O António Maria, série 2

Após 700 artigos publicados entre 2003 e 2010 decidi parar a publicação de textos que em geral me levavam várias horas de leituras prévias e outras tantas de escrita, e por vezes, ainda pesquisa de imagens.

Entretanto alguém sugeriu e eu ponderei a hipótese de o António Maria regressar, ainda que sob outro formato.

A verdade é que não deixei de publicar comentários, embora breves, agora no Facebook. Talvez seja, pois, o momento de regressar ao blogue e torná-lo uma plataforma de discussão de ideias e propostas de soluções. Mas desta vez, participada pelos “bloguistas” que não deixaram de se manter activos na blogosfera e comigo trocam diariamente informações e ideias. Com nomes próprios, pseudónimos ou heterónimos, convido-os a usarem esta plataforma para escreverem— responsavelmente. Enviarei de imediato convites aos novos, que espero sejam suficientes, colaboradores.

Os tempos são difíceis e as asneiras dos partidos, de bradar aos céus, além de aparentemente incuráveis.

O meu papel vai ser agora mais modesto, quer dizer menos dispendioso! Tenho outros projectos entre mãos, nomeadamente editoriais, e o António Maria enquanto blogue especialmente político precisará dos atentos, apaixonados e pacientes observadores do país que somos. Só assim daremos resposta ao desafio do bispo auxiliar de Lisboa que ontem fez um inesperado e corajoso desafio aos portugueses em geral, e em particular aos políticos, à gente rica e aos católicos deste país: ou partilham agora, solidariamente, 20% do que vos sobra, com os vossos irmãos em dificuldades, ou alguém partilhará por vós. A Política é hoje uma prioridade de cidadania, disse desassombradamente Carlos Azevedo.

Enquanto os novos ignaros e perfumados messias do PSD se estatelam contra a sua própria avidez e escandalosa ignorância, e o resto da Política fenece na mixórdia das suas pequenas e corrompidas ambições, o país caminha inexoravelmente para um longo ciclo de miséria, material e sobretudo moral. Ouço dizer que o país está já literalmente a saque dos que sabem onde e como roubar.

Cavaco Silva, lá para Setembro, perceberá que não tem condições para continuar. Foi tão responsável como os demais políticos da sua geração pela actual bancarrota de Portugal. A pseudo nacionalização do BPN foi um roubo de propriedade pública sem precedentes! E o jogo de sombras com o BPP, um financiamento público ilegal a uma sociedade de especulação financeira descarada. Escusa o actual presidente da república de se contorcer em risos forçados que lhe saem sempre mal. O seu lugar, como os dos demais responsáveis pela crise actual, é o caixote do lixo da História de Portugal.

Eu aposto há muito na implosão do actual sistema partidário. Está corrompido, é composto na sua maioria de gente sem neurónios e espiritualmente vazia, em suma precisa de levar uma grande volta. Pois então que se cindam ao meio PSD e PS. Que fiquem onde estão as micro-minorias oportunistas do nosso parlamento. E que no voto em branco da maioria de nós nasça a tempo uma rede de poderes dispersos na forma, mas coerente nos ideais. A democracia portuguesa ou é refundada ou morre noutra ditadura.

Queremos um Portugal transparente, solidário, exigente, trabalhador e com imaginação.

Por menos do que isto não chegaremos a parte alguma.

Por menos do que isto deitaremos o país a perder nos bolsos e nas alcovas sórdidas do populismo partidocrático dominante — isto é, dos responsáveis pela bancarrota de Portugal!

OAM 701 — Série II, 23 Julho 2010 15:48

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s