Portugal 189

PRACE, um programa ambicioso controlado pela nomenclatura partidária

“O PRACE foi o maior programa de reestruturação da Administração Central desde o Mouzinho da Silveira e custou 150 mil euros, porque foi feito por técnicos da Administração. Isto mostra que é possível fazer-se sem ir ao exterior.”

“… o então ministro da Administração Interna [António Costa] dizia que não fazia sentido que na direcção nacional da PSP os polícias servissem à mesa. Nem isto se conseguiu mudar.” — João Bilhim, sobre o PRACE, in Público (05 Abril 2010).

O PRACE, que mal aplicou as orientações técnicas traçadas, só incluiu o sector da Administração Central. E as Empresas Públicas? E as parcerias público-privadas? E as mordomias não nomeadas: cartões de crédito, carros, motoristas, telemóveis, etc., etc? Provou-se que é possível poupar centenas de milhões de euros em estudos que as práticas corruptas das últimas décadas têm desviado sistematicamente para os escritórios clandestinos dos partidos. Mas também verificamos, ao ler o testemunho desencantado de quem nele investiu o seu melhor, que a burocracia e a voracidade partidária trucidaram boa parte das aplicações recomendadas.

O grande problema da democracia populista que temos foi a transformação do Estado numa coutada privada dos partidos políticos e a hipertrofia que se lhe seguiu. Desfazer este novelo de dispêndio injustificado (financiado pela via fiscal à custa do empobrecimento geral do país e duma barreira burocrática erigida permanentemente contra a produtividade económica), tem-se revelado uma missão impossível. Ultrapassar a ineficiência administrativa, o concubinato,  a endogamia, e a corrupção endémica do actual sistema político, de que o Estado é emanação orgânica, vai ter que ser obra para outro regime. O que temos, já entrou em fase de putrefacção irreversível.

Valha-nos a sorte de a Alemanha empobrecida, em boa medida por causa dos mares de dinheiro que fez chegar a muitos países europeus, estar farta. O actual presidente da Eritreia (ler artigo na Monocle) pode ser um doido, mas tem razão numa coisa: a ajuda financeira internacional corrompe os povos!

OAM 699 — 3 Maio 2010 12:51

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s