Portugal 178

Uma esperança cor-de-laranja
Afinal parece que há um diamante no PSD

Se as sondagens não descolarem em Janeiro [de 2009, Manuela Ferreira Leite] deveria mesmo demitir-se e dar lugar aos jovens turcos do partido. O Pedro Passos Coelho, se não tiver teias de aranha nos sótãos por onde andou, talvez seja a melhor alternativa do PSD nas presentes circunstâncias. — in O António Maria (25 Novembro 2008)

Acabei de ouvir o discurso de encerramento do congresso laranja da boca do seu novo e jovem líder, Pedro Passos Coelho.  O contraste com José Sócrates, e mesmo com a generalidade dos políticos que nos trouxeram até à crise aguda em que estamos (Cavaco Silva incluído), foi flagrante. Em vez de papaguear pelo tele-ponto o discurso escrito por qualquer coacher contratado para o efeito, falou durante cerca de uma hora, claramente, com eloquência que baste, sem floreados, indo directo à ideologia, e chamando os bois da falta de decência e da corrupção pelos nomes, sem por isso precisar de entrar em pormenores mais ou menos sórdidos. Falou sem rede dos problemas sérios que temos pela frente, das correcções inadiáveis que é preciso fazer no actual regime constitucional, e sobretudo do pouco tempo que temos para dar a volta ao estado miserável em que os piratas do PS e os barões do PSD, mais os anões à esquerda e à direita do espectro parlamentar, deixaram Portugal ao fim de 35 anos de democracia.

A quase ausência dos barões, condes e escribas neste congresso é um sinal muito revelador do que poderemos esperar da nova liderança do PSD. Não terá sido por acaso que este congresso teve lugar em Carcavelos, onde vivo e onde o PSD domina desde 1974 (apesar do meu voto ter ido sempre parar ao PS, até às penúltimas eleições). A presidente da Junta de Freguesia, Zilda Costa da Silva, é uma mulher prática e tem motivos para estar hoje muito satisfeita. O congresso que confirmou a nova maioria dirigente do PSD ocorreu a escassos quinhentos metros da minha praia, onde todos os dias, chova ou faça Sol, centenas de surfistas e praticantes de bodyboard, contribuem para fazer de Lisboa (à grande urbe me refiro) o melhor destino europeu para 2010. O congresso não foi na Quinta da Marinha, mas em Carcavelos (mais precisamente nos Lombos Sul), e este simples facto faz toda a diferença que era preciso fazer!

Ao preparar esta reacção à confirmação de Passos Coelho dei-me conta que já lhe havia dedicado (1) sete artigos favoráveis e uma referência desagradável, desde 2008. E sabem uma coisa: acertei no vaticínio inicial! Além de ter previsto em Novembro de 2008 que o jovem político sucederia a Manuela Ferreira Leite, confirmou-se o meu desejo de que houvesse uma separação de águas ideológica entre o PSD e o PS.

A nova liderança cor-de-laranja defende um posicionamento muito próximo do dos democratas norte-americanos — espécie de feliz fusão criativa das ideias dos três mosqueteiros agora encarregues de preparar uma alternativa certa à falida farra “socialista”. Não foi por acaso que Passos Coelho deu ao seu livro de combate para esta caminhada o título Mudar (Change), numa clara referência à principal consigna programática que levou Barack Obama ao poder. A mensagem é clara e vai originar uma praxis correspondente, sob pena de morrer à nascença. Tal como Obama chegou a uma América exangue e desmoralizada, com o firme propósito de alterar algumas regras do jogo e de impor decência ao mais poderoso país do planeta, também nós esperamos que Passos Coelho e a nova direcção do PSD sejam capazes de instaurar uma nova linguagem política e de renovar a democracia no sentido de uma radicalmente diversa cooperação entre os eleitos e os respectivos eleitores.

Pedro Passos Coelho começou desde hoje a impor um novo ritmo ao país. Cavaco Silva, pelo semblante esverdeado de Nunes Liberato, já terá percebido o recado: se o actual presidente da república se sente bem com os poderes que tem, o melhor mesmo é fazer-se a revisão constitucional antes das eleições presidenciais. Além do mais, a Assembleia da República não tem que pedir licença, nem ao governo, nem ao presidente, para fazer a sua obrigação, ou exercer os seus poderes próprios. O recado foi uma carambola certeira para Sócrates e Cavaco. Sempre quero ver como irão reagir estas duas desacreditadas criaturas do regime.

Fortalecer o Estado onde este precisa, e libertar a sociedade civil da presença burocrática, autoritária e corrupta do Estado onde quer que este asfixie a liberdade e a criatividade democráticas, é a revolução tranquila de que precisamos. Estabelecer uma verdadeira rede social —física, pessoal e electrónica— entre o poder delegado pelo voto e a cidadania, é outra mudança inadiável de que o actual regime necessita urgentemente para atacar com sucesso a presente crise, e sobretudo livrar-se do demo-populismo que nos conduziu ao actual estado de coisas. Finalmente, olhar o mar de frente e retomar o pensamento estratégico como a única alavanca efectiva que nos permitirá sair do aperto diplomático em que estamos, é o caminho certo que Luís Amado, sendo um bom ministro, não conseguiu seguir com a determinação desejável. Estamos a um passo de sermos postos temporariamente fora do euro-marco, e a outro de vermos a Espanha de Madrid substituir Portugal no nosso próprio território aéreo-marítimo. As velhas alianças atlânticas estão sob pressão, se é que não ruíram já. E as novas querem nascer e nascerão em breve. A oportunidade para Portugal é de ouro. Mas se a desperdiçarmos, ficaremos sob um domínio efectivo espanhol por todo este século, ou mais!

A vitória de Pedro Passos Coelho —um pai de família normal, com profissão e morada certas— acaba de colocar uma nova geração no poder. O caso de polícia em que se transformou o PS e o seu intolerável líder facilitarão sem dúvida a vida ao próximo poder laranja que em breve assumirá a governação do país. Mas já agora, os tempos que se vão seguir poderiam ser também uma boa oportunidade para levar Francisco Assis e António José Seguro, entre outros, a unir esforços para refundar o Partido Socialista, como Passos Coelho acaba de refundar o Partido Social Democrata.

NOTAS

  1.  Passos em frente; A armadilha de Cavaco; Para Passos Coelho, Cavaco é um empata; Se o Pedro Passos Coelho…; O PSD precisa de sumo novo!; Geração Europa e a proximidade de Aquarius (este artigo versa, na realidade, o furacão Paulo Rangel, e é de facto injusto para Passos Coelho); Economistas lentos; Excitações da semana/ “Relvas lança ‘think-tank’ para preparar 2009”.

OAM 679—11 Abril 2010 17:57

3 responses to “Portugal 178

  1. António.

    Por vezes aprecio o teu estilo “mordaz”. Conheces melhor PPC do que o escreves e estás à espera de outros desenvolvimentos que não queres referir.

    Vai ser um “fiasco” ajudado pelo “A guiar em Branco” e pelo “Cabeçudo”.

    No final, o “palanque” era pequeno para tanta “unanimidade”, …, ou será para o “ego” do próprio?

    A

    Rui

  2. Eu ainda não cheguei à categoria do Vasco Pulido Valente. Sou por natureza um optimista, apesar dos cenários negros que traço! Tomo por princípio as palavras pelos valores faciais nelas inscritos, com a informação que, por outro lado, vou dispondo. No caso, de uma coisa estou certo: o nosso Pinóquio não presta, e pode ter surgido uma alternativa. A ver vamos. Já escrevi oito vezes sobre o PPC. Por enquanto há esperança!

  3. António.

    Segundo a “Paulinha” – Angelo Correia a “coisa” já evoluiu de uma corrida de egos para uma de narizes.

    A

    Rui

    PS. Aquela da alteração da Constituição por parte do PS matou a em 24 horas a do PPC. Vai o PPC ter de encontrar outra e perceber que nisto quem marca a agenda é o PS e não o PSD.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s