Portugal 190

Não estamos sós

BIS — Public debt/GDP projections
“…a decision to raise the retirement age appears a better measure than a future cut in benefits or an increase in taxes. Indeed, it may even lead to an increase in consumption…” — BIS, Março 2010.

The future of public debt: prospects and implications
Stephen G Cecchetti, M S Mohanty and Fabrizio Zampolli
© Bank for International Settlements 2010.  [PDF]

“Since the start of the financial crisis, industrial country public debt levels have increased dramatically. And they are set to continue rising for the foreseeable future. A number of countries face the prospect of large and rising future costs related to the ageing of their populations. In this paper, we examine what current fiscal policy and expected future age- related spending imply for the path of debt/GDP ratios over the next several decades. Our projections of public debt ratios lead us to conclude that the path pursued by fiscal authorities in a number of industrial countries is unsustainable. Drastic measures are necessary to check the rapid growth of current and future liabilities of governments and reduce their adverse consequences for long-term growth and monetary stability.”

“According to the OECD, total industrialised country public sector debt is now expected to exceed 100% of GDP in 2011.”

“From this exercise, we are able to come to a number of conclusions. First, in our baseline scenario, conventionally computed deficits will rise precipitously. Unless the stance of fiscal policy changes, or age-related spending is cut, by 2020 the primary deficit/GDP ratio will rise to 13% in Ireland; 8–10% in Japan, Spain, the United Kingdom and the United States; and 3– 7% in Austria, Germany, Greece, the Netherlands and Portugal.”

Educação

Ao ouvir uma vez mais Medina Carreira vociferar contra o estado do país, desta feita no reiterativo, proclamatório, mas já um pouco arrastado Plano Inclinado da SIC-N, abordando neste fim-de-semana as supostas causas da degradação do ensino, percebi duas coisas: que não podemos simplificar demasiado o que não é simples, nem devemos exagerar o alarido. Ambas as atitudes comportam uma redução do pensamento e da compreensão dos fenómenos, e por conseguinte, insistir num tal estilo de retórica acaba por estiolar a motivação primeira, porventura generosa, do aviso à navegação.

A massificação do ensino caminha desde a década de 1970 ao lado do que poderíamos chamar, para facilitar, um ensino de qualidade, diversificado, cada vez mais especializado e sujeito a critérios exigentes de avaliação, tanto do lado de quem aprende, como do lado de quem ensina. Há por conseguinte um ensino de massas orientado sobretudo para as estatísticas e para a ocupação de exércitos crescentes de indivíduos sem lugar no mercado de trabalho, nem sequer nas actividades de diversa índole, burocrática, educativa, médica, social, ambiental, etc., que os governos têm vindo a promover no rescaldo das crises estudantis ocorridas nos Estados Unidos e na Europa na década que vai sensivelmente de meados de 1960 até meados de 1970. Mas também houve, há e haverá sempre um ensino reservado à formação das elites dirigentes e à produção efectiva do saber, onde a exigência e a competição são cada vez maiores.  Curiosamente, cresceram ambos a ritmos verdadeiramente exponenciais! Para entender com alguma consistência a complexidade deste fenómeno recomendo sempre a leitura do muito elucidativo The End of Work, escrito por Jeremy Rifkin.

Portugal apenas chegou tarde à educação de massas, cuja competição estatística externa estimula precisamente a substituição do ensino baseado no funil do numerus clausus, nos TPC (Trabalhos Para Casa), nos exames e nos chumbos por faltas ou mau comportamento, por um ensino tolerante, sobretudo destinado a ocupar os tempos livres da juventude enquanto cresce, proporcionando-lhe ambientes cognitivos e criativos tendencialmente imersivos. Tudo o que as mais recentes e escandalosas reformas educativas têm vindo a introduzir no nosso sistema de ensino tem que ver com esta adaptação a uma tendência pedagógica geral no Ocidente pós-industrial. A rápida expansão desta tendência no âmbito do que poderíamos chamar a reprodução pós-moderna da força de trabalho conduziu a uma degradação dos níveis de aptidão pedagógica dos milhões de professores que foi preciso preparar ao longo deste processo de massificação educativa — cujo perímetro, por sua vez, foi sendo sucessivamente alargado, desde o infantário até às universidades da terceira idade, passando pela criação de níveis sucessivos (e de acesso alargado) de pós-graduação: mestrado, doutoramento, pós-doutoramento.

De um ponto de vista estatístico, a base de recrutamento profissional, nomeadamente para as áreas avançadas de conhecimento, aumentou exponencialmente. Mas o resultado paradoxal desta massificação é o desemprego estrutural crescente entre licenciados, mestres, doutores e pós-doutores! Outro resultado, ainda mais nefasto para as economias, é a insustentabilidade orçamental desta fuga em frente perante os desafios da destruição tecnológica do trabalho humano. O que hoje se esconde na demagogia dos discursos políticos, corporativos e sindicais sobre a educação, é a motivação original do projecto da sua massificação. Enquanto não formos capazes de pensar numa sociedade pós-capitalista, onde a actividade humana substitua a exploração do trabalho, ou pelo menos possa caminhar a seu lado como horizonte possível de libertação, sem se ver castigada por regimes irracionais e improdutivos de sujeição disciplinar ao Estado fiscal, a discussão sobre a crise educativa será sempre um tumulto de vozes sem sentido. Olhai para os artistas livres, apreciai o perfume de um botão de rosa prestes a desabrochar, e só depois falai de educação! Não é trabalho, aquilo de que precisamos no futuro. Mas sim de arte, de partilha de bens e serviços, de festas e de um novo horizonte amoroso. É muito mais difícil do que disputar as migalhas minguantes dos orçamentos. Mas é sem dúvida muito mais estimulante para a nossa sensibilidade e para a nossa inteligência.

Economia

Quem navega pela Net, lê os jornais e vê televisão, terá reparado que os discursos sombrios sobre Portugal não param de aumentar em quantidade e intensidade. Há bons motivos para tal. Mas seria útil entendermos que a nossa crise, apesar das suas peculiaridades, não é particularmente original, e pelo contrário reflecte uma crise geral, ou sistémica, do capitalismo, com contornos aliás comuns em todos os países industrializados.

Os Estados Unidos, a Europa Ocidental e o Canadá estão confrontados desde o início das guerras anti-coloniais na Índia e na Indochina, e depois em África, com a perspectiva de uma dramática adaptação a um mundo efectivamente multipolar, assente no direito internacional, onde o uso da força militar para impor vantagens de um país sobre outro se foi tornando cada vez menos tolerável.

Nem por isso, no entanto, deixou a generalidade dos países desenvolvidos saídos da Segunda Guerra Mundial, de tentar dividir o mundo a seu favor. O resultado foi, como se sabe, um estado de guerra e conflito, intermitente e assimétrico, nos quatro cantos do planeta. Mas foi também, e paradoxalmente, a transferência progressiva dos centros de produção industrial para os países mais populosos do planeta, onde também existe a mão-de-obra mais barata e com menos direitos do mundo. Enquanto esta alteração da geografia económica tinha lugar, Estados Unidos, Canadá e Europa Ocidental tentaram manter sob mão militar pesada o controlo dos principais centros de recursos energéticos, minerais e alimentares do planeta, causando por este motivo guerras civis, golpes de Estado e uma permanente ingerência e manipulação de dezenas, para não dizer uma centena de estados soberanos, incluindo o apoio logístico, diplomático e militar a algumas das mais selváticas ditaduras que existiram no século 20.

Em suma, à medida que o poder puro e duro das armas foi sendo obrigado a ceder à força diplomática, o império dos Estados Unidos da América imporia a circulação da sua nota verde como uma espécie de sistema de vasos comunicantes da sua supremacia económico-financeira, bem como do seu famoso Soft power. Hollywood, a Coca-Cola e o Dólar tornaram-se assim os grandes embaixadores da Propaganda (Edward Bernays) do American Way of Life, cujo financiamento assentou, ao longo de 60 anos, na supremacia da moeda americana, imposta em Bretton Woods como meio de pagamento internacional para todos os indígenas do planeta. A ameaça a este predomínio viria precisamente dos países que primeiro repudiaram e acabaram por afastar norte-americanos, ingleses e holandeses da verdadeira espoliação dos recursos petrolíferos do Médio Oriente. À medida que as Sete Irmãs do Petróleo (as célebres Seven Sisters) foram sendo progressivamente substituídas por um novo cartel de companhias petrolíferas soberanas, o declínio ocidental seria uma questão de tempo. Não demorou, de facto, mais de 50 anos a transição de poderes iniciada pela constituição da OPEP (1960) até à consolidação das chamadas Novas Sete Irmãs: Saudi Aramco (Arábia Saudita), JSC Gazprom (Rússia), CNPC (China), NIOC (Irão), PDVSA (Venezuela), Petrobrás (Brazil), Petronas (Malásia).

Esta alteração profunda dos termos de troca internacionais, que se caracteriza sobretudo pelo controlo nacional das principais reservas energéticas e recursos minerais e alimentares do planeta, acompanhada por uma migração em larga escala dos centros de produção industrial do Ocidente para a Ásia e para o México e América do Sul (embora em muito menor escala), viria a provocar um processo de endividamento progressivo dos principais países industrializados: Estados Unidos, Canadá, Europa Ocidental e Japão. A globalização acabou pois por conduzir os países ricos e desenvolvidos a este resultado paradoxal: como o seu crescimento assentava cada vez mais no consumo de serviços e bens importados, e cada vez menos na produção de bens transaccionáveis e portanto exportáveis, só a imposição de moedas fortes e o domínio do sistema financeiro mundial poderiam compensar os desequilíbrios crescentes nas balanças comerciais entre consumidores compulsivos e produtores diligentes. Daqui à criação inflacionista de moeda, e à invenção de uma economia financeira cada vez mais virtual, foi um passo. O passo que vai do conforto económico aparente ao colapso das contas públicas e privadas de países inteiros!

Europe’s Web of Debt, New York Times, May 1, 2010

Vale a pena ler o estudo publicado pelo Bank for International Settlements —essa espécie de banco central dos bancos centrais, como lhe chama John Mauldin—, para compreender até que ponto Portugal é apenas uma roda encalhada do casino avariado da especulação internacional. Este casino, conhecido por mercado de derivados financeiros, é um incomensurável buraco negro para onde boa parte da economia mundial se precipita como um verdadeiro suicida. Se a Alemanha se mantiver no euro, as medidas de rigor orçamental, que passarão sobretudo por uma diminuição efectiva da dimensão dos aparelhos e responsabilidades dos estados, acabarão por se impor de um modo mais ou menos uniforme, embora em doses variáveis, à generalidade dos países afectados pelo endividamento excessivo. Se, pelo contrário, a Alemanha regressar ao marco, a agitação europeia será imprevisível. Teremos, em todo o caso, uma década muito difícil pela frente.

Voar para outras paragens

Completo hoje 700 artigos, escritos regularmente desde 30 de Julho de 2003. Foi, por assim dizer, uma obra de arte conceptual que levou sete anos a realizar (a Gioconda levou oito!) Procurei nestes anos fazer um ponto da situação geral do mundo, e ler o futuro do meu país. Se consegui ou não, compete a outros avaliar. Tudo o que escrevi continuará à disposição de todos os muitos leitores, alguns deles fieis colaboradores que por aqui passaram, às vezes diariamente. Se aparecer um editor interessado, haverá, quem sabe, um livro. Mas o mais importante foi feito: parar algum tempo para ler o espaço e o tempo onde me encontro, contribuindo, se possível, para o tornar mais interessante, dialogando com os meus semelhantes. Obrigado.

OAM 700 — 3 Maio 2010 19:43

6 responses to “Portugal 190

  1. António,

    Embora não estude o tema Educação, penso que há um erro na sua análise: a Educação tem que ser formal, exigente, para tornar alguém apto a realizar algumas tarefas, mesmo que haja desemprego. É preciso dominar o ciclo aprender, saber, fazer, mesmo que na área em concreto não haja emprego.

    Tem razão relativamente à necessidade de redução do materialismo e aceitar um conjuntura ou se calhar estrutura económica do Ocidente decadente e mais pobre. É preciso aceitar ser pobre e conscientemente feliz

    O Capitalismo não está decadente, como prova a China. O Capitalismo puro é a organização económica que mais se assemelha às virtudes e fraquezas do ser humano. O que está decadente e é preciso acelerar é o Crony Capitalism (ver wikipedia)

    «Teremos, em todo o caso, uma década muito difícil pela frente.» Tenho familiares e conhecidos a viver na Tunísia. Vou tentar ir de férias este ano para lá. Os portugueses que saíram a tempo das ex-colónias não sofreram os respectivos dramas, assim como os judeus que emigraram a tempo da Alemanha.

    Até sempre e até breve ! (pf ler email sobre este assunto)

  2. Caro José,

    O seu comentário —com o qual concordo em parte— levar-nos-ia muito longe. Vou tentar ser o mais sintético possível, começando por três exemplos pessoais.

    O meu melhor professor oficial de sempre chamou-se Óscar Lopes. Era eu, no longínquo ano de 1967, aluno do liceu D. Manuel II (hoje qualquer coisa Passos Manuel), e Óscar Lopes um simples professor de liceu (quando tudo apontaria para que fosse catedrático da língua portuguesa). Óscar Lopes era e foi comunista até morrer. Teve sorte, pois deixaram-no, mesmo assim, leccionar!

    Óscar Lopes foi aquilo que eu chamo um pedagogo perfeito. Não exigia nada dos seus alunos. Apenas guiava os nossos passos pelo mundo da literatura portuguesa falando connosco olhos nos olhos. E o brilho daquela mirada negra fazia toda a diferença! Era a verdadeira magia do ensino em acção. A gramática e a sintaxe, com ele, não torturavam ninguém. Numa palavra, a sua pedagogia não-directiva era eficaz. Eficaz, porque fruto de uma paixão declarada. A paixão pela língua portuguesa!

    Outro amigo, e não menos importante professor, ainda que informal, desta vez de teoria do conhecimento, com quem privei entre 1970 e 1976, chamou-se Egídio Namorado. Foi um importante físico teórico português (e primeiro director do então Centro de Cálculo Científico da F C Gulbenkian). Formou-se com 20 valores na Universidade de Coimbra, mas a sua crença no Comunismo, levou Salazar e repudiá-lo, pura e simplesmente, de todo o ensino público. Ouvi, mas sobretudo dialoguei com ele, centenas de horas sobre a origem, a construção, certezas e incertezas do conhecimento. Foi um dos meus grandes professores, e entre nós a única disciplina que existiu foi a do respeito mútuo pela verdade e pela indagação.

    Ao citar estes dois exemplos, pretendo apenas ilustrar a ideia de que a aprendizagem é sobretudo uma comunhão amorosa, e nunca um acto impositivo de autoridade.

    Nunca precisei de mostrar autoridade nas aulas que dei ao longo da minha ocasional carreira de professor. Tive alunos de 12-14 anos, alunos e alunas de 18-24 anos e alunos com mais de 40 e 50.

    Isto não quer dizer que a disciplina seja coisa de somenos e dispensável. Para mim, a disciplina nasce da necessidade de aprender e realizar obra. Se for mera afirmação de poder, vai pelo cano abaixo.

    O que não aceito é a ideia de que todos têm que saber matemática, gramática e lógica à força! Porque não apurar, em vez, o olfacto e a acuidade gustativa, ou a precisão futebolística do pé esquerdo?

    O que deu em desastre foi, uma vez verificada a impossibilidade de massificar a educação pela educação, baixar os critérios de avaliação, tornando o cumprimento da missão educativa uma simples dissimulação para efeitos estatísticos.

    A institucionalização de uma espécie de vazio de poder, em nome dos índices de sucesso escolar dos países —não se pode chumbar por faltas, etc.—, acabou por substituir o acto de ensinar e o acto de aprender. Esta é possivelmente a maior perda.

    O ensino de massas deve ser mais curto, deve ser elástico, e precisa de um código transparente de conduta, tanto para os alunos, como para os professores. As escolas e as universidades precisam de maior autonomia e… responsabilidade.

    Ao contrário do que o alarido mediático sobre o desastre educacional leva a crer, a verdade é que as sociedades são hoje muito mais instruídas e cognitivas de que há 50, 100, 200 anos atrás.

    Por outro lado, a evolução tecnológica tem sido tão rápida que a aprendizagem permanente se tornou uma condição de aptidão profissional e mesmo de integração social e cultural. Pensar o contrário é pôr a realidade de pernas para o ar!

    Aliás, o maior problema dos programas escolares é a sua rápida e brutal obsolescência cognitiva e pedagógica. Seguir o ritmo frenético das sociedades tecnológicas não e fácil para ninguém!

    Enfim, um tema aliciante, sobre o qual Medina Carreira não é certamente o melhor conselheiro!

  3. Viva Karocha!

    Foi uma decisão difícil, mas sim. O projecto António Maria deveria ter terminado no poste 500, mas a intensidade da crise mundial levou-me a prolongar a sua vida útil até ao poste 700. Neste momento, não creio que a minha escrita, ou ausência dela, possa fazer grande diferença, pois os principais problemas internacionais, europeus e portugueses parecem ter sido já interiorizados por muitos. Continuar a escrever sobre os temas que tenho abordado seria daqui para a frente uma espécie de insistência desesperada sobre o que se não deve fazer e sobre o que deve mudar para bem de todos. Não pertenço à área do poder, nem sequer sou militante de qualquer partido, pelo que a capacidade de influenciar o curso das coisas é… zero!
    Assim decidi que era altura de parar e de partir para outra aventura, onde o discurso sobre a realidade seja desenhado a partir duma estratégia mais cultural, com abordagens sobretudo construtivas e alternativas. Se tudo correr bem, haverá um novo e muito diferente projecto deste — O António Maria—, ao qual dediquei sete anos de entusiasmo e todo o dinheiro que não ganhei fazendo outras coisas (não me arrependo!), mas que me permitiu estudar as tendências económicas, energéticas, estratégicas e políticas do planeta actual. Foi uma longa e gratificante viagem, na qual fui muito bem acompanhado por pessoas como tu🙂

    Se e quando me meter noutra, enviarei mensagens a todos os muitos amigos que fui merecendo no António Maria.

    Até sempre!

  4. É com muita pena que leio estas últimas linhas deste Blog…

    Sobre a capacidade de influenciar as coisas, tenho apenas a fazer o seguinte comentário: vejam o filme “Como Treinar o teu Dragão 3D” – neste filme está espelhado um conceito formidável – apenas uma pessoa com uma visão diferente do considerado “normal” pode mudar o mundo!

    Caro António… o seu blog é uma fonte de aprendizagem! Aqui, qualquer comum português adormecido poderá acordar para a realidade escondida atrás de tanta diversão!

    Em nome da aprendizagem autodidacta, eu apelo a que nunca acabe com este blog, pois apesar de não se poder mudar o mundo com o que é/foi escrito num blog, pelo menos fique com a certeza de que algumas mentes foram despertas… e isso tem um enorme valor!

    Um abraço

  5. Se me procurarem no Facebook (António Maria) encontrarão um sucedâneo magro deste blogue… enquanto busco novas aventuras🙂 Talvez o Outono traga novidades…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s