a dar as cartas do novo jogo de estratégia mundial.

POST SCRIPTUM

Um leitor atento e crítico deste blogue chamou a minha atenção para o crony capitalism (uma espécie de capitalismo tradicional entre nós, essencialmente baseado nas relações familiares —endogamia—, na cunha e na opacidade burocrática dos processos de gestão). Este é um problema geral do capitalismo tardio, nomeadamente na área financeira, onde se reúnem hoje os aristocratas do estalinismo capitalista que desde 1974 predomina no Ocidente (Wall Street, Clube Bielderberg, G7, Reserva Federal, Goldman Sachs, J.P. Morgan, etc.) Na realidade, temos dois problemas por atacar: o do capitalismo endogâmico, que ameaça destruir suavemente as democracias ocidentais, sob o manto protector de regimes parlamentares populistas; e o da captura do capitalismo produtivo e da liberdade criativa pela mancha corrupta e insaciável do capitalismo financeiro fraudulento, assente em modelos Ponzi de especulação e roubo, complexos e de difícil detecção, solidamente protegidos pela meia centena de paraísos fiscais na posse, entre outros, da rainha de Inglaterra. Esta espécie de tenaz é hoje o principal inimigo da liberdade e a mais poderosa ameaça à sustentabilidade das sociedades humanas. O buraco negro dos chamados derivados financeiros é o resultado tenebroso desta forma decadente de capitalismo. Se a não travarmos agora poderemos caminhar rapidamente para o colapso geral das sociedades, à semelhança do qe ocorreu na ilha da Páscoa (ler a propósito o excepcional livro de Jared Diamond, Collapse).

Há, porém, outro problema igualmente geral, do qual somos todos —pelo menos no mundo Ocidental— parcialmente responsáveis, chamado consumismo. A receita keynesiana para resolver o problema social resultante do aumento da produtividade humana (que induz a queda tendencial da taxa de lucro, a inflação, o desemprego, as crises de sobre-produção, a deterioração dos termos de troca mundial, favorecendo a exportação da economia real para os países de mão-de-obra barata, e os colapsos financeiros resultantes da especulação nos mercados) falhou. Expandir o consumo interno das sociedades levou-nos a uma crise de recursos e ambiental sem precedentes!

A minha amiga canadiana, que deu origem a este escrito, recomendou-me a leitura de um economista americano de origem norueguesa e do século 19, que muito antes da crise de 29 (aliás viria a morrer nesse ano) denunciou os perigos do que ele chamou o consumo conspícuo. Esse economista foi Thortein Veblen, e o seu mais famoso livro —Theory of the Leisure Class (1899)— deveria ser efectivamente relido por quem tencionar escrever um verdadeiro programa para a saída da presente crise do capitalismo ocidental.

NOTAS

  1. Has Germany just killed the dream of a European superstate? 

    By Ambrose Evans-Pritchard from the Telegraph

    A Greek default would alone be twice the size of the combined defaults by Argentina and Russia. Contagion across Club Med would instantly set off a second banking crisis.

    So, it is not enough for the EU to impose a fiscal squeeze of 10pc of GDP on Greece, 8pc on Spain, and 6pc on Portugal, and 5pc on France over three years, we need a dose of 1930s monetary policy as well to make sure life is Hell for everybody.

    Be that as it may, Greece’s George Papandreou says his country is in the worst of both worlds, suffering IMF-style austerity without receiving IMF money – which comes cheap at around 3.25pc. So why allow his country to be used as a “guinea pig” – as he put it – by EU factions pursuing conflicting agendas?

    The IMF option has its limits too. The maximum ever lent by the Fund is 12 times quota, or €15bn for Greece, not enough to nurse the country through to June. The standard IMF cure of devaluation is blocked by euro membership. So Greece will have to sweat it out with a public debt spiralling to 135pc of GDP next year, stuck in slump with no exit route.

    The deeper truth that few care to face is that under the current EMU structure Berlin will have to do for Greece and Club Med what it has done for East Germany, pay vast subsidies for decades. Events of the last week have made it clear that no such money will ever be forthcoming.

    Let me be clear. I do not blame Greece, Ireland, Italy, or Spain for what has happened. No central bank could have tried more heroically than the Banco d’España to counter the effects of negative real interest rates, but the macro-policy error of monetary union washed over its efforts.

    Nor do I blame Germany, which generously agreed to give up the D-Mark to keep the political peace. It was the price that France demanded in exchange for tolerating reunification after the Berlin Wall came down.

    I blame the EU elites that charged ahead with this project for the wrong reasons – some cynically, mostly out of Hegelian absolutism – ignoring the economic anthropology of Europe and the rules of basic common sense. They must answer for a depression.

  2. Não deixa de ser uma ironia que no preciso momento em que Barack Obama consegue fazer aprovar a implementação do Serviço Nacional de Saúde nos Estados Unidos, em Portugal, a turma de piratas e oportunistas capitaneada pelo “socialista” José Sócrates continue alegremente a destruir o SNS criado pelo próprio PS quando ainda havia socialistas na sua direcção.
  3. … a global monetary war has started, with Washington and London trying to defend their currencies against the new kids on the block such as the Euro and the Yuan.

    … in the coming years the Eurozone needs to create a kind of ‘Rapid Financial Deployment Force’, such as a European Monetary Fund, dedicated to the sole Eurozone interests. One reason being that the Eurozone can no longer trust the IMF (in Washington’s hands) to respect its own interests rather than those of the Dollar. — in Eurozone needs a Economic Governance: Let’s transform the Greek tragedy into the first Eurozone epic, by Franck Biancheri, Marianne Ranke-Cormier, Veronique Swinkels, Margit Reiser-Schob Newropeans.

OAM 674—25 Mar 2010 1:39

2 responses to “Portugal 174

  1. Excelente texto !

    1. PF consulte «crony capitalism» no wikipedia.

    2. TGV LX-Madrid seria/será mais do mesmo.

    3. Quem, em Portugal, vive da economia real, é a sua metade Norte…

  2. A revolta do POVO contra o cartel bancário já começou! Para os mais distraídos, vale sempre a pena lembrar que na semana passada o povo da ISLANDIA, em referendo demonstrou que o POVO acordou e não quer ter de pagar a escandalosa dívida da ICESAVE (banco privado que foi à falência e depois nacionalizado…)

    E engane-se quem pensar que isto vai ficar por aqui… nos EUA está-se a gerar um movimento popular muito forte que apela ao “Show US the Birth Certificate”;

    Este movimento popular de massas exige que o actual “ocupante ilegal” da casa branca mostre o certificado de nascimento GENUÍNO de “Barack Obama” (entre aspas, pois estenão é o seu verdadeiro nome! – dizem que o seu verdadeiro nome é Barry Santoro – ou qualquer coisa parecida com isto).

    É que na Constituição Americana está bem esplícito que só um Americano, nascido em SOLO AMERICANO pode ser presidente dos EUA… e Barry Santoro não cumpre este requisito!

    As massas populares JÁ estão em movimento… preaprem-se

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s